CONTADOR DE VISITAS

contador de acessos

Funk Gospel- Novas 2016-2017

FUNK E NOVO SOM

funk gospel e infantil

MX GOSPEL

HINOS JUDAICOS E ROMANTICAS

FUNK GOSPEL- VARIOS

MUSICAS MESSIANICAS

MELODY E VARIAS

VIDEO DO POKEMON

ESTUDO-INFERNO

Jogos para voce

ORIENTE MÉDIO

TURMINHA DA GRAÇA E MIDINHO

OS TRAPALHOES E A PRINCESA XUXA

Os trapalhoes-vol. 2

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAPOLIN

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAVES

DE GRAÇA RECEBESTE, DE GRAÇA DAI!!!!.

DE GRAÇAS RECEBESTES,DE GRAÇA DAI-MT10.8

ESTUDO-Jo 3.16

ESTUDO SOBRE ADORAÇÃO

INFANTIL

HINOS JUDAICOS

FUNK GOSPEL E ROMANTICAS 03

JOGO DE PERGUNTAS BÍBLICAS

CLIQUE PARA RESPONDER AS PERGUNTAS Coloque este widget em seu blog

FUTEBOL COM CARROS

JOGO ATIRE NAS GARRAFAS

JOGO DA BALEIA

JOGO DA BALEIA

Jogo pac man

JOGO BASKET

JOGO blast

JOGO MAGNETO

JOGO DE CORRIDA

Corrida Bíblica–o game

JOGO DA VELHA 02

Mais Jogos no Jogalo.com JOGO DA VELHA 02

JOGO BÍBLICO DE PERGUNTAS

Noticias g1

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS 02

LEITURA EM INGLÊS 02

NOVO SOM E DIVERSOS

funk gospel e musica judaica 02

ROMANTICASM JUDAICA E FUNK GOSPEL

RELÓGIO COM MENSAGEM

ROMANTICAS E FUNK GOSPEL

ROMANTICAS E FUNK GOSP. 02

ROMANTICAS GOSPEL

FUNK GOSPEL 25

FUNK GOSPEL 24

FUNK GOSPEL23

FUNK GOSPEL 22

FUNK GOSPEL 21

funk gospel 20

FUNK 19

/>

funk gospel 18

FUNK GOSPEL 16

FUNK GOSPEL 15

FUNK GOSPEL 14

GOSPEL FUNK 17

Prof. Marcio de Medeiros--ESTUDO SOBRE O INFERNO

NOTICIAS DE CONCURSOS

BEM ESTAR -GNT

FILME-A ÚILTIMA BATALHA

BATE PAPO CRISTÃO

Qual é a sua avaliação sobre este blog?

Formulario de autoresposta


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


NOVO SOM-ROMANTICAS

FUTEBOL 03

Placares oferecidos por futebol.com

FUTEBOL 04

Tabela futebol Brasileirão Serie A oferecida por Futebol.com

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF-SEMINARIO TEOLÓGICO FILADÉLFIA-J. BOM PASTOR-BELFORD ROXO-RJ

CAIXA DE CURTI FANPAGE

CUMPRIMENTO AO VISITANTE

link me

Prof Marcio de Medeiros

Por favor coloque este codigo em seu site ou blog e divulgue o nosso blog

NOTÍCIAS RIO

REDECOL NOTICIAS




NOTICIAS

G1 NOTICIAS

G1 NOTICIAS

MENTE MILIONARIA

MENTE MILIONARIA-COMO SER BEM SUCEDIDO FINANCEIRAMENTE
CLIQUE E ASSISTA!!!!

PROP. DA PAGINA NO FACE04

BUSCA DE EMPREGOS

BATIDAO GOSPEL 10

FUNKS DIVERSOS 11

BATIDÃO GOSPEL12

FUNK GOSPEL 13

Batidao 09

BATIDAO 08

BATIDÃO 07

BATIDÃO GOSPEL 06

BATIDÃO GOSPEL 3

BATIDÃO GOSPEL 4

BATIDÃO GOSPEL 07

BATIDÃO GOSPEL

BATIDÃO GOSPEL 2

BATIDAO GOSPEL 05

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE

SITE DE ENTRETENIMENTO

UTILITARIOS EM GERAL

CALENDARIO E JESUS

CALENDÁRIO E PAISAGEM

musicas do c.c e da harpa

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 03

BANNER DO SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ENTRETENIMENTO

MENSAGEM PARA VOÇÊ 2

SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ASSUNTOS BÍBLICOS

SITE DE CULTURA

DESENHO DA CRIAÇÃO E DE NOÉ

DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A ARCA DE NOÉ-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO SOBRE JOSUÉ

DESENHO SOBRE JOSUÉ-CLIQUE PARA ASSISTIR.

DESENHO SOBRE MOISÉS

DESENHO SOBRE MOISÉS-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO-O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS-CLIQUE PARA ASSSITIR

FILME-INFERNO EM CHAMAS

FILME O INFERNO EM CHAMAS

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 02

DA LINK SA PAG.DO FACE DO BLOG

AULA DE BIBLIOL.SETEF-07/05/13

AULA DE BIBLIOLOGIA-DATA:07/05/13- MINISTRADA DO SEMINARIO SETEF

Pag do facebook 02

terça-feira, 18 de junho de 2013

496-A MULHER E O DRAGÃO




 A Mulher e o Dragão

“Assim diz o Senhor Deus: Estou contra ti, ó Faraó, rei do Egito, grande dragão...”Ezequiel 29:3a.

O capítulo 12 de Apocalipse descortina a história por trás da história. João conta que “viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça. Ela estava grávida e gritava com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz” (1-2). Esta mulher não é Maria, como insistem os teólogos católicos. Trata-se do povo de Deus, o verdadeiro Israel, formado por aqueles que viviam a expectativa do nascimento do Messias prometido por Deus. Desde Sete, passando por Abraão, até Simeão e Ana, e tantos outros que ansiavam pela chegada do Libertador. Simeão, por exemplo, foi o homem a quem Deus revelou que não morreria sem que visse “o Cristo do Senhor” (Lc.2:26b). Quando José e Maria trouxeram o recém-nascido para apresentar no Templo, Simeão O tomou nos braços e disse: “Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra, pois os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste perante a face de todos os povos, luz para iluminar os gentios, e para glória do teu povo Israel”(vs.29-32). Após estas palavras, Simeão dirigiu-se a Maria e declarou: “Esta criança é posta por queda e elevação de muitos em Israel, para ser alvo de contradição, e para que se manifestem os pensamentos de muitos corações”(v.34). Foi daquela linhagem justa que veio o Filho de Deus.
Um outro sinal foi visto no céu: “Um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. A sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra. O dragão parou diante da mulher que estava prestes a dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe devorasse o filho” (12:3-4).

