CONTADOR DE VISITAS

contador de acessos

Funk Gospel- Novas 2016-2017

FUNK E NOVO SOM

funk gospel e infantil

MX GOSPEL

HINOS JUDAICOS E ROMANTICAS

FUNK GOSPEL- VARIOS

MUSICAS MESSIANICAS

MELODY E VARIAS

VIDEO DO POKEMON

ESTUDO-INFERNO

Jogos para voce

ORIENTE MÉDIO

TURMINHA DA GRAÇA E MIDINHO

OS TRAPALHOES E A PRINCESA XUXA

Os trapalhoes-vol. 2

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAPOLIN

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAVES

DE GRAÇA RECEBESTE, DE GRAÇA DAI!!!!.

DE GRAÇAS RECEBESTES,DE GRAÇA DAI-MT10.8

ESTUDO-Jo 3.16

ESTUDO SOBRE ADORAÇÃO

INFANTIL

HINOS JUDAICOS

FUNK GOSPEL E ROMANTICAS 03

JOGO DE PERGUNTAS BÍBLICAS

CLIQUE PARA RESPONDER AS PERGUNTAS Coloque este widget em seu blog

FUTEBOL COM CARROS

JOGO ATIRE NAS GARRAFAS

JOGO DA BALEIA

JOGO DA BALEIA

Jogo pac man

JOGO BASKET

JOGO blast

JOGO MAGNETO

JOGO DE CORRIDA

Corrida Bíblica–o game

JOGO DA VELHA 02

Mais Jogos no Jogalo.com JOGO DA VELHA 02

JOGO BÍBLICO DE PERGUNTAS

Noticias g1

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS 02

LEITURA EM INGLÊS 02

NOVO SOM E DIVERSOS

funk gospel e musica judaica 02

ROMANTICASM JUDAICA E FUNK GOSPEL

RELÓGIO COM MENSAGEM

ROMANTICAS E FUNK GOSPEL

ROMANTICAS E FUNK GOSP. 02

ROMANTICAS GOSPEL

FUNK GOSPEL 25

FUNK GOSPEL 24

FUNK GOSPEL23

FUNK GOSPEL 22

FUNK GOSPEL 21

funk gospel 20

FUNK 19

/>

funk gospel 18

FUNK GOSPEL 16

FUNK GOSPEL 15

FUNK GOSPEL 14

GOSPEL FUNK 17

Prof. Marcio de Medeiros--ESTUDO SOBRE O INFERNO

NOTICIAS DE CONCURSOS

BEM ESTAR -GNT

FILME-A ÚILTIMA BATALHA

BATE PAPO CRISTÃO

Qual é a sua avaliação sobre este blog?

Formulario de autoresposta


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


NOVO SOM-ROMANTICAS

FUTEBOL 03

Placares oferecidos por futebol.com

FUTEBOL 04

Tabela futebol Brasileirão Serie A oferecida por Futebol.com

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF-SEMINARIO TEOLÓGICO FILADÉLFIA-J. BOM PASTOR-BELFORD ROXO-RJ

CAIXA DE CURTI FANPAGE

CUMPRIMENTO AO VISITANTE

link me

Prof Marcio de Medeiros

Por favor coloque este codigo em seu site ou blog e divulgue o nosso blog

NOTÍCIAS RIO

REDECOL NOTICIAS




NOTICIAS

G1 NOTICIAS

G1 NOTICIAS

MENTE MILIONARIA

MENTE MILIONARIA-COMO SER BEM SUCEDIDO FINANCEIRAMENTE
CLIQUE E ASSISTA!!!!

PROP. DA PAGINA NO FACE04

BUSCA DE EMPREGOS

BATIDAO GOSPEL 10

FUNKS DIVERSOS 11

BATIDÃO GOSPEL12

FUNK GOSPEL 13

Batidao 09

BATIDAO 08

BATIDÃO 07

BATIDÃO GOSPEL 06

BATIDÃO GOSPEL 3

BATIDÃO GOSPEL 4

BATIDÃO GOSPEL 07

BATIDÃO GOSPEL

BATIDÃO GOSPEL 2

BATIDAO GOSPEL 05

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE

SITE DE ENTRETENIMENTO

UTILITARIOS EM GERAL

CALENDARIO E JESUS

CALENDÁRIO E PAISAGEM

musicas do c.c e da harpa

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 03

BANNER DO SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ENTRETENIMENTO

MENSAGEM PARA VOÇÊ 2

SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ASSUNTOS BÍBLICOS

SITE DE CULTURA

DESENHO DA CRIAÇÃO E DE NOÉ

DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A ARCA DE NOÉ-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO SOBRE JOSUÉ

DESENHO SOBRE JOSUÉ-CLIQUE PARA ASSISTIR.

