CONTADOR DE VISITAS

contador de acessos

Funk Gospel- Novas 2016-2017

FUNK E NOVO SOM

funk gospel e infantil

MX GOSPEL

HINOS JUDAICOS E ROMANTICAS

FUNK GOSPEL- VARIOS

MUSICAS MESSIANICAS

MELODY E VARIAS

VIDEO DO POKEMON

ESTUDO-INFERNO

Jogos para voce

ORIENTE MÉDIO

TURMINHA DA GRAÇA E MIDINHO

OS TRAPALHOES E A PRINCESA XUXA

Os trapalhoes-vol. 2

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAPOLIN

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAVES

DE GRAÇA RECEBESTE, DE GRAÇA DAI!!!!.

DE GRAÇAS RECEBESTES,DE GRAÇA DAI-MT10.8

ESTUDO-Jo 3.16

ESTUDO SOBRE ADORAÇÃO

INFANTIL

HINOS JUDAICOS

FUNK GOSPEL E ROMANTICAS 03

JOGO DE PERGUNTAS BÍBLICAS

CLIQUE PARA RESPONDER AS PERGUNTAS Coloque este widget em seu blog

FUTEBOL COM CARROS

JOGO ATIRE NAS GARRAFAS

JOGO DA BALEIA

JOGO DA BALEIA

Jogo pac man

JOGO BASKET

JOGO blast

JOGO MAGNETO

JOGO DE CORRIDA

Corrida Bíblica–o game

JOGO DA VELHA 02

Mais Jogos no Jogalo.com JOGO DA VELHA 02

JOGO BÍBLICO DE PERGUNTAS

Noticias g1

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS 02

LEITURA EM INGLÊS 02

NOVO SOM E DIVERSOS

funk gospel e musica judaica 02

ROMANTICASM JUDAICA E FUNK GOSPEL

RELÓGIO COM MENSAGEM

ROMANTICAS E FUNK GOSPEL

ROMANTICAS E FUNK GOSP. 02

ROMANTICAS GOSPEL

FUNK GOSPEL 25

FUNK GOSPEL 24

FUNK GOSPEL23

FUNK GOSPEL 22

FUNK GOSPEL 21

funk gospel 20

FUNK 19

/>

funk gospel 18

FUNK GOSPEL 16

FUNK GOSPEL 15

FUNK GOSPEL 14

GOSPEL FUNK 17

Prof. Marcio de Medeiros--ESTUDO SOBRE O INFERNO

NOTICIAS DE CONCURSOS

BEM ESTAR -GNT

FILME-A ÚILTIMA BATALHA

BATE PAPO CRISTÃO

Qual é a sua avaliação sobre este blog?

Formulario de autoresposta


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


NOVO SOM-ROMANTICAS

FUTEBOL 03

Placares oferecidos por futebol.com

FUTEBOL 04

Tabela futebol Brasileirão Serie A oferecida por Futebol.com

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF-SEMINARIO TEOLÓGICO FILADÉLFIA-J. BOM PASTOR-BELFORD ROXO-RJ

CAIXA DE CURTI FANPAGE

CUMPRIMENTO AO VISITANTE

link me

Prof Marcio de Medeiros

Por favor coloque este codigo em seu site ou blog e divulgue o nosso blog

NOTÍCIAS RIO

REDECOL NOTICIAS




NOTICIAS

G1 NOTICIAS

G1 NOTICIAS

MENTE MILIONARIA

MENTE MILIONARIA-COMO SER BEM SUCEDIDO FINANCEIRAMENTE
CLIQUE E ASSISTA!!!!

PROP. DA PAGINA NO FACE04

BUSCA DE EMPREGOS

BATIDAO GOSPEL 10

FUNKS DIVERSOS 11

BATIDÃO GOSPEL12

FUNK GOSPEL 13

Batidao 09

BATIDAO 08

BATIDÃO 07

BATIDÃO GOSPEL 06

BATIDÃO GOSPEL 3

BATIDÃO GOSPEL 4

BATIDÃO GOSPEL 07

BATIDÃO GOSPEL

BATIDÃO GOSPEL 2

BATIDAO GOSPEL 05

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE

SITE DE ENTRETENIMENTO

UTILITARIOS EM GERAL

CALENDARIO E JESUS

CALENDÁRIO E PAISAGEM

musicas do c.c e da harpa

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 03

BANNER DO SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ENTRETENIMENTO

MENSAGEM PARA VOÇÊ 2

SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ASSUNTOS BÍBLICOS

SITE DE CULTURA

DESENHO DA CRIAÇÃO E DE NOÉ

DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A ARCA DE NOÉ-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO SOBRE JOSUÉ

DESENHO SOBRE JOSUÉ-CLIQUE PARA ASSISTIR.