Não há dúvida de que o dragão é ninguém menos que o próprio Diabo. Suas sete cabeças e seus dez chifres podem apontar para os agentes humanos de que ele se vale para executar seus intentos. Os cristãos primitivos estavam cientes de que a sua luta não era contra as autoridades humanas, mas contra os poderes malignos por trás delas (Ef.6:12). Assim como Moisés e Arão sabiam que a sua luta não era contra Faraó, mas contra os deuses egípcios. Ao tomar conhecimento do livramento que Deus havia dado a Israel, removendo-o do Egito, Jetro, sogro de Moisés, declarou: “Bendito seja o Senhor que vos livrou das mãos dos egípcios e das mãos de Faraó. Agora sei que o Senhor é maior que todos os deuses...” (Êx.18:10-11a). Cada praga enviada por Deus atingia em cheio a jurisdição de alguma divindade egípcia, expondo-a publicamente ao desprezo. Vale dizer que uma das principais divindades egípcias era Sete-Tifom, um enorme dragão vermelho, cuja imagem adornava a coroa de Faraó.

Satanás, juntamente com os anjos que o acompanhara em sua rebelião, valia-se da Lei para escravizar o povo de Deus, e do Império Romano para perseguir a Igreja. O maior intento dele era impedir que a promessa de Deus se cumprisse. Ele sabia que a qualquer momento viria ao mundo a “semente da mulher”, para destroná-lo, e destruir o seu império de trevas.

Todas as tentativas do Diabo para inviabilizar o plano de Deus fracassaram. No verso 5 somos informados que a mulher “deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono”(Compare com At.5:31; 7:55-56; Rm.8:34; Ef.1:20 e Col.3:1).

Até aqui, nenhum problema de interpretação. Tudo parece muito claro. A mulher é o verdadeiro Israel, formado pela linhagem santa que trouxe Jesus ao mundo; o dragão é o Diabo; o filho varão é o próprio Cristo que escapa da perseguição de Herodes, e que depois de vencer a morte é assunto ao céu, onde está assentado à destra do Pai. A partir daqui é que as coisas parecem complicar.
No verso 6 lemos que “a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.” O que significaria isso?
Quando os hebreus deixaram o Egito, para onde ele se dirigiram? Para o deserto. E foi no deserto que Deus ensinou-lhes a maior de todas as lições: a dependência total de Deus. Foi ali que Deus “de dia os guiou com uma nuvem, e durante a noite com um clarão de fogo. Fendeu as penhas no deserto, e deu-lhes de beber abundantemente como de grandes abismos; fez sair fontes da rocha, e fez correr as águas como rios (...) fez chover sobre eles o maná para comerem, e lhes deu cereal do céu. Cada um comeu o pão dos anjos; mandou-lhes comida com abundância. Fez soprar no céu o vento do oriente, e trouxe o vento sul com sua força. Fez chover sobre eles carne como pó, e aves de asas como a areia do mar” (Sl.78:14-16, 24-27).

Agora era a vez da Igreja cristã enfrentar o seu deserto, e aprender a depender única e exclusivamente daquele que prometeu dar-lhes “do maná escondido” (Ap.2:17). Jesus disse aos judeus de Sua época: “Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Mas aqui está o pão que desce do céu, do qual se o homem comer não morre (...) Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim também quem de mim se alimenta, viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Vossos pais comeram o maná e morreram, mas quem comer esta pão viverá para sempre”(Jo.6:49-50, 57-58). Paulo diz que a rocha de onde jorrava a água para saciar a sede dos hebreus no deserto era uma figura do próprio Cristo (1 Co.10:4). Os 1260 dias representam apenas um tempo indefinido.

Guerra no Céu


"E houve guerra no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão. E o dragão e os seus anjos batalhavam, mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, que engana todo o mundo. Ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele” (Ap.12:7-9). 

Finalmente, a serpente de Moisés engole a serpente dos magos egípcios! Os principados e potestades foram despojados. E quando se deu esta batalha cósmica? Quando Cristo, o Cordeiro de Deus, era imolado na Cruz do Calvário. “Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, da mesma forma importa que o Filho de homem seja levantado” (Jo.3:14). A serpente de bronze erigida por Moisés representava a Cruz de Cristo, através da qual a velha serpente seria definitivamente derrotada. Ao desfazer em Sua carne a Lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, Jesus estava diferindo o golpe mortal nas hordas satânicas, pois a partir de então, Satanás já não teria base alguma sobre a qual acusar-nos diante do Tribunal de Deus. Paulo nos informa que Jesus, “havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, tirou-o do meio de nós, cravando-o na cruz. E, tendo despojado os principados e as potestades, os expôs publicamente ao desprezo, e deles triunfou na cruz” (Col.2:14-15). Se Satanás foi expulso do céu, o que é que ele fazia lá até então? O que o mantinha na Corte Celestial? Qual era a sua função ali? Ele era nosso acusador. A obra feita por Cristo na Cruz, fez com que ele perdesse seu emprego. Porém, ele não estava disposto a sair passivamente de lá. Foi necessária uma verdadeira guerra espiritual, envolvendo as milícias angelicais, e os próprios santos. Por isso, Paulo fala que a luta travada pelos crentes primitivos não era contra a carne ou o sangue, “e, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes” (Ef.6:12). A igreja estava no meio de um campo de batalha espiritual. Seu papel era resistir às investidas das hordas do Diabo.

Em Apocalipse somos informados de que a Igreja o venceu, e que os anjos comandados por Miguel o expulsaram dos céus. Tendo em vista esta grandiosa vitória, uma grande voz brada:

"Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo. Pois já o acusador de nossos irmãos foi lançado fora, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; não amaram as suas vidas até à morte. Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar, porque o diabo desceu a vós com grande ira, sabendo que pouco tempo lhe resta.” Apocalipse 12:10-12.

Quem supõe que Satanás ainda nos acusa diante de Deus, ignora a famosa pergunta de Paulo: “Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus?” (Rm.8:33a). E mais:“...em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por meio daquele que nos amou”(v.37). Isso parece ecoar o que a misteriosa voz bradou em Apocalipse: “Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro.”