DESENHO SOBRE MOISÉS

DESENHO SOBRE MOISÉS-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO-O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS-CLIQUE PARA ASSSITIR

FILME-INFERNO EM CHAMAS

FILME O INFERNO EM CHAMAS

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 02

DA LINK SA PAG.DO FACE DO BLOG

AULA DE BIBLIOL.SETEF-07/05/13

AULA DE BIBLIOLOGIA-DATA:07/05/13- MINISTRADA DO SEMINARIO SETEF

Pag do facebook 02

terça-feira, 23 de julho de 2013

527-A GRANDE BABILÔNIA





 A GRANDE BABILÔNIA



Não podemos mencionar o termo "apostasia" sem referir-nos à grande Babilônia. Essa é uma expressão inserida no Apocalipse, para identificar o sistema religioso prostituído que, num primeiro momento, dará sustentação e legitimação ao anticristo e posteriormente será destruído pela própria besta (Apocalipse 17:1-16).

Para entender melhor as figuras utilizadas para descrever esse sistema religioso prostituído, devemos deter-nos um pouco para analisar os termos "Babilônia", "mulher" e "prostituição". Ao estudarmos detalhadamente esses três conceitos, vemos que os mesmos, profeticamente, estão intimamente relacionados.

Babilônia foi o centro a partir do qual, desde eras remotas, o misticismo e paganismo desenvolveram-se e expandiram-se, influenciando assim muitos povos e culturas. De acordo com os relatos de Gênesis, Ninrode foi o fundador da civilização babilônica. Segundo os mais conhecidos e eruditos lingüistas, o próprio termo "Babilônia" é oriundo de "Babel", onde podemos identificar a primeira tentativa pós-diluviana de reunir toda a população em torno de um ideal religioso e de uma cidade, indo contra o que Deus tinha estabelecido a Noé e filhos, no tocante à conquista e povoamento da terra (Gênesis 9:1).

No plano de construir uma torre cujo cume alcançasse os céus, podemos ver o alvorecer do princípio humanista de alcançar posições de destaque no universo, baseado no próprio esforço humano. Esse princípio fará parte dos propósitos da grande Babilônia do final dos tempos, aliada à besta.

Também na Babilônia surgiu o culto à rainha dos céus, uma deusa que sempre era representada e adorada junto ao seu filho divino, que os babilônios relacionavam a Semiramis (mulher de Ninrode) e ao filho de ambos, Tamuz. De acordo com a lenda sobre esse assunto, Semiramis foi considerada como a fundadora de todos os mistérios babilônicos e a primeira sacerdotisa desses mistérios pagãos. Ao gerar o seu filho Tamuz, o qual ela anunciara que havia sido concebido milagrosamente, ela o apresentou como um suposto libertador. O profeta Ezequiel, nos dias do seu cativeiro na Babilônia, se levantou contra essa prática maligna que havia penetrado até mesmo no povo de Israel (Ezequiel 8:9-16).

Satanás, desde as épocas remotas, tem planejado a forma de deturpar as verdades divinas, traçando estratégias de imitação e falsificação, objetivando enganar o maior número de pessoas possível. Uma dessas imitações surgiu a partir da promessa feita por Deus a Eva, de que da sua semente nasceria o Cristo. A deturpação desse princípio divino originou a prática da adoração à mãe e o menino que já mencionamos, expandindo-se da Babilônia aos diversos centros da antigüidade. Esse culto manteve-se aceso por séculos, influenciando as mais diversas culturas.

