CONTADOR DE VISITAS

contador de acessos

Funk Gospel- Novas 2016-2017

FUNK E NOVO SOM

funk gospel e infantil

MX GOSPEL

HINOS JUDAICOS E ROMANTICAS

FUNK GOSPEL- VARIOS

MUSICAS MESSIANICAS

MELODY E VARIAS

VIDEO DO POKEMON

ESTUDO-INFERNO

Jogos para voce

ORIENTE MÉDIO

TURMINHA DA GRAÇA E MIDINHO

OS TRAPALHOES E A PRINCESA XUXA

Os trapalhoes-vol. 2

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAPOLIN

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAVES

DE GRAÇA RECEBESTE, DE GRAÇA DAI!!!!.

DE GRAÇAS RECEBESTES,DE GRAÇA DAI-MT10.8

ESTUDO-Jo 3.16

ESTUDO SOBRE ADORAÇÃO

INFANTIL

HINOS JUDAICOS

FUNK GOSPEL E ROMANTICAS 03

JOGO DE PERGUNTAS BÍBLICAS

CLIQUE PARA RESPONDER AS PERGUNTAS Coloque este widget em seu blog

FUTEBOL COM CARROS

JOGO ATIRE NAS GARRAFAS

JOGO DA BALEIA

JOGO DA BALEIA

Jogo pac man

JOGO BASKET

JOGO blast

JOGO MAGNETO

JOGO DE CORRIDA

Corrida Bíblica–o game

JOGO DA VELHA 02

Mais Jogos no Jogalo.com JOGO DA VELHA 02

JOGO BÍBLICO DE PERGUNTAS

Noticias g1

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS 02

LEITURA EM INGLÊS 02

NOVO SOM E DIVERSOS

funk gospel e musica judaica 02

ROMANTICASM JUDAICA E FUNK GOSPEL

RELÓGIO COM MENSAGEM

ROMANTICAS E FUNK GOSPEL

ROMANTICAS E FUNK GOSP. 02

ROMANTICAS GOSPEL

FUNK GOSPEL 25

FUNK GOSPEL 24

FUNK GOSPEL23

FUNK GOSPEL 22

FUNK GOSPEL 21

funk gospel 20

FUNK 19

/>

funk gospel 18

FUNK GOSPEL 16

FUNK GOSPEL 15

FUNK GOSPEL 14

GOSPEL FUNK 17

Prof. Marcio de Medeiros--ESTUDO SOBRE O INFERNO

NOTICIAS DE CONCURSOS

BEM ESTAR -GNT

FILME-A ÚILTIMA BATALHA

BATE PAPO CRISTÃO

Qual é a sua avaliação sobre este blog?

Formulario de autoresposta


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


NOVO SOM-ROMANTICAS

FUTEBOL 03

Placares oferecidos por futebol.com

FUTEBOL 04

Tabela futebol Brasileirão Serie A oferecida por Futebol.com

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF-SEMINARIO TEOLÓGICO FILADÉLFIA-J. BOM PASTOR-BELFORD ROXO-RJ

CAIXA DE CURTI FANPAGE

CUMPRIMENTO AO VISITANTE

link me

Prof Marcio de Medeiros

Por favor coloque este codigo em seu site ou blog e divulgue o nosso blog

NOTÍCIAS RIO

REDECOL NOTICIAS




NOTICIAS

G1 NOTICIAS

G1 NOTICIAS

MENTE MILIONARIA

MENTE MILIONARIA-COMO SER BEM SUCEDIDO FINANCEIRAMENTE
CLIQUE E ASSISTA!!!!

PROP. DA PAGINA NO FACE04

BUSCA DE EMPREGOS

BATIDAO GOSPEL 10

FUNKS DIVERSOS 11

BATIDÃO GOSPEL12

FUNK GOSPEL 13

Batidao 09

BATIDAO 08

BATIDÃO 07

BATIDÃO GOSPEL 06

BATIDÃO GOSPEL 3

BATIDÃO GOSPEL 4

BATIDÃO GOSPEL 07

BATIDÃO GOSPEL

BATIDÃO GOSPEL 2

BATIDAO GOSPEL 05

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE

SITE DE ENTRETENIMENTO

UTILITARIOS EM GERAL

CALENDARIO E JESUS

CALENDÁRIO E PAISAGEM

musicas do c.c e da harpa

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 03

BANNER DO SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ENTRETENIMENTO

MENSAGEM PARA VOÇÊ 2

SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ASSUNTOS BÍBLICOS

SITE DE CULTURA

DESENHO DA CRIAÇÃO E DE NOÉ

DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A ARCA DE NOÉ-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO SOBRE JOSUÉ

DESENHO SOBRE JOSUÉ-CLIQUE PARA ASSISTIR.