Somos novamente remetidos ao Êxodo dos Hebreus, pois é ali que vamos entender melhor a questão do sangue do Cordeiro. 

Antes de enviar a última praga sobre o Egito, Deus ordenou a Moisés que orientasse os filhos de Israel para que cada chefe de família imolasse um cordeiro, e espargisse o seu sangue nos umbrais das portas de suas casas. “Naquela noite”, diz o Senhor, “passarei pela terra do Egito, e ferirei todos os primogênitos na terra do Egito, desde os homens até os animais; e sobre todos os deuses do Egito executarei juízo. Eu sou o Senhor. O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo o sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga destruidora , quando eu ferir a terra do Egito”(Êx.12:12-13).

Foi o sangue do Cordeiro que poupou os hebreus daquela última praga que o Senhor enviava sobre o Egito. Da mesma maneira, foi pelo sangue do Cordeiro que a Igreja venceu Satanás.
A Páscoa foi instituída para lembrar aos filhos de Israel que o sangue do Cordeiro foi o responsável por tão grande livramento.

Na noite em que se celebrava a Páscoa (heb.passagem), os hebreus deveriam comer ervas amargas e pães asmos, isto é, sem fermento. Até isso tem um significado profundo para nós. Refletindo sobre este significado, Paulo ordena: “Lançai fora o fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como sois sem fermento. Pois Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. Pelo que celebremos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade” (1 Co.5:7-8). Enquanto as ervas amargas simbolizavam os tempos de angústia vividos no Egito, os pães asmos significavam uma nova vida, destituída do velho fermento do pecado.

Naquela noite os hebreus deveriam estar prontos para que pela manhã deixassem o Egito. Não poderia haver qualquer atraso. Era chegada a hora do êxodo tão esperado. A morte dos primogênitos do Egito representa a queda de Satanás e de todos os seus asseclas.

Os céus agora tinham motivos para festejar. Aquela persona non grata do Diabo finalmente deixara as regiões celestes. Porém, os que habitam na terra (Israel), e os que habitam no mar (gentios) deveriam estar precavidos, porque Satanás descera até eles com grande ira, sabendo que tinha pouco tempo pela frente para levar à cabo o seu intento. O Diabo estava disposto a correr atrás do seu prejuízo. Assim como Faraó que, mesmo tendo permitido a saída dos hebreus, resolveu partir em sua recaptura (Êx.14).

“Quando o dragão se viu lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho varão. E foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que voasse até o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente” (vs.13-14). Não devemos entender a mulher como sendo os judeus como um todo, mas aqueles que deram origem à igreja neo-testamentária. Trata-se, portanto, dos remanescentes de Israel. A Igreja de Cristo deu seqüência à santa extirpe na Terra. A figura da águia fala do poder renovador com o qual Deus capacitaria o Seu povo (Sl.103:5; Is.40:31). Também aponta para o fato de que fora a provisão do Senhor que os tirara do “Egito espiritual”, e não as suas próprias forças. Foi o próprio Deus que falou a Israel: “Vistes o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim” (Êx.19:4). E quanto a estar fora da vista da serpente? Quando Faraó e seu poderoso exército marchavam em direção aos filhos de Israel para recapturá-los, a coluna de nuvem se tornou densa e escura e pôs-se entre os hebreus e os seus perseguidores. Para o povo de Deus, a nuvem clareava o caminho, enquanto que, para os egípcios era total escuridade, “de maneira que em toda a noite este e aqueles não puderam aproximar-se” (Êx.14:20). Ainda que estivessem próximos uns dos outros, os hebreus eram guardados fora da vista de Faraó.

Durante os primeiros anos do cristianismo a igreja esteve guardada da perseguição romana. Somente com Nero, por volta do ano 66 d.C., desencadeou-se uma perseguição em grande escala. Até então, as autoridade romanas não estavam nem um pouco preocupadas com a expansão daquela nova “seita”.

João relata que de repente, “a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, a fim de fazer com que ela fosse arrebatada pela corrente. Mas a terra ajudou a mulher, abrindo a sua boca e engolindo o rio que o dragão lançara da sua boca” (vs.15-16).

O alvo da serpente é a mulher. A água aqui representa uma implacável perseguição. Inusitadamente, a terra engole o rio que o dragão lança da sua boca. Na simbologia de Apocalipse, a “terra” sempre aponta para Israel, enquanto que, o “mar” aponta para os povos gentílicos. Quando Nero começou a perseguir os cristãos, logo teve sua atenção voltada para as constantes revoltas do povo judeu (66 d.C.). Isso deu à Igreja a oportunidade de ser temporariamente aliviada das implacáveis perseguições da Roma Imperial. Porém aquele livramento era temporário. Esse capítulo termina dizendo que “o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra aos demais filhos dela, os que guardam os mandamentos de eus, mantêm o testemunho de Jesus. E o dragão parou sobre a areia do mar” (vs.17-18). Agora, Roma percebeu que a igreja não era meramente uma seita judaica, mas que estava alcançando pessoas de todas as nações. Era, portanto, uma ameaça ao domínio romano, uma vez que declarava sua fidelidade a um outro Imperador, a saber, Jesus, o Cristo.

A Mulher e o Dragão


Apocalipse 12.1-5
01. E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. 02. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz. 03. E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. 04. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. 05. E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.


INTRODUÇÃO

Nesta mensagem gostaria de mostrar a todos, coisa ocultas aos olhos, mas revelada aos filhos, pois a palavra de Deus nos informa que as grandes coisas foram reveladas aos pequeninos, e nós somos os pequeninos que hoje iremos desfrutar da revelação ocultas de Jeová.

Um grande sábio falou que “O tempero da vida é a expectativa”. E é bem verdade, pois uma vida sem expectativa é uma vida sem sabor, sem graça, sem objetivo. Assim creio que a expectativa é aquilo que serve como um combustível para alçar alguém na estrada da vida.

Se você encontrar um mendigo e conversar com ele verá que este não tem expectativa de vida. Então quando medito na palavra de Deus, logo uma nova expectativa nasce no meu coração, me direcionando a mais uma mensagem de Deus para a sua igreja. Então assim sendo nossos cultos deve haver uma expectativa, da nossa parte para com Deus e da parte de Deus para conosco, ou seja, nossas expectativas somente serão atendidas se primeiro atendermos as expectativas de Deus. Mas precisamos saber o que é um culto a Deus de verdade. Então tudo pode mudar de um momento para o outro em nossas igrejas.