DESENHO SOBRE MOISÉS

DESENHO SOBRE MOISÉS-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO-O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS-CLIQUE PARA ASSSITIR

FILME-INFERNO EM CHAMAS

FILME O INFERNO EM CHAMAS

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 02

DA LINK SA PAG.DO FACE DO BLOG

AULA DE BIBLIOL.SETEF-07/05/13

AULA DE BIBLIOLOGIA-DATA:07/05/13- MINISTRADA DO SEMINARIO SETEF

Pag do facebook 02

sexta-feira, 7 de junho de 2013

476-GEENA COMO SÍMBOLO DE PUNIÇÃO ETERNA




Geena Como Símbolo de Punição Eterna


         Para o Cristianismo, o inferno sempre significou lugar de tormentos e miséria. O presente texto trata do tema “inferno” numa passagem específica do Novo Testamento, no Livro de Marcos, Capítulo 9 e versículos de 42 a 48. Como a palavra “inferno” não tem suas origens na língua grega, mas no latim, tornar-se-á necessária a definição do vocábulo grego usado por Marcos nessa passagem como ponto de partida para este trabalho, fazendo uma análise etimológica desta palavra, a qual é “Geena”. Após isso, observar-se-á o que os ouvintes de Jesus conheciam sobre “Geena” para se compreender o que ele lhes quis transmitir. Por fim, elencar-se-ão provas bíblicas e extra-bíblicas como embasamento para a reafirmação da teologia neo-testamentária sobre Geena e seu significado para os leitores daquela época e para os atuais.

Inferno Como Geena e o Texto de Marcos 9.42-48.

         A passagem bíblica de Marcos 9:42-48 reza o seguinte:

“E quem fizer tropeçar a um destes pequeninos crentes, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado no mar. E, se tua mão te faz tropeçar, corta-a; pois é melhor entrares maneta na vida do que, tendo as duas mãos, ires para o inferno, para o fogo inextinguível onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga. E, se teu pé te faz tropeçar, corta-o; é melhor entrares na vida aleijado do que, tendo os dois pés, seres lançado no inferno onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga. E, se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o; é melhor entrares no reino de Deus com um só dos teus olhos do que, tendo os dois seres lançado no inferno, onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga.” Marcos 9.42-48 – Almeida Revista e Corrigida.

         São observadas nessa passagem três ocorrências da palavra “inferno”. Todavia, como sabemos, no texto grego original, ocorre a palavra grega “Geena”. O que ela significava para os ouvintes de Jesus? Por que Jesus fez uso desse termo?

Geena - Significado do Termo

         Poucos leitores do Novo Testamento sabem que a Geena era um lugar físico, visível, já existente muito tempo antes dos dias de Jesus, que ficava bem próximo a Jerusalém. Vejamos, como primeira etapa, uma explicação etimológica do vocábulo Geena, com alguns aspectos históricos e relevantes para a essa discussão:

“A palavra gehenna não aparece na LXX (Septuaginta) e nem na literatura grega. É a forma grega do Aramaico gê hinnâm, que, por sua vez, remonta para o Heb. gê hinnôn. [...] A apocalíptica judaica supunha que este vale se tornaria, depois do juízo final, o inferno de fogo. (Enoque Et. 90:26-27; 27:1 e segs.; 54:1 e segs.; 56:3, 4. Desta forma, o nome Geena veio a ser aplicado ao inferno de fogo escatológico de modo geral, mesmo quando já não se localizava em Jerusalém (e.g. 2 Ed 7:36; Bar. Sir. 59:10; 85:13; Sir 1:103).” – COENEN, Lothar & BROWN, Colin. Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Páginas 1024, 1025. Editora Vida Nova. 2ª. Edição. 2007.