DESENHO SOBRE MOISÉS

DESENHO SOBRE MOISÉS-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO-O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS-CLIQUE PARA ASSSITIR

FILME-INFERNO EM CHAMAS

FILME O INFERNO EM CHAMAS

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 02

DA LINK SA PAG.DO FACE DO BLOG

AULA DE BIBLIOL.SETEF-07/05/13

AULA DE BIBLIOLOGIA-DATA:07/05/13- MINISTRADA DO SEMINARIO SETEF

Pag do facebook 02

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

343-O LIVRO DE 1 REIS




                                                         
                                                   O VIDEO PARA ASSISTÍ-LO

Autor: O Livro de 1 Reis não cita especificamente o nome do seu autor. A tradição é que ele foi escrito pelo profeta Jeremias.

Quando foi escrito: O Livro de 1 Reis foi provavelmente escrito entre 560 e 540 AC.

Propósito: Este livro é a continuação de 1 e 2 Samuel e começa traçando a ascensão de Salomão ao trono após a morte de Davi. A história começa com um reino unido, mas termina em uma nação dividida em dois reinos conhecidos como Judá e Israel. 1 e 2 Reis são combinados em um único livro na Bíblia hebraica.

Versículos-chave: 1 Reis 1:30: “farei no dia de hoje, como te jurei pelo SENHOR, Deus de Israel, dizendo: Teu filho Salomão reinará depois de mim e se assentará no meu trono, em meu lugar.”

1 Reis 9:3: “e o SENHOR lhe disse: Ouvi a tua oração e a tua súplica que fizeste perante mim; santifiquei a casa que edificaste, a fim de pôr ali o meu nome para sempre; os meus olhos e o meu coração estarão ali todos os dias.”

1 Reis 12:16: “Vendo, pois, todo o Israel que o rei não lhe dava ouvidos, reagiu, dizendo: Que parte temos nós com Davi? Não há para nós herança no filho de Jessé! Às vossas tendas, ó Israel! Cuida, agora, da tua casa, ó Davi! Então, Israel se foi às suas tendas.”

1 Reis 12:28: “Pelo que o rei, tendo tomado conselhos, fez dois bezerros de ouro; e disse ao povo: Basta de subirdes a Jerusalém; vês aqui teus deuses, ó Israel, que te fizeram subir da terra do Egito!”

1 Reis 17:1: “Então, Elias, o tesbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe: Tão certo como vive o SENHOR, Deus de Israel, perante cuja face estou, nem orvalho nem chuva haverá nestes anos, segundo a minha palavra.”

Resumo: O Livro de 1 Reis começa com Salomão e termina com Elias. A diferença entre os dois nos dá uma ideia do que aconteceu. Salomão nasceu depois de um escândalo real entre Davi e Bate-Seba. Como seu pai, ele tinha uma fraqueza por mulheres que chegaria a derrubá-lo. Salomão fez bem, de primeira, ao orar por sabedoria e construir um templo a Deus que levou sete anos. Em seguida, no entanto, ele passou 13 anos construindo um palácio para si mesmo. Seu acúmulo de muitas mulheres o levou a adorar os seus ídolos e afastar-se de Deus. Após a morte de Salomão, Israel foi governado por uma série de reis, a maioria dos quais eram perversos e idólatras. Isso, por sua vez, levou a nação para longe de Deus de tal forma que nem a pregação de Elias seria capaz de trazê-los de volta. Entre os reis mais perversos estavam Acabe e sua rainha, Jezabel, os quais trouxeram a adoração de Baal a novas alturas em Israel. Elias tentou fazer com que os israelitas retornassem à adoração de Jeová, chegando até mesmo ao ponto de desafiar os sacerdotes idólatras de Baal para um confronto com Deus no Monte Carmelo. Claro que Deus ganhou. Isso muito irritou a rainha Jezabel (para dizer o mínimo). Ela ordenou a morte de Elias, por isso ele fugiu e se escondeu no deserto. Deprimido e exausto, ele disse: “Deixe-me morrer”. Mas Deus enviou alimentos e encorajamento ao profeta e sussurrou-lhe “um cicio tranquilo e suave”, salvando a sua vida no processo para trabalho futuro.

Prenúncios: O Templo em Jerusalém, onde o Espírito de Deus habita no Santo dos Santos, é um prenúncio dos seguidores de Cristo em quem o Espírito Santo reside desde o momento da nossa salvação. Assim como era para os israelitas abandonar a idolatria, devemos também pôr de lado qualquer coisa que nos separa de Deus. Nós somos o Seu povo, o templo do Deus vivo. Segundo Coríntios 6:16 nos diz: “Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuários do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.”

O profeta Elias foi o precursor de Cristo e dos apóstolos do Novo Testamento. Deus permitiu que Elias fizesse coisas milagrosas a fim de provar que era realmente um homem de Deus. Ele ressuscitou dos mortos o filho da viúva de Sarepta, causando-lhe a exclamar: “Nisto conheço agora que tu és homem de Deus e que a palavra do SENHOR na tua boca é verdade”. Da mesma forma, os homens de Deus que falaram Suas palavras através do Seu poder são evidentes no Novo Testamento. Jesus não só ressuscitou Lázaro dentre os mortos, mas também ressuscitou o filho da viúva de Naim (Lucas 7:14-15) e a filha de Jairo (Lucas 8:52-56). O apóstolo Pedro ressuscitou Dorcas (Atos 9:40) e Paulo ressuscitou Êutico (Atos 20:9-12).