QUEM ERA O AMADO DO SENHOR?

Quem escreveu o único livro profético do Novo Testamento foi o discípulo que andou com Jesus e se chamava Yohanan, em nossa língua João, e seu nome em hebraico quer dizer “Agraciado por Deus”. Este foi o chamado junto com seu irmão, Thiago o mais velho, ambos eram filhos de Zebedeu. Era o mais jovem nos dias de Jesus, estava com 24 anos, e na crucificação estava junto com Maria a mãe de Jesus aos pés da cruz. João tinha uma coragem ousada diferente dos demais. Ele foi o apóstolo que seguiu junto com Jesus na noite que o aprisionaram, foi quem cuidou da mãe de Jesus até que ela morresse, sendo assim o mui amado do Senhor. A história relata que João viveu o resto de sua vida em Éfeso, e já com idade avançada tomava conta da Igreja que estava na cidade.

Antes de morrer de morte natural aos cento e um anos, João casou-se com a viúva de seu irmão Tiago, e uma de suas netas que muito o amava, cuidou dele nos seus últimos vinte anos de vida. Dentre os doze discípulos foi o único não martirizado. João ainda esteve na prisão por várias vezes tendo sido banido para a ilha de Patmos lá ficou por quatro longos anos onde teve uma das mais maravilhosas experiências com Deus em um lugar tenebroso.

Em Patmos recebeu de Deus a maior de todas as revelações, pois ele viu o principio o meio e o fim. Em hebraico esse livro se chama Razom, que quer dizer “Revelação”, em grego, Apocalipse. 

Poucos pregadores se atrevem a ministrarem algo contido no livro da Revelação, talvez por suas muitas palavras simbólicas, ou talvez pelo receio de se tratar de um livro escatológico, mas uma coisa é certa, todas as vezes que ouço um pregador tomar como base um texto do livro do Apocalipse, fico extremamente feliz e interessado por aquilo que Deus vai falar, e creio acontecer o mesmo com você que está lendo esta mensagem agora, mensagem esta que estarei ministrando por onde passar meus pés. Acredite! Eu sou um apaixonado pela bíblia.
         


A VISÃO DE JOÃO.

O livro do Apocalipse é mesmo um livro quando não conhecemos a tabela de conversão profética, mas ao chegarmos no capítulo 12, nos versículos que hora tomamos por base, vejo algo terribilíssimo da parte de Deus, e chego a uma conclusa; “Deus é casado”. Não sou só eu que penso assim, pois o profeta Oshea nos escreve que Deus quer desposar sua amada (Os, 2:19, 20). Agora veja bem. 

João vê algo muito poderoso. Ele relata que viu uma mulher estando ela grávida e um grande dragão que era vermelho tendo sete cabeças e dez cifres, e tentava matar o filho que nasceria da mulher. Agora imagine como teria ficado o coração de João ao ver tamanha visão? Uma mulher que tinha que proteger sua cria e assim que o menino nasce ela tem que fugir para o deserto.

Veja que toda raiva e fúria do imenso dragão é por causa do filho que nasceria da mulher, pois ele espera iradamente e cientemente pela criança que nasceria. Então sabemos que o dragão não pode e nem nunca teve poder para impedir o nascimento daquela criança. Mas minhas indagações antes que falemos do menino que nasceria, são. Quem é este dragão? Por que motivo ele queria matar o menino? Quando esta mulher teria se engravidado? Quem é ela? Que mulher teria tanta ênfase neste contexto tão poderosamente importante para Deus? 


O DRAGÃO.

Este dragão vermelho e terrível, furioso, com sete cabeças e dez chifres visto por João em uma visão do principio é satanás (eu escrevo com “s” minúsculo propositalmente), que estava vendo o plano da redenção do homem citada no capítulo 5 (AP, 5:1 a 5), e tenta frustrar os planos divinos, mas em outro ângulo, em uma visão do futuro este dragão é a besta.

Entenda que o dragão é dentro do contexto bíblico a representatividade do diabo, é a personificação de satanás, o inimigo de Deus. Ele enfurecido vai desde o princípio se levantar contra a mulher, a esposa de Deus. As sete cabeças significam domínio completo que a besta e os dez chifres representa o poder que a besta terá para reger o mundo dado pelas nações.

Este era o que perseguia a esposa do Senhor Eterno para tragar o filho que lhe nasceria, mas ninguém pode frustrar os planos do Eterno. Ainda em nossos dias o dragão está enfurecido contra a esposa do Eterno.


A MULHER GRÁVIDA.

Um dia Deus conheceu esta mulher e se apaixonou por ela e jurou amor eterno a ela. Deus dedicou tempo para criar um lugar para que ela pudesse ter com ele momentos de amor, intimidade e ternura, chamou este lugar de terra que emana leite e mel. O Eterno destruiu nações que tentaram matar ou mesmo tocar nesta sua amada mulher. Ele fez os maiores milagres que a história pôde relatar, chegando a mudar o curso das coisas naturais para beneficiar sua amada. Mas mesmo sendo um apaixonado confesso por esta linda mulher este romance teve momentos de deslizes da parte da mulher, que por várias vezes acabou sendo enganada por pseudos amantes, que na verdade mais eram crias e filhotes do dragão, que com a mesma intenção, vinham para destruir aquela que iria gerar o menino.

A mulher grávida tem um nome e seu nome é ISRAEL, a nação eleita.

Esta nação foi escolhida para trazer Deus na terra em forma humana. Um povo que desde o princípios escolheram o Eterno como seu amor perpétuo, que mesmo amando o Eterno, pecaram, caíram, desviaram e prostituíram diante de outros deuses, mas foram alcançados pelo amor singular e incondicional de Deus.

De Israel viria um escolhido chamado Messias, o Cordeiro de Deus, O Leão de Judá, a Raiz de Davi, o Salvador da humanidade. Agora veja o que o profeta maior, Isaías falou sobre ele e a mulher, a esposa de Deus.

Isaías  9.6 a 8
6. Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. 7. Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto. 8. O Senhor enviou uma palavra a Jacó, e ela caiu em Israel.

Já estava escrito que uma mulher, casada, e apaixonada por seu senhor, daria um filho para mudar a história e envergonhar o dragão com suas sete cabeças.


DEUS E SUA ESPOSA.