Essa chegou a ser a religião dos segredos ocultos dos fenícios, sendo os mesmos também responsáveis pela sua proliferação no Oriente Médio. Entre eles, Astarot e Tamuz, eram mãe e filho adorados. Quando a prática chegou ao Egito, tomou a forma das deidades Isis e o seu filho Hórus. Entre os gregos essa prática era direcionada a Afrodite e a seu filho Eros. Quando chegou a ser conhecida entre os romanos, a adoração para mãe e filho foi destinada a Vênus e Cupido. Num período de mil anos, essa prática religiosa que havia surgido na Babilônia, chegou a ser aceita como religião oficial em quase todas as nações.

Segundo relatos históricos, quando a cidade de Babilônia foi destruída pelos persas, o sumo sacerdote babilônio fugiu com outros iniciados, levando consigo seus vasos sagrados e imagens rituais até a cidade de Pérgamo, na Ásia Menor. Foi precisamente nesta cidade que o símbolo da serpente se estabeleceu como emblema dos segredos e da sabedoria escondida, o que podemos constatar até os dias de hoje nos meios ocultistas e em alguns brasões sociais.

Viajando e atravessando os mares, essa linhagem de sacerdotes babilônios chegou à Itália, onde seus rituais e cultos se expandiram, tomando o nome de "mistérios etruscos" e influenciando todo o sistema religioso da cidade de Roma. Foi precisamente naquele tempo que os sacerdotes começaram a usar mitras em forma de cabeça de peixe, em honra e veneração a Dagom, deus dos peixes e senhor da vida.

Durante os séculos, esses costumes pagãos influenciaram aquela que se denominava igreja cristã. Diversas práticas pagãs foram absorvidas pelos líderes, baseados em interesses políticos e/ou financeiros, gerando um processo gigantesco de apostasia. Por isso, acreditamos haver uma íntima relação entre a apostasia e o surgimento da grande Babilônia como sistema religioso mundial dos últimos tempos.     
      
A grande Babilônia, esse sistema religioso maligno que tem atuado durante séculos e que nos últimos tempos alcançará o clímax, está relacionado na Bíblia à prática da prostituição. O termo usado no Apocalipse é porne, palavra grega derivada de pernemi, que significa "vender". A prostituição espiritual ocorre quando o relacionamento com Deus é deturpado pelas alianças humanas em torno do dinheiro, do poder e do engano espiritual. Nem sempre caracteriza-se por "negar" abertamente o nome de Deus e o relacionamento com Ele, mas aplica-se a deturpar com sutileza os direcionamentos divinos, buscando relacionar-se com Deus de uma forma falsa, de acordo com os próprios interesses e ganância, chegando até mesmo a mercadejar princípios espirituais.

Eis aí a grande diferença entre a noiva (igreja) e a prostituta (Babilônia). Enquanto que a noiva se mantém pura à espera do amado noivo (Cristo), a prostituta se relaciona espiritualmente com todos os segmentos malignos, buscando a realização de seus próprios interesses. Se prostitui a nível político e a nível religioso.

No livro de Apocalipse, fica revelado que a prostituta (Babilônia), estava assentada sobre sete montes, relacionando a sede da prostituta à cidade de Roma, capital do então império romano (Apocalipse 17:9).

Resumindo o que foi apresentado, podemos afirmar a respeito da grande Babilônia:

a)   É um sistema religioso que tem se prostituído com os reis da terra e tem se beneficiado dos seus bens e posses (Apocalipse 17:2)

b)  Está assentada sobre sete montes, relacionando a sua sede à cidade de Roma, que literalmente está construída sobre sete montanhas (Apocalipse 17:9)

c)   É um sistema que tem perseguido e perseguirá até o fim os servos fiéis de Jesus, embriagando-se com o sangue dos mártires cristãos de toda a história, inclusive os da Igreja nos últimos tempos (Apocalipse 17:6)

d)  Uma das práticas religiosas que caracteriza a grande Babilônia é a adoração à deusa mulher ou rainha dos céus, prática originada na antiga Babilônia.

e)  O sistema religioso da grande Babilônia, apesar de ter uma sede definida, abrange muitos povos e nações (Apocalipse 17:15)

f)  No final dos tempos e valendo-se de sua liderança religiosa mundial, a grande Babilônia se assentará sobre a besta, dando legitimação inicial ao sistema do anticristo, porém será destruída pela própria besta e os dez chifres (Apocalipse 17:3-16)

Acreditamos que o falso profeta, a besta descrita em Apocalipse 13:11-18, será o líder ecumênico da grande Babilônia. De posse desses dados, você poderá, no momento certo, identificar quem é a grande Babilônia.