Aplicação Prática: O Livro de 1 Reis tem muitas lições para os fiéis. Nesse livro encontramos uma advertência para que tipos de amigos temos, especialmente no que diz respeito a associações próximas e casamento. Os reis de Israel que, como Salomão, casaram com mulheres estrangeiras expuseram a si mesmos e às pessoas que governavam ao mal. Como seguidores de Cristo, devemos ter muito cuidado sobre quem escolhemos como amigos, colegas de trabalho e cônjuges. “Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes” (1 Coríntios 15:33).

A experiência de Elias no deserto também nos ensina uma lição valiosa. Depois da sua vitória incrível sobre os 450 profetas de Baal no Monte Carmelo, sua alegria transformou-se em tristeza ao ser perseguido por Jezabel e ter que fugir para salvar sua vida. Tais “experiências do topo da montanha” frequentemente são seguidas por uma desilusão e pela depressão e desânimo que surgem em seguida. Temos que estar atentos para este tipo de experiência na vida Cristã. No entanto, o nosso Deus é fiel e nunca vai nos deixar ou abandonar. O cicio quieto e suave que encorajou Elias vai nos encorajar também.





Livro de 1 Reis


1 Reis (1Rs)
 
Escritor: Anônimo
Lugar da Escrita: Jerusalém e Judá
Escrita Completada: Cerca de 560-550 a.C.
Tema: Reis de Israel e de Judá

As conquistas de Davi haviam estendido o território de Israel até os limites fixados por Deus, desde o rio Eufrates, no Norte, até o rio do Egito, no Sul. (2 Sam. 8:3; 1 Reis 4:21) Quando Davi já estava morto, e seu filho Salomão reinava em seu lugar, “Judá e Israel eram muitos, em multidão, iguais aos grãos de areia junto ao mar, comendo e bebendo, e alegrando-se”. (1 Reis 4:20) Salomão governava com grande sabedoria, sabedoria esta que ultrapassava em muito a dos gregos da antiguidade. Ele construiu um magnífico templo para Deus. Entretanto, até mesmo Salomão se desviou para a adoração de deuses falsos. Quando morreu, o reino se dividiu em duas partes, e uma sucessão de reis maus nos reinos rivais de Israel e de Judá agiu ruinosamente, acarretando angústia ao povo, precisamente como Samuel predissera. (1 Sam. 8:10-18) Dos 14 reis que reinaram em Judá ou em Israel depois da morte de Salomão, mencionados no livro de Primeiro Reis, apenas 2 conseguiram fazer o que é correto aos olhos de Deus. Então, é este relato ‘inspirado e proveitoso’? Não resta dúvida de que é, conforme veremos, examinando os conselhos dados, as profecias e os tipos contidos, bem como sua relação com o tema do Reino, que predomina em “toda a Escritura”.

O livro de Reis era originalmente um só rolo, ou volume, sendo chamado em hebraico de Mela·khím (Reis). Os tradutores da Septuaginta o chamaram de Ba·si·leí·on, “Reinos”, e foram os primeiros a dividi-lo em dois rolos, para comodidade. Mais tarde, foram chamados de Terceiro e Quarto Reis, títulos que continuam até o presente em Bíblias católicas. Não obstante, são agora geralmente conhecidos por Primeiro e Segundo Reis. São diferentes de Primeiro e de Segundo Samuel, pois o compilador cita documentos anteriores como fonte de matéria. Nos dois livros, o único compilador se refere 15 vezes ao “livro dos assuntos dos dias dos reis de Judá” e 18 vezes ao “livro dos assuntos dos dias dos reis de Israel”, também ao “livro dos assuntos de Salomão”. (1 Reis 15:7; 14:19; 11:41) Embora estes antigos escritos tenham sido perdidos por completo, a compilação inspirada existe a narrativa proveitosa de Primeiro e Segundo Reis.

Quem escreveu os livros dos Reis? A ênfase que se dá à obra executada pelos profetas, notadamente por Elias e por Eliseu, indica que foi um profeta de Deus que os escreveu. As similaridades de linguagem, composição e estilo sugerem que o escritor destes livros de Reis é o mesmo que escreveu o livro de Jeremias. Muitas palavras e expressões hebraicas só se encontram nos livros de Reis e em Jeremias, não aparecendo em nenhum outro livro da Bíblia. Contudo, se Jeremias escreveu os livros de Reis, por que não é ele mencionado neles? Porque não era necessário, visto que a obra que ele realizou já estava descrita no livro que leva o seu nome. Além disso, os livros de Reis foram escritos para magnificar a Deus e a Sua adoração, não para aumentar a reputação de Jeremias. Na realidade, os livros de Reis e de Jeremias se complementam em grande parte, um fornecendo a informação que o outro omite. Outrossim, há passagens paralelas, como, por exemplo, 2 Reis 24:18-25:30 e Jeremias 39:1-10; 40:7-41:10; 52:1-34. A tradição judaica confirma que Jeremias foi o escritor de Primeiro e Segundo Reis. Foi, sem dúvida, em Jerusalém que ele começou a compilar os dois livros, e parece que o segundo livro foi completado no Egito, por volta de 560 a.C., visto que na conclusão de sua narrativa ele se refere a eventos que aconteceram naquela época. (2 Reis 25:27) Primeiro Reis retoma a narrativa da história de Israel donde havia sido interrompida no fim de Segundo Samuel, e prossegue até o ano em que Jeosafá morreu. 1 Reis 22:50.