Ao se apaixonarem, Deus e Israel, iniciou-se um romance que culminou em um belo livro, a bíblia. Este romance teria muitos empecilhos e momentos de muito amor e carinho. Mas quando ela, a nação de Israel teria se engravido de seu amado? Preste atenção. 

Lucas 7.36 a 50. Nós lemos a história de uma pecadora que ousou mudar a liturgia do culto, pois ela entrou debaixo da mesa e beijava os pés de Jesus, e então após revelar o que o farizeu estava ruminando no coração, Jesus abaixa-se e cultua com a mulher, dizendo para ela ir, pois seus pecados estavam perdoados.

II Crônicas, 7: 01 a 10. Neste contexto vemos que quando Salomão faz o que ninguém fez, dando um sacrifício muito maior que seu pai, o Eterno Deus desceu no santuário e ninguém podia ficar em pé tamanha era a glória de Deus naquele lugar. Chegando ao ponto de Deus aparecer a Salomão na mesma noite para lhe daro direito de pedir o que quisesse.

Todas as vezes que Israel cultuava o Senhor Eterno, Ele descia e assim vemos que o culto é uma núpcias, um momento de intimidade entre a esposa e o amado. Assim todas as vezes que nós, pobres mortais cultuamos o Senhor Ele desce e cultua conosco e então nos engravidamos de uma nova benção


O MENINO NASCEU.

Um dia lindo e maravilhoso a mulher deu a luz e um lindo menino nasceu, e desde sua meninice foi belo e formoso em estatura e conhecimento. Ele tem uma missão, que começou em seu nascimento e ainda não terminou, pois o dragão mesmo com a cabeça esmagada ainda vive, e o menino precisa de uma vez por todas terminar aquilo que começou (leia a minha mensagem o lenço dobrado). Ele decretará de uma vez por todas a derrota e a vergonha do dragão e lhe arrancará todos os chifres por que Ele, o menino, o que nasceu da mulher, tem todo o poder, eu disse todo o poder.

O menino se chama Yeshua ha Mashia, JESUS O MESSIAS, o prometido, o Rei dos reis, o maravilhoso, a Estrela da manhã, o Bálsamo de Gileade, o médico dos médicos, aquele que tudo sabe e tudo pode. Ele está vivo e bem ao seu lado agora. Vamos igreja do Senhor, vamos cultuá-lo, vamos amá-lo, pois então Ele descerá e fará maravilhas em nosso meio.

21 - A Mulher e o Dragão

“Assim diz o Senhor Deus: Estou contra ti, ó Faraó, rei do Egito, grande dragão...”Ezequiel 29:3a.

O capítulo 12 de Apocalipse descortina a história por trás da história. João conta que “viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça. Ela estava grávida e gritava com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz” (1-2). Esta mulher não é Maria, como insistem os teólogos católicos. Trata-se do povo de Deus, o verdadeiro Israel, formado por aqueles que viviam a expectativa do nascimento do Messias prometido por Deus. Desde Sete, passando por Abraão, até Simeão e Ana, e tantos outros que ansiavam pela chegada do Libertador. Simeão, por exemplo, foi o homem a quem Deus revelou que não morreria sem que visse “o Cristo do Senhor” (Lc.2:26b). Quando José e Maria trouxeram o recém-nascido para apresentar no Templo, Simeão O tomou nos braços e disse: “Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra, pois os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste perante a face de todos os povos, luz para iluminar os gentios, e para glória do teu povo Israel”(vs.29-32). Após estas palavras, Simeão dirigiu-se a Maria e declarou: “Esta criança é posta por queda e elevação de muitos em Israel, para ser alvo de contradição, e para que se manifestem os pensamentos de muitos corações”(v.34). Foi daquela linhagem justa que veio o Filho de Deus.
Um outro sinal foi visto no céu: “Um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. A sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra. O dragão parou diante da mulher que estava prestes a dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe devorasse o filho” (12:3-4).

Não há dúvida de que o dragão é ninguém menos que o próprio Diabo. Suas sete cabeças e seus dez chifres podem apontar para os agentes humanos de que ele se vale para executar seus intentos. Os cristãos primitivos estavam cientes de que a sua luta não era contra as autoridades humanas, mas contra os poderes malignos por trás delas (Ef.6:12). Assim como Moisés e Arão sabiam que a sua luta não era contra Faraó, mas contra os deuses egípcios. Ao tomar conhecimento do livramento que Deus havia dado a Israel, removendo-o do Egito, Jetro, sogro de Moisés, declarou: “Bendito seja o Senhor que vos livrou das mãos dos egípcios e das mãos de Faraó. Agora sei que o Senhor é maior que todos os deuses...” (Êx.18:10-11a). Cada praga enviada por Deus atingia em cheio a jurisdição de alguma divindade egípcia, expondo-a publicamente ao desprezo. Vale dizer que uma das principais divindades egípcias era Sete-Tifom, um enorme dragão vermelho, cuja imagem adornava a coroa de Faraó.

Satanás, juntamente com os anjos que o acompanhara em sua rebelião, valia-se da Lei para escravizar o povo de Deus, e do Império Romano para perseguir a Igreja. O maior intento dele era impedir que a promessa de Deus se cumprisse. Ele sabia que a qualquer momento viria ao mundo a “semente da mulher”, para destroná-lo, e destruir o seu império de trevas.

Todas as tentativas do Diabo para inviabilizar o plano de Deus fracassaram. No verso 5 somos informados que a mulher “deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono”(Compare com At.5:31; 7:55-56; Rm.8:34; Ef.1:20 e Col.3:1).

Até aqui, nenhum problema de interpretação. Tudo parece muito claro. A mulher é o verdadeiro Israel, formado pela linhagem santa que trouxe Jesus ao mundo; o dragão é o Diabo; o filho varão é o próprio Cristo que escapa da perseguição de Herodes, e que depois de vencer a morte é assunto ao céu, onde está assentado à destra do Pai. A partir daqui é que as coisas parecem complicar.
No verso 6 lemos que “a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.” O que significaria isso?
Quando os hebreus deixaram o Egito, para onde ele se dirigiram? Para o deserto. E foi no deserto que Deus ensinou-lhes a maior de todas as lições: a dependência total de Deus. Foi ali que Deus “de dia os guiou com uma nuvem, e durante a noite com um clarão de fogo. Fendeu as penhas no deserto, e deu-lhes de beber abundantemente como de grandes abismos; fez sair fontes da rocha, e fez correr as águas como rios (...) fez chover sobre eles o maná para comerem, e lhes deu cereal do céu. Cada um comeu o pão dos anjos; mandou-lhes comida com abundância. Fez soprar no céu o vento do oriente, e trouxe o vento sul com sua força. Fez chover sobre eles carne como pó, e aves de asas como a areia do mar” (Sl.78:14-16, 24-27).