         A palavra Geena tem, portanto, suas origens no aramaico e hebraico. Designava um vale, ou seja, um local visível, literal, mas que posteriormente passou a significar “inferno”, como agora o concebemos. Por que ocorreu esse processo metafórico? A resposta está na história, nos fins para os quais este local era usado antes e durante os dias de Jesus. Para determinar esses fins, recorreremos a outras obras importantes para estudo teológico. A famosa Concordância de STRONG assim definiu a palavra Geena:

"Geena" ou "Geena de fogo" traduz-se como inferno, isto é, o lugar da punição futura. Designava, originalmente, o vale do Hinom, ao sul de Jerusalém, onde o lixo e os animais mortos da cidade eram jogados e queimados. É um símbolo apropriado para descrever o perverso e sua destruição futura.” – CONCORDÂNCIA STRONG. Bíblia Online. Módulo Expandido 3.0. Vocábulo 1067. Novo Testamento.

         Aqui, STRONG faz alusão ao Vale de Hinom. Era um local onde se jogava lixo e entulho, bem como carcaça de animais. Ficava ao sul de Jerusalém. Mas por que STRONG afirma que Geena é um “símbolo apropriado para descrever o perverso e sua destruição futura”? Vejamos outras explanações:

“VALE DE HINOM – Este vale circunda Jerusalém na parte sul, abaixo do monte Sião. Na Bíblia, esse vale é frequentemente mencionado em conexão com os cruéis ritos a Moloque, que foram imitados pelos reis e pelo povo de Israel. (Jos. 15:8; 18:16; Nee. 11:30; Jeremias 7:31; 19:2.) Quando Josias derrotou essa idolatria, ele profanou o vale de Hinom, lançando no mesmo ossos de mortos, a pior de todas as poluções, entre os Hebreus. Desde então, o lugar tornou-se uma espécie de monturo, onde sempre havia um lixo queimando e lançando fumaça. Foi por causa dessa circunstância que apareceu a ilustração da Geena (em hebraico, vale de Hinom) (ver. Mateus 5:22, 23. Marcos 9:43; João 3:6). De fato, a certa altura da tradição do Hebreus, pensava-se que aquele lugar seria a própria entrada para o inferno, pois na cosmogonia, julgava-se que o lugar dos mortos seria no interior do globo terrestre. [...] O vale tinha má reputação, pois além de ser um monturo, onde eram cremados corpos de criminosos e queimado o lixo da cidade, etc., segundo certas predições, seria o lugar de uma futura grande destruição, por juízo divino. Ver Jer. 7:31-34, onde é chamado de vale da matança.” – CHAMPLIN. R. N.. O Antigo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo. Volume 6. Dicionário A-L. Página 4428. Editora Hagnos. 2ª. Edição. 2001.

HINON, VALE DE. No alto de Tofete do Vale de Hinom, os pais faziam passar seus filhos pelo fogo em sacrifício ao deus Moloque. Acaz e Manasses praticavam essas abominações, 2 Cr 28:3; 33:6. Jeremias profetizou a visita do Senhor para castigar o povo com a destruição e a morte, de modo que esse vale se tornou conhecido pelo vale da matança, Jr 7.31-34; 19:2-6; 32.35. Josias profanou esse lugar para que ninguém sacrificasse seu filho ou filha pelo fogo a Moloque, 2 Re 23.10. Por causa do fogo que ali ardia, da profanação de Josias e das imundícias da cidade que eram consumidas pelo fogo, esse vale passou a servir de emblema do pecado e da maldição. A palavra Ge-hinom, convertida em Geena, veio designar o lugar dos castigos eternos.” – DAVIS, John. Novo Dicionário da Bíblia. Ampliado e Atualizado. Página 574. Editora Hagnos. Setembro de 2005.