Primeiro Reis ocupa seu lugar legítimo no cânon das Escrituras Sagradas, sendo aceito por todas as autoridades nesse campo. Além do mais, os eventos relatados em Primeiro Reis são confirmados pela história secular do Egito e da Assíria. A arqueologia confirma igualmente muitas das declarações do livro. Por exemplo, em 1 Reis 7:45, 46, lemos que foi “no Distrito do Jordão . . . entre Sucote e Zaretã” que Hirão fundiu os utensílios de cobre para o templo de Salomão. Os arqueólogos, escavando o local da antiga Sucote, desenterraram evidência de atividades de fundição ali. Além disso, um relevo sobre a parede do templo em Carnac (a antiga Tebas) exalta a invasão de Judá por parte do rei egípcio Xexonque (Sisaque), mencionada em 1 Reis 14:25, 26.

As referências de outros escritores da Bíblia e o cumprimento das profecias atestam a autenticidade de Primeiro Reis. Jesus falou dos eventos relacionados com Elias e a viúva de Sarefá como realidades históricas. (Luc. 4:24-26) Falando sobre João, o Batizador, Jesus disse: “Ele mesmo é ‘Elias, que está destinado a vir’.” (Mat. 11:13, 14) Jesus se referia aqui à profecia de Malaquias, que falava da mesma forma sobre um dia futuro: “Eis que vos envio Elias, o profeta, antes de chegar o grande e atemorizante dia do Senhor.” (Mal. 4:5) Jesus confirmou adicionalmente a canonicidade de Primeiro Reis, mencionando o que estava escrito nesse livro sobre Salomão e sobre a rainha do sul. Mat. 6:29; 12:42; compare com 1 Reis 10:1-9.

CONTEÚDO DE PRIMEIRO REIS

Salomão torna-se rei (1 Reis 1:1-2:46). Primeiro Reis começa na ocasião em que Davi está à beira da morte, perto do fim de seu reinado de 40 anos. Seu filho Adonias, ajudado por Joabe, chefe do exército, e por Abiatar, o sacerdote, conspira apoderar-se do trono. O profeta Natã informa Davi a respeito disto e lembra ao rei indiretamente que este já nomeara Salomão para ser rei após sua morte. Em resultado disso, enquanto os conspiradores celebram a sucessão de Adonias, Davi dá ordens a Zadoque, o sacerdote, para ungir a Salomão como rei. Davi passa então a aconselhar Salomão a ser forte e mostrar-se homem, e a andar nos caminhos do Senhor, seu Deus, após o que Davi morre e é enterrado “na Cidade de Davi”. (2:10) Com o tempo, Salomão bane a Abiatar e executa os perturbadores, a saber, Adonias e Joabe. Mais tarde, Simei é executado porque não respeita a misericordiosa provisão feita de se lhe poupar a vida. O reino fica agora firmemente estabelecido nas mãos de Salomão.

Salomão reina com sabedoria (3:1-4:34). Salomão faz uma aliança matrimonial com o Egito, casando-se com a filha de Faraó. Ele ora a Deus para que lhe dê um coração obediente, a fim de julgar com discernimento o povo de Deus. Em virtude de não solicitar vida longa ou riquezas, Deus promete dar-lhe um coração sábio e discernidor, bem como riquezas e glória. Logo no início de seu reinado, Salomão revela sua sabedoria, quando duas mulheres se apresentam diante dele, ambas sustentando ser seu o mesmo filho. Salomão ordena a seus homens que ‘cortem o menino vivo em dois’ e dêem metade para cada uma delas. (3:25) Nisto, a mãe verdadeira pleiteia pela vida do bebê, dizendo que a outra mulher pode ficar com ele. Assim, Salomão identifica a mãe verdadeira, e ela recebe o filho. Graças à sabedoria de Salomão, dada por Deus, todo o Israel prospera, é feliz e goza de segurança. Pessoas de muitos países vêm ouvir a sua sabedoria.