Agora era a vez da Igreja cristã enfrentar o seu deserto, e aprender a depender única e exclusivamente daquele que prometeu dar-lhes “do maná escondido” (Ap.2:17). Jesus disse aos judeus de Sua época: “Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Mas aqui está o pão que desce do céu, do qual se o homem comer não morre (...) Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim também quem de mim se alimenta, viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Vossos pais comeram o maná e morreram, mas quem comer esta pão viverá para sempre”(Jo.6:49-50, 57-58). Paulo diz que a rocha de onde jorrava a água para saciar a sede dos hebreus no deserto era uma figura do próprio Cristo (1 Co.10:4). Os 1260 dias representam apenas um tempo indefinido.

Guerra no Céu


"E houve guerra no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão. E o dragão e os seus anjos batalhavam, mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, que engana todo o mundo. Ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele” (Ap.12:7-9). 

Finalmente, a serpente de Moisés engole a serpente dos magos egípcios! Os principados e potestades foram despojados. E quando se deu esta batalha cósmica? Quando Cristo, o Cordeiro de Deus, era imolado na Cruz do Calvário. “Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, da mesma forma importa que o Filho de homem seja levantado” (Jo.3:14). A serpente de bronze erigida por Moisés representava a Cruz de Cristo, através da qual a velha serpente seria definitivamente derrotada. Ao desfazer em Sua carne a Lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, Jesus estava diferindo o golpe mortal nas hordas satânicas, pois a partir de então, Satanás já não teria base alguma sobre a qual acusar-nos diante do Tribunal de Deus. Paulo nos informa que Jesus, “havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, tirou-o do meio de nós, cravando-o na cruz. E, tendo despojado os principados e as potestades, os expôs publicamente ao desprezo, e deles triunfou na cruz” (Col.2:14-15). Se Satanás foi expulso do céu, o que é que ele fazia lá até então? O que o mantinha na Corte Celestial? Qual era a sua função ali? Ele era nosso acusador. A obra feita por Cristo na Cruz, fez com que ele perdesse seu emprego. Porém, ele não estava disposto a sair passivamente de lá. Foi necessária uma verdadeira guerra espiritual, envolvendo as milícias angelicais, e os próprios santos. Por isso, Paulo fala que a luta travada pelos crentes primitivos não era contra a carne ou o sangue, “e, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes” (Ef.6:12). A igreja estava no meio de um campo de batalha espiritual. Seu papel era resistir às investidas das hordas do Diabo.

Em Apocalipse somos informados de que a Igreja o venceu, e que os anjos comandados por Miguel o expulsaram dos céus. Tendo em vista esta grandiosa vitória, uma grande voz brada:

"Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo. Pois já o acusador de nossos irmãos foi lançado fora, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; não amaram as suas vidas até à morte. Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar, porque o diabo desceu a vós com grande ira, sabendo que pouco tempo lhe resta.” Apocalipse 12:10-12.

Quem supõe que Satanás ainda nos acusa diante de Deus, ignora a famosa pergunta de Paulo: “Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus?” (Rm.8:33a). E mais:“...em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por meio daquele que nos amou”(v.37). Isso parece ecoar o que a misteriosa voz bradou em Apocalipse: “Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro.”


Somos novamente remetidos ao Êxodo dos Hebreus, pois é ali que vamos entender melhor a questão do sangue do Cordeiro. 

Antes de enviar a última praga sobre o Egito, Deus ordenou a Moisés que orientasse os filhos de Israel para que cada chefe de família imolasse um cordeiro, e espargisse o seu sangue nos umbrais das portas de suas casas. “Naquela noite”, diz o Senhor, “passarei pela terra do Egito, e ferirei todos os primogênitos na terra do Egito, desde os homens até os animais; e sobre todos os deuses do Egito executarei juízo. Eu sou o Senhor. O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo o sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga destruidora , quando eu ferir a terra do Egito”(Êx.12:12-13).

Foi o sangue do Cordeiro que poupou os hebreus daquela última praga que o Senhor enviava sobre o Egito. Da mesma maneira, foi pelo sangue do Cordeiro que a Igreja venceu Satanás.
A Páscoa foi instituída para lembrar aos filhos de Israel que o sangue do Cordeiro foi o responsável por tão grande livramento.

Na noite em que se celebrava a Páscoa (heb.passagem), os hebreus deveriam comer ervas amargas e pães asmos, isto é, sem fermento. Até isso tem um significado profundo para nós. Refletindo sobre este significado, Paulo ordena: “Lançai fora o fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como sois sem fermento. Pois Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. Pelo que celebremos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade” (1 Co.5:7-8). Enquanto as ervas amargas simbolizavam os tempos de angústia vividos no Egito, os pães asmos significavam uma nova vida, destituída do velho fermento do pecado.

Naquela noite os hebreus deveriam estar prontos para que pela manhã deixassem o Egito. Não poderia haver qualquer atraso. Era chegada a hora do êxodo tão esperado. A morte dos primogênitos do Egito representa a queda de Satanás e de todos os seus asseclas.

Os céus agora tinham motivos para festejar. Aquela persona non grata do Diabo finalmente deixara as regiões celestes. Porém, os que habitam na terra (Israel), e os que habitam no mar (gentios) deveriam estar precavidos, porque Satanás descera até eles com grande ira, sabendo que tinha pouco tempo pela frente para levar à cabo o seu intento. O Diabo estava disposto a correr atrás do seu prejuízo. Assim como Faraó que, mesmo tendo permitido a saída dos hebreus, resolveu partir em sua recaptura (Êx.14).

“Quando o dragão se viu lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho varão. E foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que voasse até o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente” (vs.13-14). Não devemos entender a mulher como sendo os judeus como um todo, mas aqueles que deram origem à igreja neo-testamentária. Trata-se, portanto, dos remanescentes de Israel. A Igreja de Cristo deu seqüência à santa extirpe na Terra. A figura da águia fala do poder renovador com o qual Deus capacitaria o Seu povo (Sl.103:5; Is.40:31). Também aponta para o fato de que fora a provisão do Senhor que os tirara do “Egito espiritual”, e não as suas próprias forças. Foi o próprio Deus que falou a Israel: “Vistes o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim” (Êx.19:4). E quanto a estar fora da vista da serpente? Quando Faraó e seu poderoso exército marchavam em direção aos filhos de Israel para recapturá-los, a coluna de nuvem se tornou densa e escura e pôs-se entre os hebreus e os seus perseguidores. Para o povo de Deus, a nuvem clareava o caminho, enquanto que, para os egípcios era total escuridade, “de maneira que em toda a noite este e aqueles não puderam aproximar-se” (Êx.14:20). Ainda que estivessem próximos uns dos outros, os hebreus eram guardados fora da vista de Faraó.