         Conforme a história atesta, CHAMPLIN e DAVIS corretamente usam o Antigo Testamento para provar que a Geena, ou o Vale de Hinom, foi usado primariamente como local de sacrifícios humanos para Moloque. Este era o deus supremo dos Amonitas, também conhecido como Milcom e Malcã. Conforme Levítico 20:2-5, seu culto incluía sacrifícios de crianças. Posteriormente, até Salomão se deixou levar por esse rito profano à adoração de YHWH, conforme narram os textos de 1 Reis 11:5, 7, 33 e 2 Reis 23:10, 13. Todavia, o bom Rei Josias derrotou esse tipo de idolatria e tornou o uso desse vale de Hinom apenas para receber carcaças de animais e lixo. CHAMPLIN afirma que se lançavam ossos humanos e se fazia cremação de criminosos.
         Mas o ponto que mais interessa é: Desde os dias de Josias até Jesus e seus ouvintes, o povo reconhecia aquele local como destinado para a destruição do que já estava sem vida – lixo, carcaças e corpos de criminosos humanos. Era um monturo ao sul de Jerusalém, que possuía fogo que não se apagava (no grego, sempre no indicativo presente “não se apaga”), pois era mantido sempre acesso. Por isso, CHAMPLIN, comenta a má reputação daquele local e o que ele passou a simbolizar devido a essa má reputação – a própria entrada para o inferno. Na opinião de alguns, uma crendice, mas nas palavras de Jesus, um local de destruição literal atrelado a um significado simbólico de punição eterna, conforme veremos adiante.
        Então, surgem algumas perguntas: Não teria sido, no mínimo ameaçador para quem está vivo, Jesus avisar que alguns de sua audiência iriam para a Geena, se o local natural para seus corpos irem, após a morte, seria uma sepultura? Estaria Jesus querendo dizer apenas que eles seriam, por fim, destruídos e considerados como lixo para Deus? Evidentemente que não! Jesus não inventou naquela ocasião, no relato de Marcos 9:42-50, uma nova interpretação para Geena, mas fez uso do simbolismo que Geena tinha para os seus ouvintes naquela época. O que simbolizava aquele local literal nas palavras de Jesus? POLH comenta:

“O portão da cidade [de Jerusalém] que dava para lá tinha o nome de “porta do esterco”. Ali havia sempre fogo para queimar o lixo, e o lugar era considerado o mais repugnante do mundo. Desde o século II a. C., o nome era usado para indicar o lugar de perdição escatológico. Marcos explica o termo aos seus leitores com o acréscimo “onde o fogo não se apaga”. – POHL, Adolf. Evangelho de Marcos. Comentário Esperança. Página 287. Editora Evangélica Esperança. Curitiba, PR. 1998.

          Conforme POHL, a Geena era considerada o local mais repugnante do mundo e dois séculos antes de Jesus passou a indicar o lugar de perdição escatológico. E quando Jesus e Marcos [ou se Marcos, por inspiração, faz o acréscimo às palavras de Jesus] fazem uso da expressão “onde o fogo não se apaga”, não seria apenas uma ameaça de destruição ao corpo, no sentido literal. Sabemos disso porque Jesus, num outro texto, fala aos fariseus:

Mateus 10:28 – “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno (1067)tanto a alma como o corpo.”

Lucas 12:5 – “Eu, porém, vos mostrarei a quem deveis temer: temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno (1067). Sim, digo-vos, a esse deveis temer.”

         Conforme percebemos, corpo e alma são tratados separadamente aqui. Por que? Primeiro, porque a Bíblia, no Antigo Testamento faz essa distinção. Fala-se de Raquel que sua alma saiu, ao morrer. (Gênesis 35:18). Elias orou para que a alma da criança morta voltasse ao corpo. (1 Reis 17:21) Em segundo lugar, os ouvintes de Jesus não apenas conheciam esses textos, mas compactuavam com os gregos que a alma era distinta do corpo. Por isso, KEENER comenta:

“Corpo e alma, em algumas tradições judaicas sobre o inferno, seriam instantaneamente destruídos. Em outras seriam perpetuamente destruídos e atormentados. Contrariando as afirmações de muitos estudiosos modernos, inúmeros judeus concordaram com os gregos em que a alma e o corpo se separam após a morte.” – KEENER, Craig S. Comentário Bíblico Atos. Novo Testamento. Página 76. Editora Atos. Belo Horizonte – MG. 2004.