O templo de Salomão (5:1-10:29). Salomão relembra as palavras de Deus a Davi, seu pai: “Teu filho, a quem porei sobre o teu trono em teu lugar, ele é quem construirá uma casa ao meu nome.” (5:5) Por conseguinte, Salomão faz preparativos para isso. Hirão, rei de Tiro, presta ajuda, enviando madeira de cedro e de junípero do Líbano, bem como trabalhadores qualificados. Estes, juntamente com os trabalhadores contratados por Salomão, começam a trabalhar na construção da casa de Deus, no quarto ano do reinado de Salomão, isto é, no 480.° ano depois que os israelitas saíram do Egito. (6:1) Não se usam martelos, machados nem ferramenta alguma de ferro no local da construção, pois todas as pedras são preparadas e talhadas na pedreira antes de serem levadas ao local do templo para serem assentadas. As paredes internas do templo são primeiro cobertas de cedro e o chão, de junípero, a seguir, todo o interior é belamente revestido de ouro. Fazem-se dois querubins de oleastro, tendo cada um dez côvados (4,5 m) de altura e dez côvados da ponta de uma asa à outra, e estes são colocados no compartimento mais recôndito. São entalhadas nas paredes do templo figuras de outros querubins, de palmeiras e de flores. Finalmente, depois de mais de sete anos de trabalho, o magnífico templo é terminado. Salomão continua o seu programa de construção: uma casa para si mesmo, a Casa da Floresta do Líbano, o Pórtico das Colunas, o Pórtico do Trono e uma casa para a filha de Faraó. Faz também duas grandes colunas de cobre para o pórtico da casa de Deus, o mar de fundição para o pátio, carrocins de cobre, bacias de cobre e utensílios de ouro.
Chega então o tempo para os sacerdotes transportarem a arca do pacto de Deus e a colocarem no compartimento mais recôndito, o Santíssimo, debaixo das asas dos querubins. Quando os sacerdotes saem, ‘a glória do Senhor enche a casa de Deus’, não mais podendo os sacerdotes ficar de pé para ministrar. (8:11) Salomão abençoa a congregação de Israel, bendiz e louva ao Senhor. Ajoelhado e com as mãos estendidas para os céus, ele reconhece em sua oração que nem o céu dos céus pode conter a Deus, muito menos a casa terrestre que construiu. Em sua oração, pede que Deus ouça a todos os que temem a Ele, quando orarem voltados para essa casa, sim, até mesmo ao estrangeiro vindo de uma terra distante, “para que todos os povos da terra conheçam o teu nome para te temer assim como teu povo Israel”. 8:43.

Durante a festa de 14 dias que se segue, Salomão sacrifica 22.000 bovinos e 120.000 ovelhas. Deus diz a Salomão que ouviu a sua oração e que santificou o templo, colocando ali o Seu “nome por tempo indefinido”. Agora, se Salomão andar em retidão diante de Deus, o trono de seu reino continuará. Contudo, se Salomão e seus filhos depois dele abandonarem a adoração de Deus e servirem a outros deuses, nesse caso, Deus diz: “Eu vou decepar Israel da superfície do solo que lhes dei; e a casa que santifiquei ao meu nome lançarei para longe de mim, e Israel deveras se tornará uma expressão proverbial e um escárnio entre todos os povos. E esta mesma casa se tornará montões de ruínas.” 9:3, 7, 8.
Levou 20 anos para Salomão terminar as duas casas, a casa de Deus e a casa do rei. Daí, ele passa a construir muitas cidades em todo o seu domínio, bem como uma frota de navios para comércio com países distantes. A rainha de Sabá ouve falar da grande sabedoria que Deus deu a Salomão, e ela vem prová-lo com perguntas difíceis. Depois de ouvi-lo e ver a prosperidade e a felicidade de seu povo, ela exclama: “Não se me contou nem a metade.” (10:7) Visto que Deus continua a mostrar amor por Israel, Salomão chega a ser “maior em riquezas e em sabedoria do que todos os outros reis da terra”. 10:23.

Infidelidade e morte de Salomão (11:1-43). Desobedecendo ao mandamento de Deus, Salomão toma muitas esposas de outras nações 700 esposas e 300 concubinas. (Deut. 17:17) Seu coração é desviado para servir outros deuses. Deus lhe diz que o reino lhe será arrancado, não nos seus dias, mas nos dias de seu filho. Entretanto, parte do reino, uma tribo, além da tribo de Judá, será governada pelos filhos de Salomão. Deus começa a suscitar inimigos a Salomão dentre as nações vizinhas, e Jeroboão, da tribo de Efraim, também se levanta contra o rei. O profeta Aijá diz a Jeroboão que ele reinará sobre dez tribos de Israel, mas Jeroboão foge para o Egito, temendo pela sua vida. Salomão morre depois de reinar 40 anos, e seu filho Roboão torna-se rei no ano 997 a.C..