Durante os primeiros anos do cristianismo a igreja esteve guardada da perseguição romana. Somente com Nero, por volta do ano 66 d.C., desencadeou-se uma perseguição em grande escala. Até então, as autoridade romanas não estavam nem um pouco preocupadas com a expansão daquela nova “seita”.

João relata que de repente, “a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, a fim de fazer com que ela fosse arrebatada pela corrente. Mas a terra ajudou a mulher, abrindo a sua boca e engolindo o rio que o dragão lançara da sua boca” (vs.15-16).

O alvo da serpente é a mulher. A água aqui representa uma implacável perseguição. Inusitadamente, a terra engole o rio que o dragão lança da sua boca. Na simbologia de Apocalipse, a “terra” sempre aponta para Israel, enquanto que, o “mar” aponta para os povos gentílicos. Quando Nero começou a perseguir os cristãos, logo teve sua atenção voltada para as constantes revoltas do povo judeu (66 d.C.). Isso deu à Igreja a oportunidade de ser temporariamente aliviada das implacáveis perseguições da Roma Imperial. Porém aquele livramento era temporário. Esse capítulo termina dizendo que “o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra aos demais filhos dela, os que guardam os mandamentos de eus, mantêm o testemunho de Jesus. E o dragão parou sobre a areia do mar” (vs.17-18). Agora, Roma percebeu que a igreja não era meramente uma seita judaica, mas que estava alcançando pessoas de todas as nações. Era, portanto, uma ameaça ao domínio romano, uma vez que declarava sua fidelidade a um outro Imperador, a saber, Jesus, o Cristo.

A Mulher e o Dragão


Apocalipse 12.1-5
01. E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. 02. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz. 03. E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. 04. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. 05. E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.


INTRODUÇÃO

Nesta mensagem gostaria de mostrar a todos, coisa ocultas aos olhos, mas revelada aos filhos, pois a palavra de Deus nos informa que as grandes coisas foram reveladas aos pequeninos, e nós somos os pequeninos que hoje iremos desfrutar da revelação ocultas de Jeová.

Um grande sábio falou que “O tempero da vida é a expectativa”. E é bem verdade, pois uma vida sem expectativa é uma vida sem sabor, sem graça, sem objetivo. Assim creio que a expectativa é aquilo que serve como um combustível para alçar alguém na estrada da vida.

Se você encontrar um mendigo e conversar com ele verá que este não tem expectativa de vida. Então quando medito na palavra de Deus, logo uma nova expectativa nasce no meu coração, me direcionando a mais uma mensagem de Deus para a sua igreja. Então assim sendo nossos cultos deve haver uma expectativa, da nossa parte para com Deus e da parte de Deus para conosco, ou seja, nossas expectativas somente serão atendidas se primeiro atendermos as expectativas de Deus. Mas precisamos saber o que é um culto a Deus de verdade. Então tudo pode mudar de um momento para o outro em nossas igrejas.


QUEM ERA O AMADO DO SENHOR?

Quem escreveu o único livro profético do Novo Testamento foi o discípulo que andou com Jesus e se chamava Yohanan, em nossa língua João, e seu nome em hebraico quer dizer “Agraciado por Deus”. Este foi o chamado junto com seu irmão, Thiago o mais velho, ambos eram filhos de Zebedeu. Era o mais jovem nos dias de Jesus, estava com 24 anos, e na crucificação estava junto com Maria a mãe de Jesus aos pés da cruz. João tinha uma coragem ousada diferente dos demais. Ele foi o apóstolo que seguiu junto com Jesus na noite que o aprisionaram, foi quem cuidou da mãe de Jesus até que ela morresse, sendo assim o mui amado do Senhor. A história relata que João viveu o resto de sua vida em Éfeso, e já com idade avançada tomava conta da Igreja que estava na cidade.

Antes de morrer de morte natural aos cento e um anos, João casou-se com a viúva de seu irmão Tiago, e uma de suas netas que muito o amava, cuidou dele nos seus últimos vinte anos de vida. Dentre os doze discípulos foi o único não martirizado. João ainda esteve na prisão por várias vezes tendo sido banido para a ilha de Patmos lá ficou por quatro longos anos onde teve uma das mais maravilhosas experiências com Deus em um lugar tenebroso.

Em Patmos recebeu de Deus a maior de todas as revelações, pois ele viu o principio o meio e o fim. Em hebraico esse livro se chama Razom, que quer dizer “Revelação”, em grego, Apocalipse. 

Poucos pregadores se atrevem a ministrarem algo contido no livro da Revelação, talvez por suas muitas palavras simbólicas, ou talvez pelo receio de se tratar de um livro escatológico, mas uma coisa é certa, todas as vezes que ouço um pregador tomar como base um texto do livro do Apocalipse, fico extremamente feliz e interessado por aquilo que Deus vai falar, e creio acontecer o mesmo com você que está lendo esta mensagem agora, mensagem esta que estarei ministrando por onde passar meus pés. Acredite! Eu sou um apaixonado pela bíblia.
         

A VISÃO DE JOÃO.

O livro do Apocalipse é mesmo um livro quando não conhecemos a tabela de conversão profética, mas ao chegarmos no capítulo 12, nos versículos que hora tomamos por base, vejo algo terribilíssimo da parte de Deus, e chego a uma conclusa; “Deus é casado”. Não sou só eu que penso assim, pois o profeta Oshea nos escreve que Deus quer desposar sua amada (Os, 2:19, 20). Agora veja bem. 

João vê algo muito poderoso. Ele relata que viu uma mulher estando ela grávida e um grande dragão que era vermelho tendo sete cabeças e dez cifres, e tentava matar o filho que nasceria da mulher. Agora imagine como teria ficado o coração de João ao ver tamanha visão? Uma mulher que tinha que proteger sua cria e assim que o menino nasce ela tem que fugir para o deserto.