         Assim, em Mateus 10:28, alma significa espírito (toda a parte não física do homem) nesse texto, oposto ao corpo (toda a parte física do homem). Gruden afirma:

“Aqui a palavra alma claramente se refere à parte da pessoa que persiste à morte do corpo. Não pode significar “pessoa” ou “vida”, pois não faria sentido falar daqueles que “matam o corpo mas não podem matar a pessoa”, ou que “matam o corpo mas não podem matar a vida”, a menos que haja algum aspecto da pessoa que continue vivo depois da morte do corpo. [...] A palavra “alma” parece representar toda a parte não física do homem.” – GRUDEN, Wayne. Teologia Sistemática. Atual e Exaustiva. Página 390. Editora Vida Nova. 2005.

         Então, aqueles ouvintes de Jesus, tanto os do relato de Mateus 10:28 como o de Marcos 9:42 a 50, sabiam que ser a pessoa, tanto o corpo como a alma, lançada na Geena não significava que eles se tornariam um lixo ou algo para ser destruído, como se fossem carcaças de animais ou corpos de criminosos. A alma ir para a Geena indicava uma punição eterna, pois, aos ouvidos dos ali presentes, a expressão “onde o fogo não se apaga” continha elementos de eternidade muito mais vívidos do que para nós, leitores modernos, que não presenciamos mais a Geena e seu fogo literais em atividade.

Geena e o Julgamento do Tribunal

         Interpretar “Geena” sem considerar outros textos neo-testamentários, como fazem os aniquilacionistas (Testemunhas de Jeová e os Adventistas do Sétimo Dia, por exemplo) é um crime contra a boa exegese. Todavia, quando observamos textos usados por Jesus que relacionam “Geena” com outros vocábulos e expressões relevantes, torna-se impossível não admitir que Jesus falava de “Geena” como símbolo de punição e tormento eternos. Observaremos isso nos seguintes textos:

Mateus 5:22, 29, 30 – “Eu, porém, vos digo que todo aquele que sem motivo se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno (1067) de fogo. [...] Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno (1067). E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não vá todo o teu corpo para o inferno (1067).”

         Conforme já vimos, a alma poder ser lançada na “Geena” torna o entendimento desse local como símbolo de algo mais terrível do que uma compreensão meramente literal poderia indicar. No texto acima, fala-se de um julgamento em três níveis: (1) “sujeito a julgamento (no grego, “krisis”, referindo-se a tribunais menores, geralmente compostos por sete Juízes); (2) “sujeito a julgamento do tribunal” (no grego Synédrion, referindo-se ao Grande Sinédrio com sede em Jerusalém); (3) “todo o teu corpo para “a Geena”. Há algo interessante aqui: Tanto os tribunais como o Sinédrio poderiam condenar a pessoa à morte. CHAMPLIN faz dois comentários sobre Mateus 5:22 pertinentes:

“ Entre os judeus, havia três níveis de culpa, tratados pelos tribunais próprios e com julgamento próprio. A condenação mais severa era a que determinava o lançamento do corpo no vale de Hinom ou Geena, porque mostrava a grande desgraça da pessoa, ilustrando assim a gravidade do crime.” – CHAMPLIN. R. N.. O Novo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo. Mateus. Volume 1. Página 311.Editora Hagnos. 2ª. Edição. 2001.

“Estará sujeito a julgamento do tribunal, que significa julgamento do Sinédrio [...] o conselho supremo judaico, que tinha o poder de vida e morte e podia infligir a pena de apedrejamento (morte vergonhosa), pois tratava de casos de heresia e blasfêmia.” – CHAMPLIN. R. N.. O Novo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo. Mateus. Volume 1. Página 311.Editora Hagnos. 2ª. Edição. 2001.