O reino é dividido (12:1-14:20). Jeroboão volta do Egito e junto com o povo vai pedir a Roboão que os alivie de todas as cargas que Salomão colocou sobre eles. Em vez de escutar o conselho sábio dos anciãos de Israel, Roboão escuta os jovens e aumenta o jugo que pesa sobre o povo. Israel se revolta e faz de Jeroboão rei sobre as dez tribos do norte. Roboão, ficando com apenas Judá e Benjamim, reúne um exército para combater os rebeldes, mas, às ordens de Deus, ele recua. Jeroboão edifica Siquém como sua capital, mas ainda assim se sente inseguro. Teme que o povo retorne a Jerusalém para adorar a Deus e se submeta novamente a Roboão. A fim de impedir isto, faz dois bezerros de ouro, que coloca um em Dã e o outro em Betel, e designa sacerdotes, não dentre a tribo de Levi, mas dentre todo o povo, para presidirem à adoração.

Enquanto Jeroboão oferece sacrifício no altar de Betel, Deus envia um profeta para avisá-lo de que Ele suscitará um rei da linhagem de Davi, de nome Josias, e que este tomará ação enérgica contra o altar de adoração falsa. Como um portento, o altar é então imediatamente fendido em dois. Mais tarde, o próprio profeta é morto por um leão, pois desobedeceu à ordem de Deus de não comer nem beber durante a sua missão. A adversidade começa então a vir sobre a casa de Jeroboão. Seu filho morre, conforme o julgamento da parte de Deus, e Aijá, profeta de Deus, prediz que a casa de Jeroboão será completamente exterminada, porque ele cometeu o grande pecado de colocar falsos deuses em Israel. Depois de reinar 22 anos, Jeroboão morre e seu filho Nadabe torna-se rei em seu lugar.

Roboão, Abijão e Asa, reis de Judá (14:21-15:24). No ínterim, sob Roboão, Judá faz também o que é mau aos olhos de Deus, praticando a adoração de ídolos. O rei do Egito invade e leva muitos dos tesouros do templo. Depois de 17 anos de reinado, Roboão morre, e seu filho Abijão torna-se rei. Ele também continua a pecar contra Deus e morre depois de três anos de reinado. Asa, seu filho, o sucede, e, ao contrário dele, serve a Deus de todo o coração e retira do país os ídolos detestáveis. Há guerra constante entre Israel e Judá. Asa recebe ajuda da Síria, e Israel vê-se forçado a retirar-se. Asa reina 41 anos e é sucedido pelo seu filho Jeosafá.

Nadabe, Baasa, Elá, Zinri, Tibni, Onri e Acabe, reis em Israel (15:25-16:34). Que bando de malfeitores! Baasa assassina a Nadabe depois de este ter reinado apenas dois anos, e passa a exterminar a inteira casa de Jeroboão. Continua na adoração falsa e a lutar contra Judá. Deus prediz que eliminará a casa de Baasa como fez com a de Jeroboão. Depois de 24 anos de reinado, Baasa é sucedido pelo seu filho Elá, que é assassinado dois anos depois pelo seu servo Zinri. Logo que se apodera do trono, Zinri destrói a todos os da casa de Baasa. Ouvindo isto, o povo estabelece como rei a Onri, o chefe do exército, e investe contra Tirza, a capital do Rei Zinri. Vendo que tudo está perdido, Zinri queima a casa do rei sobre si mesmo, de modo que morre. Daí, Tibni tenta governar como rei rival, mas, algum tempo depois, os seguidores de Onri apanham a Tibni e o matam.
Onri compra o monte de Samaria sobre o qual edifica a cidade de Samaria. Segue os mesmos caminhos de Jeroboão, ofendendo a Deus com a adoração de ídolos. Com efeito, ele é pior do que os demais que o precederam. Depois de reinar durante 12 anos, ele morre, e Acabe, seu filho, torna-se rei. Acabe se casa com Jezabel, filha do rei de Sídon, daí ele edifica um altar a Baal em Samaria. Excede em iniqüidade a todos os que o precederam. É nessa época que Hiel, o betelita, reconstrói a cidade de Jericó, pagando com a vida de seu filho primogênito e de seu caçula. A verdadeira adoração está em total declínio.

A obra profética de Elias em Israel (17:1-22:40). Subitamente, entra em cena um mensageiro de Deus. Trata-se de Elias, o tisbita. É realmente impressionante a sua primeira mensagem ao Rei Acabe: “Assim como vive Deus, o Deus de Israel, perante quem deveras estou de pé, não ocorrerá durante estes anos nem orvalho nem chuva, a não ser à ordem da minha palavra!” (17:1) De modo igualmente súbito, Elias se retira, sob a ordem de Deus, para um vale ao leste do Jordão. A seca castiga Israel, mas os corvos trazem alimento para Elias. Quando a torrente seca, Deus envia seu profeta a Sarefá, em Sídon, para residir ali. Em razão da bondade que uma viúva demonstra para com Elias, Deus lhe mantém miraculosamente a pequena reserva de farinha e de azeite, assim nem ela nem seu filho morrem de fome. Depois de algum tempo, o filho adoece e morre, mas Elias implora a Deus, e Deus restitui a vida ao menino. Daí, no terceiro ano da seca, Deus envia de novo Elias a Acabe. Este acusa Elias de ter trazido ostracismo sobre Israel, mas Elias responde com firmeza a Acabe: “Foste tu e a casa de teu pai” que o trouxeram, seguindo aos Baalins. 18:18.