Veja que toda raiva e fúria do imenso dragão é por causa do filho que nasceria da mulher, pois ele espera iradamente e cientemente pela criança que nasceria. Então sabemos que o dragão não pode e nem nunca teve poder para impedir o nascimento daquela criança. Mas minhas indagações antes que falemos do menino que nasceria, são. Quem é este dragão? Por que motivo ele queria matar o menino? Quando esta mulher teria se engravidado? Quem é ela? Que mulher teria tanta ênfase neste contexto tão poderosamente importante para Deus? 


O DRAGÃO.

Este dragão vermelho e terrível, furioso, com sete cabeças e dez chifres visto por João em uma visão do principio é satanás (eu escrevo com “s” minúsculo propositalmente), que estava vendo o plano da redenção do homem citada no capítulo 5 (AP, 5:1 a 5), e tenta frustrar os planos divinos, mas em outro ângulo, em uma visão do futuro este dragão é a besta.

Entenda que o dragão é dentro do contexto bíblico a representatividade do diabo, é a personificação de satanás, o inimigo de Deus. Ele enfurecido vai desde o princípio se levantar contra a mulher, a esposa de Deus. As sete cabeças significam domínio completo que a besta e os dez chifres representa o poder que a besta terá para reger o mundo dado pelas nações.

Este era o que perseguia a esposa do Senhor Eterno para tragar o filho que lhe nasceria, mas ninguém pode frustrar os planos do Eterno. Ainda em nossos dias o dragão está enfurecido contra a esposa do Eterno.


A MULHER GRÁVIDA.

Um dia Deus conheceu esta mulher e se apaixonou por ela e jurou amor eterno a ela. Deus dedicou tempo para criar um lugar para que ela pudesse ter com ele momentos de amor, intimidade e ternura, chamou este lugar de terra que emana leite e mel. O Eterno destruiu nações que tentaram matar ou mesmo tocar nesta sua amada mulher. Ele fez os maiores milagres que a história pôde relatar, chegando a mudar o curso das coisas naturais para beneficiar sua amada. Mas mesmo sendo um apaixonado confesso por esta linda mulher este romance teve momentos de deslizes da parte da mulher, que por várias vezes acabou sendo enganada por pseudos amantes, que na verdade mais eram crias e filhotes do dragão, que com a mesma intenção, vinham para destruir aquela que iria gerar o menino.

A mulher grávida tem um nome e seu nome é ISRAEL, a nação eleita.

Esta nação foi escolhida para trazer Deus na terra em forma humana. Um povo que desde o princípios escolheram o Eterno como seu amor perpétuo, que mesmo amando o Eterno, pecaram, caíram, desviaram e prostituíram diante de outros deuses, mas foram alcançados pelo amor singular e incondicional de Deus.

De Israel viria um escolhido chamado Messias, o Cordeiro de Deus, O Leão de Judá, a Raiz de Davi, o Salvador da humanidade. Agora veja o que o profeta maior, Isaías falou sobre ele e a mulher, a esposa de Deus.

Isaías  9.6 a 8
6. Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. 7. Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto. 8. O Senhor enviou uma palavra a Jacó, e ela caiu em Israel.

Já estava escrito que uma mulher, casada, e apaixonada por seu senhor, daria um filho para mudar a história e envergonhar o dragão com suas sete cabeças.


DEUS E SUA ESPOSA.

Ao se apaixonarem, Deus e Israel, iniciou-se um romance que culminou em um belo livro, a bíblia. Este romance teria muitos empecilhos e momentos de muito amor e carinho. Mas quando ela, a nação de Israel teria se engravido de seu amado? Preste atenção. 

Lucas 7.36 a 50. Nós lemos a história de uma pecadora que ousou mudar a liturgia do culto, pois ela entrou debaixo da mesa e beijava os pés de Jesus, e então após revelar o que o farizeu estava ruminando no coração, Jesus abaixa-se e cultua com a mulher, dizendo para ela ir, pois seus pecados estavam perdoados.

II Crônicas, 7: 01 a 10. Neste contexto vemos que quando Salomão faz o que ninguém fez, dando um sacrifício muito maior que seu pai, o Eterno Deus desceu no santuário e ninguém podia ficar em pé tamanha era a glória de Deus naquele lugar. Chegando ao ponto de Deus aparecer a Salomão na mesma noite para lhe daro direito de pedir o que quisesse.
Todas as vezes que Israel cultuava o Senhor Eterno, Ele descia e assim vemos que o culto é uma núpcias, um momento de intimidade entre a esposa e o amado. Assim todas as vezes que nós, pobres mortais cultuamos o Senhor Ele desce e cultua conosco e então nos engravidamos de uma nova benção

O MENINO NASCEU.

Um dia lindo e maravilhoso a mulher deu a luz e um lindo menino nasceu, e desde sua meninice foi belo e formoso em estatura e conhecimento. Ele tem uma missão, que começou em seu nascimento e ainda não terminou, pois o dragão mesmo com a cabeça esmagada ainda vive, e o menino precisa de uma vez por todas terminar aquilo que começou (leia a minha mensagem o lenço dobrado). Ele decretará de uma vez por todas a derrota e a vergonha do dragão e lhe arrancará todos os chifres por que Ele, o menino, o que nasceu da mulher, tem todo o poder, eu disse todo o poder.

O menino se chama Yeshua ha Mashia, JESUS O MESSIAS, o prometido, o Rei dos reis, o maravilhoso, a Estrela da manhã, o Bálsamo de Gileade, o médico dos médicos, aquele que tudo sabe e tudo pode. Ele está vivo e bem ao seu lado agora. Vamos igreja do Senhor, vamos cultuá-lo, vamos amá-lo, pois então Ele descerá e fará maravilhas em nosso meio.

Fonte:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!.EU SOU MARCIO DE MEDEIROS-PROF.DO SETEF,SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.JESUS TE AMA E MORREU POR VOÇÊ!!!.
TEMOS,1 SITE DESTINADO A CULTURA GERAL , OUTRO SITE DESTINADO À ASSUNTO BÍBLICOS E UM OUTRO SITE DESTINADO À ENTRETENIMENTO,TEMOS:JOGOS,FILMES,DESENHOS ETC.USE OS LINKS ABAIXO PARA VISITAREM OS SITES.TEMOS 3 SITES E 1 BLOG.BOM PROVEITO!.

https://sites.google.com/
http://www.prof-marcio-de-medeiros.webnode.com/
http://profmarcio.ucoz.com