         Para os que ignoram a literatura judaica, óbvio lhes parecerá não haver nenhuma idéia de punição eterna presente no texto, mas apenas um julgamento condenatório de morte: ou por apedrejamento, seguido ou não de um enterro honroso ou de além do apedrejamento, ser o corpo lançado na Geena para ser destruído. Todavia, como se sabe, Jesus ensinava se adaptando ao conhecimento do povo, e usava este para levá-los ao correto entendimento de suas palavras. Isso, de fato, tornava seu ensino maravilhoso, e foi a esta conclusão que os ouvintes de Jesus, os judeus, chegaram ao final de suas palavras do Sermão do Monte, as quais englobam Mateus 5:22, 29, 30. (Mateus 7:28) Jesus sabia muito bem que os judeus criam num Sinédrio Celestial, que iria conferir penas eternas, conforme alguns mestres judeus. Observe como KEENER aborda isso:

“A literatura do judaísmo descreve o tribunal celeste de Deus como corte suprema, ou sinédrio, correndo paralela com a corte terrestre. “O fogo do inferno” é, literalmente, “a Geena de fogo”, que se refere ao conceito judaico padrão de Gehinnom, o oposto do paraíso. No Gehinnom, os iníquos seriam queimados (de acordo com alguns mestres judeus) ou para sempre torturados (de acordo com outros mestres judeus).” – KEENER, Craig S. Comentário Bíblico Atos. Novo Testamento. Página 58. Editora Atos. Belo Horizonte – MG. 2004.

         Por isso, Jesus falava de Geena como símbolo de sofrimento eterno (e depois o restante do Novo Testamento corroborará isso), tendo em mente o que sua audiência conhecia sobre o assunto. De fato, a literatura judaica, que inclui os Apócrifos, falam de um inferno de tormento eterno. Veja alguns exemplos:

Enoque 54:11, 12 - “Nem o filho de seu pai ou de sua mãe; até que o número dos corpos de seus mortos sejam completados, pela sua morte e punição. Nem isto acontecerá sem causa. Naqueles dias a boca do inferno (Geena) será aberta, na qual eles serão imersos; o inferno destruirá e tragará os pegadores da face dos eleitos.”

Enoque 62:10-15. - “Naquele dia do nosso sofrimento e da nossa angústia Ele não nos salvará, nem encontraremos descanso. Confessamos que nosso Senhor é fiel em todas as Suas obras, em todos os Seus julgamentos e em Sua retidão. Em Seus julgamentos ele não paga nenhum respeito a pessoas; e nós devemos apartar-nos de sua presença por causa de nossos maus atos. Todos os nossos pecados são verdadeiramente sem número. Então eles dirão a si mesmos: Nossas almas estão saciadas com os instrumentos de crime; Mas que não nos impede de descer ao ventre flamejante do inferno. Daí em diante seus semblantes se encherão de escuridão e confusão diante do Filho do homem, de cuja presença eles serão expulsos e diante do qual a espada permanecerá expelindo-os.”

Judite 16:17 - “Ai das nações que se levantarem contra a minha raça! O Senhor Todo-Poderoso as punirá no dia do juízo, porá fogo e vermes em suas carnes, e chorarão de dor eternamente.”

         Esses exemplos mostram um local de tormento engolindo pessoas vivas, conscientes, e com sofrimentos eternos. Os judeus, nos dias de Jesus, criam assim. Por isso, o uso que Jesus fez de “Geena” não poderia meramente significar a morte física para eles, mas a morte eterna, com seu sofrimento eterno. Por isso, lemos em Lucas 12:5, um texto paralelo a Mateus 10:28, o seguinte:

Lucas 12:5 – “Eu, porém, vos mostrarei a quem deveis temer: temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno (1067). Sim, digo-vos, a esse deveis temer.”

         De acordo com esse texto, os ouvintes de Jesus precisavam temer aquele que, depois de matar, tem poder para lançar pessoas na Geena. No sentido literal, o Sinédrio tinha esse poder, pois conforme já observamos, julgava pessoas a essa desgraça para os judeus. Todavia, se é Deus quem tem poder para lançar na Geena, então muito mais do que mera destruição do corpo está envolvido aqui. O Sinédrio judaico não podia fazer perecer tanto o corpo como a alma na Geena (Mateus 10:28), ou seja, depois da ressurreição do juízo (ou condenação, no grego “krisis”, João 5:29), o Sinédrio não podia lançar o pecador para a Geena, ou o lugar de punição eterna.
         Ainda em outros textos atribuídos a Jesus, por Mateus, podemos notar que Geena está associada ao julgamento eterno de Deus, o qual está muito presente no restante do Novo Testamento, nas expressões “serão atormentados de dia e de noite pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 20:10), e nos usos da palavra grega “Hades” (correspondente ao Xeol no hebraico) quando ela significa lugar de fogo eterno (Lucas 16:23), por exemplo. Vejamos, então, outros três desses textos em que ocorre “Geena”:

Mateus 18:9 – “Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida com um só dos teus olhos do que, tendo dois, seres lançado no inferno (1067) de fogo.”