Elias vai ter com Acabe para ajuntar todos os profetas de Baal no monte Carmelo. Não mais poderão mancar em duas opiniões. Apresenta-se a questão: Deus contra Baal! Perante todo o povo, os 450 sacerdotes de Baal preparam um novilho, colocam-no sobre a lenha em cima do altar e oram para que desça fogo para consumir a oferta. Desde a manhã até o meio-dia, em vão invocam a Baal, em meio às zombarias de Elias. Gritam e fazem cortes em si mesmos, mas não recebem nenhuma resposta! Daí, o profeta Elias, sozinho, edifica um altar em nome de Deus, prepara a lenha e o novilho para o sacrifício. Manda o povo encharcar a oferta e a lenha três vezes com água, e em seguida ora a Deus: “Responde-me, ó Deus, responde-me, para que este povo saiba que tu, Senhor, és o verdadeiro Deus!” Nisto, desce subitamente fogo do céu, consumindo a oferta, a lenha, as pedras do altar, o pó e a água. Quando todo o povo vê isto, prostra-se imediatamente com o rosto em terra e diz: “Tu Senhor, és o verdadeiro Deus!” (18:37, 39) Morte aos profetas de Baal! Elias cuida pessoalmente da matança de modo a não deixar escapar nenhum. Daí, Deus faz chover, acabando assim a seca em Israel.

Quando as notícias sobre a humilhação de Baal chegam a Jezabel, ela procura um meio de mandar matar Elias. Temendo, ele foge com seu ajudante para o ermo, e Deus o conduz a Horebe. Deus lhe aparece ali não de modo espetacular no meio dum vento, num tremor ou num fogo, mas com “uma voz calma, baixa”. (19:11, 12) Deus ordena-lhe que vá ungir a Hazael para ser rei da Síria, a Jeú para ser rei em Israel e a Eliseu como profeta em seu lugar. Ele consola a Elias com a informação de que 7.000 pessoas em Israel não se encurvaram diante de Baal. Elias vai imediatamente ungir Eliseu, lançando sobre ele o seu manto oficial. Acabe ganha agora duas vitórias sobre os sírios, mas é repreendido por Deus por ter feito um pacto com o rei deles, em vez de matá-lo. Daí, vem o caso de Nabote, cujo vinhedo Acabe cobiça. Jezabel trama uma acusação falsa contra Nabote por meio de testemunhas falsas, e faz que ele seja morto de modo a Acabe poder tomar o vinhedo. Que crime imperdoável!
De novo Elias aparece. Diz a Acabe que, no próprio lugar onde Nabote morreu, os cães lamberão igualmente seu sangue, e que sua casa será exterminada tão completamente quanto a de Jeroboão e de Baasa. Os cães comerão a Jezabel no terreno de Jezreel. “Sem exceção, ninguém se mostrou igual a Acabe, que se vendeu para fazer o que é mau aos olhos de Deus, instigando-o Jezabel, sua esposa.” (21:25) Entretanto, visto que Acabe se humilha ao ouvir as palavras de Elias, Deus diz que a calamidade não virá nos seus dias, mas nos dias de seu filho. Acabe se junta agora a Jeosafá, rei de Judá, e eles lutam contra a Síria, contrário ao conselho de Micaías, o profeta de Deus. Acabe morre dos ferimentos que recebe na batalha. Enquanto seu carro é lavado junto ao reservatório de Samaria, os cães lambem seu sangue, assim como Elias profetizara. Acazias, seu filho, torna-se rei em Israel em seu lugar.

Jeosafá reina em Judá (22:41-53). Jeosafá, que acompanhara a Acabe na batalha contra a Síria, permanece fiel a Deus, semelhante a Asa, seu pai, mas não extermina por completo os altos da adoração falsa. Depois de reinar por 25 anos, ele morre, e Jeorão, seu filho, torna-se rei. Ao norte, em Israel, Acazias segue as pisadas de seu pai, ofendendo a Deus com a adoração que presta a Baal.

PROVEITO PARA O DIA DE HOJE:

Pode-se tirar grande proveito das instruções divinas contidas em Primeiro Reis. Vejamos primeiro o assunto da oração, que tão freqüentemente é acentuado nesse livro. Quando confrontado com a tremenda responsabilidade de reinar em Israel, Salomão orou humildemente a Deus, como uma criança. Pediu apenas discernimento e um coração obediente, mas, além de sabedoria em medida superabundante, Deus lhe deu também riquezas e glória. (3:7-9, 12-14) Tenhamos nós hoje a certeza de que as nossas humildes orações, pedindo sabedoria e orientação no serviço de Deus, não ficarão sem resposta! (Tia. 1:5) Oremos sempre com fervor e de todo o coração, com profundo apreço por toda a bondade de Deus, como o fez Salomão por ocasião da dedicação do templo! (1 Reis 8:22-53) Que nossas orações sejam sempre feitas com total confiança em Deus e dependência dele, a exemplo de Elias que orou em tempo de provação e quando confrontado face a face com uma nação que adorava demônios! Deus provê maravilhosamente às necessidades dos que o buscam em oração. 1 Reis 17:20-22; 18:36-40; 1 João 5:14.