Mateus 23:15 – “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filho do inferno (1067) duas vezes mais do que vós!

Mateus 23:33 – “Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno (1067).”

         Esses textos falam do julgamento que os escribas e fariseus receberiam. Mas receberiam de quem? Do Sinédrio? Dificilmente, pois os escribas e fariseus eram comparsas do Sinédrio, principalmente quando o assunto se tratava Jesus. Portanto, esse julgamento viria do mesmo Deus que tem poder para lhes dar julgamento e condenação eternos. (Lucas 12:5) Disso eles não poderiam escapar. Como essas palavras vieram de Jesus, ele sabia que tais condenados jamais se arrependeriam de suas obras iníquas. Portanto, Jesus falava de um julgamento futuro, pior do que o conferido pelo Sinédrio, quanto à intensidade e à duração. Daí, Jesus referir-se a alguns gentios convertidos ao judaísmo legalista, que se tornavam filhos da Geena, ou seja, uma forma hebraica de dizer que eles pertenciam a Geena, símbolo da punição eterna.
          Após considerar de forma sucinta os usos de “Geena” feitos por Jesus, resta apenas comentar a única vez que este vocábulo é usado por uma outra pessoa que não seja Jesus, nos evangelhos de Mateus, Marcos e João. Trata-se de Tiago, meio-irmão de Jesus.

Tiago 3:6 – “Ora, a língua é fogo; é mundo de iniqüidade; a língua está situada entre os membros de nosso corpo, e contamina o corpo inteiro, e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como também é posta ela mesma em chamas pelo inferno (1067).”

         Ser a língua lançada na Geena parece ser uma figura de linguagem, a qual conhecemos hoje como metonímia, usada para designar a parte pelo todo. Não é apenas a língua que vai a Geena, mas a pessoa toda contaminada por ela. Tal contaminação é moral, não física. Isso subentende que a Geena aqui também tem seu caráter condenatório moral e, por isso, não pode ser entendida literalmente, mas figurativamente. Não pode também figurar a morte da pessoa como todos morrem naturalmente, pois até os salvos morrem. Também não figura a morte eterna, pois Tiago faz uso de Geena de acordo com todo o contexto judaico aqui considerado.

Análise Final do Texto de Marcos 9.42-50

         Tudo o que foi aqui apresentado sobre “Geena” visou provar que Jesus, no texto de Marcos 9:42-50, usou “Geena” com o significado de tormento eterno. Nesses versículos, aos que causam tropeço a outros seria melhor lhes seria que uma grande pedra lhes fosse pendurada no pescoço para que fossem jogados ao mar. O que isso significava? Morte terrível. Observe o que se disse sobre esse tipo de morte:

“O povo judeu considerava essa punição como a terrível sorte que os pagãos poderiam sofrer. Assim, a imagem era ainda mais assustadora. A morte sem funeral (incluindo a morte no mar) era considerada como o pior tipo de morte.” – KEENER, Craig S. Comentário Bíblico Atos. Novo Testamento. Página 167. Editora Atos. Belo Horizonte – MG. 2004.

         Também, a Geena como símbolo de sofrimento eterno é o destino dos não salvos que certamente permitirão que algo em suas vidas, retratado aqui por alguma parte do corpo, impeça-os de entrarem na vida eterna. Assim, da terrível morte na água, passa-se para a terrível morte no fogo. Não estariam contidos nessas palavras de Jesus os dois meios pelos quais – água e fogo - Deus usa para punir o mundo iníquo e condenar seus mortos ao sofrimento eterno - primeiro com o dilúvio nos dias de Noé e, futuramente, com o fogo? - 2 Pedro 3:7-13.
         Ademais, vê-se a expressão “onde não lhes morre o verme nem o fogo se apaga”. Na Geena literal, isso realmente acontecia, pois o monturo era mantido aceso e os vermes proliferavam constantemente, devido à imundície do local. Por que Jesus teria enfatizado essas expressões, três vezes (embora esteja apenas uma única vez na maioria dos manuscritos mais antigos)? Para mostrar a abominação do local e dos que para lá forem. Sobre isso, HENDRIKSEN comenta:

“Ora, ao adicionar essas diversas idéias representadas por Gê-Hinnôm – a saber, o fogo que está sempre em combustão, a perversidade, a abominação, o juízo divino, a matança – é possível facilmente perceber que esse Gê-Hinnôn se converteu em símbolo da eterna habitação dos maus, a saber: o inferno. Gê-Hinnôm transformou-se (em grego) em Gehenna, lugar de tormento sem fim.” – HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento. Lucas. Volume 2. Página 168. Editora Cultura Cristã. 2003.

         A Geena, portanto, é lugar para perdidos, para seus corpos e suas almas. (Lucas 12:5) É interessante notar no texto que o versículo 43 fala do pecador ir para a Geena e no versículo 45 fala dele sendo lançado ali. Esse contraste ilustra o simbolismo de Geena, que se encaixa muito bem com Mateus 25:46, quando Jesus se refere aos que irão para o castigo eterno. Sobre isso, LENSKI firmou:

“No versículo 43, “ires” para a Geena retrata a ação do próprio pecador; Ele, literalmente, pelo seu próprio modo de agir, vai para o inferno. Mas no versículo 45, “ser lançado” na Geena retrata o divino julgamento sobre o pecador, quando os anjos de Cristo, ao seu comando, confiná-lo ao inferno.”- LENSKI, R. C. H. The Interpretation of St. Mark´s Gospel (A Interpretação do Evangelho de São Marcos). Paginas 407, 408. TheWartburg Press. Columbus. Ohio. EUA. 1946.

         Portanto, os que vão para o sofrimento eterno têm uma característica em comum: O tropeço. Fazem outros tropeçarem e tropeçam e si mesmos. Isso amplia ainda mais o terrível significado simbólico atribuído à Geena: Um lugar de tormento eterno, repleto de pessoas sem caráter, separadas para sempre do caráter de Deus.

CONCLUSÃO

         Neste texto, analisou-se a palavra “Geena” de acordo com a perspectiva judaica, conforme os judeus podiam compreender as palavras de Jesus. Evidentemente, a Geena literal foi usada como um símbolo de punição e tormento eternos. Além de “Geena”, outros termos como “xeol”, “hades”, “lago de fogo e enxofre”, e expressões como “choro e ranger de dentes”, “serão atormentados dia e noite” poderiam ser usadas para provar como Bíblica a doutrina das penas eternas. Todavia, focou-se apenas a palavra Geena no contexto de Marcos 9:42 a 48.
         Para os perdidos, essa interpretação solidamente baseada nas Escrituras e nas provas citadas, significará a eterna separação de Deus, o que conhecemos como morte eterna, ou segunda morte. (Apocalipse 20:14; 21:8) Para os salvos, sermos alvo da graça e do amor de Deus, que nos chamou “das trevas para sua maravilhosa luz”. (1 Pedro 2:9) E esse conhecimento sobre a Geena nos deve motivar a nos apresentar a Deus como povo que busca os que hão de ser salvos desse terrível lugar, através do evangelismo.

Autor: José Fernando Galli de Paula
 Fonte:
http://www.estudosgospel.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!.EU SOU MARCIO DE MEDEIROS-PROF.DO SETEF,SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.JESUS TE AMA E MORREU POR VOÇÊ!!!.
TEMOS,1 SITE DESTINADO A CULTURA GERAL , OUTRO SITE DESTINADO À ASSUNTO BÍBLICOS E UM OUTRO SITE DESTINADO À ENTRETENIMENTO,TEMOS:JOGOS,FILMES,DESENHOS ETC.USE OS LINKS ABAIXO PARA VISITAREM OS SITES.TEMOS 3 SITES E 1 BLOG.BOM PROVEITO!.

https://sites.google.com/
http://www.prof-marcio-de-medeiros.webnode.com/
http://profmarcio.ucoz.com