Além do mais, o exemplo dos que não se humilharam perante Deus deve constituir um aviso para nós. Como ‘Deus se opõe aos soberbos’! (1Ped. 5:5) Houve Adonias, que pensou que pudesse passar por alto a designação teocrática de Deus (1 Reis 1:5; 2:24, 25); Simei, que pensou que pudesse ultrapassar impunemente os limites (2:37, 41-46); Salomão, cuja desobediência no fim de seus dias, suscitou opositores da parte de Deus (11:9-14, 23-26); e os reis de Israel, cuja religião falsa levou à ruína (13:33, 34; 14:7-11; 16:1-4). Houve também a iniquamente cobiçosa Jezabel, o poder por trás do trono de Acabe, cujo exemplo notório foi usado mil anos mais tarde como base para um aviso à congregação de Tiatira: “Não obstante, tenho contra ti que toleras aquela mulher Jezabel, que se chama profetisa, e ela ensina e desencaminha os meus escravos para cometerem fornicação e para comerem coisas sacrificadas a ídolos.” (Ap. 2:20) Os dirigentes precisam manter as congregações limpas e livres de todas as influências semelhantes às de Jezabel! Veja Atos 20:28-30.
O poder de profecia de Deus é claramente demonstrado no cumprimento de muitas profecias relatadas em Primeiro Reis. Por exemplo, há a notável profecia, feita com mais de 300 anos de antecedência, segundo a qual seria Josias quem destruiria o altar de Jeroboão, em Betel. Josias fez realmente isso! (1 Reis 13:1-3; 2 Reis 23:15) Contudo, são ainda mais extraordinárias as profecias sobre a casa de Deus, construída por Salomão. Deus disse a Salomão que o desvio para os deuses falsos resultaria em Ele ‘decepar Israel da superfície do solo, e lançar para longe Dele a casa que santificou ao seu nome’. (1 Reis 9:7, 8) Em 2 Crônicas 36:17-21, lemos quão exatamente se cumpriu esta predição. Além do mais, Jesus anunciou que o templo que Herodes, o Grande, havia construído mais tarde naquele local teria o mesmo fim, e isso pelo mesmo motivo. (Luc. 21:6) Quão verídico também isto revelou ser! Devemos lembrar-nos dessas catástrofes e do motivo de terem acontecido, a fim de andarmos sempre nos caminhos do verdadeiro Deus.

A rainha de Sabá veio de seu país distante e se maravilhou da sabedoria de Salomão, da prosperidade de seu povo e da glória do seu reino, também da magnífica casa do Senhor Deus. Entretanto, até mesmo Salomão confessou diante de Deus: “Os próprios céus, sim, o céu dos céus, não te podem conter; quanto menos, então, esta casa que construí!” (1 Reis 8:27; 10:4-9) Séculos mais tarde, porém, Cristo Jesus veio para realizar uma obra de construção espiritual, especialmente relacionada com a restauração da adoração verdadeira no grande templo espiritual de Deus. (Heb. 8:1-5; 9:2-10, 23) É a este maior do que Salomão que se aplica a promessa de Deus: “Então deveras estabelecerei o trono do teu reino sobre Israel por tempo indefinido.” (1 Reis 9:5; Mat. 1:1, 6, 7, 16; 12:42; Luc. 1:32) Primeiro Reis fornece estimulante vislumbre da glória do templo espiritual de Deus, bem como da prosperidade, da alegria e da felicidade indescritíveis de todos os que chegarem a viver sob o sábio domínio do Reino de Deus, por Cristo Jesus. Assim, aumenta cada vez mais o nosso apreço da importância da verdadeira adoração e da maravilhosa provisão feita por Deus, de seu Reino por meio da Semente!


FONTE:
http://www.montesiao.pro.br
http://www.gotquestions.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!.EU SOU MARCIO DE MEDEIROS-PROF.DO SETEF,SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.JESUS TE AMA E MORREU POR VOÇÊ!!!.
TEMOS,1 SITE DESTINADO A CULTURA GERAL , OUTRO SITE DESTINADO À ASSUNTO BÍBLICOS E UM OUTRO SITE DESTINADO À ENTRETENIMENTO,TEMOS:JOGOS,FILMES,DESENHOS ETC.USE OS LINKS ABAIXO PARA VISITAREM OS SITES.TEMOS 3 SITES E 1 BLOG.BOM PROVEITO!.

https://sites.google.com/
http://www.prof-marcio-de-medeiros.webnode.com/
http://profmarcio.ucoz.com