Caiu! Caiu a Grande Babilônia (Apocalipse 18:1-24)

Já conhecemos os personagens principais entre os inimigos do povo de Deus. Apareceu o dragão (capítulo 12), seguido pelas duas bestas (capítulo 13) e a grande meretriz (capítulo 17). Já sabemos o destino destes inimigos de Deus, pois o Cordeiro e seus fiéis são os vencedores, e seus adversários serão derrotados. Antes da identificação das características dos inimigos, a sétima trombeta já declarou: “O reino do mundo se tornou do nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos” (11:15). Antes da descrição da grande meretriz vem a declaração da queda dela (14:8). Este e os subseqüentes capítulos enfatizam o que já foi revelado – os verdadeiros vencedores são aqueles que adoram a Deus. Todos os outros – dos adoradores da besta à própria besta ao dragão que lhe dá poder – serão derrotados. A partir deste capítulo, veremos a queda desses inimigos do Senhor. Surgiram numa seqüência (dragão, bestas, meretriz) e cairão na ordem invertida (meretriz, bestas, dragão).

Um Anjo Anuncia a Queda da Babilônia (18:1-8)
18:1 – Depois destas coisas, vi descer do céu outro anjo, que tinha grande autoridade, e a terra se iluminou com a sua glória.
Depois destas coisas, vi descer do céu outro anjo: A força que sustentava a meretriz vinha de baixo: das águas, da besta que surgiu do mar e dos reis da terra. Os próprios reis seriam os instrumentos de Deus no castigo dela, pois o anúncio da queda dela vem de cima. Um anjo já anunciou a queda da Babilônia (14:8), e um outro mostrou para João o significado da meretriz e o seu julgamento (17:1,7). Aqui, outro anjo desce do céu para confirmar a sentença contra a Babilônia.
Que tinha grande autoridade: A autoridade para falar vem do céu. Não há dúvida sobre a veracidade de sua mensagem.
E a terra se iluminou com a sua glória: Deus é a verdadeira luz, e a sua glória ilumina (21:23; 1 João 1:5). Pelo evangelho revelado, a glória de Deus traz iluminação (2 Coríntios 4:4-6; Efésios 1:17-18). Aqui, então, aguardamos uma declaração de Deus que trará boas notícias aos servos fiéis.
18:2 – Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável
Então, exclamou com potente voz: “Potente voz” vem da mesma expressão traduzida por “grande voz” em outros versículos: a voz de Jesus (1:10), a voz de anjos (5:2; 10:3; 14:7,9,15,18; 19:17), a dos adoradores de Deus (5:12; 7:10); a das almas dos mártires (6:10), a da águia que anuncia os três ais (8:13), a voz do céu que chamou as testemunhas a subirem (11:13); as da sétima trombeta que anunciam o reino do Senhor (11:15), a do céu que anuncia o poder de Deus e a expulsão do dragão (12:10), a do santuário ou do trono (16:1,17; 21:3).
Caiu! Caiu a grande Babilônia: Esta linguagem é a maneira profética de mostrar que Deus tiraria do poder aqueles que dominavam e abusavam dos outros. Isaías profetizou contra o rei da Babilônia histórica: “Como cessou o opressor! Como acabou a tirania! Quebrou o SENHOR a vara dos perversos e o cetro dos dominadores, que feriam os povos com furor, com golpes incessantes, e com ira dominavam as nações, com perseguição irreprimível. Já agora descansa e está sossegada toda a terra. Todos exultam de júbilo” (Isaías 14:4-7). Antes de prosseguir, devemos observar a importância do caso da Babilônia antiga na interpretação da Babilônia simbólica do Apocalipse. No Antigo Testamento, há várias profecias sobre a queda da Babilônia. Estas profecias foram cumpridas na queda do domínio babilônico e até na destruição da cidade, mas não literalmente de uma forma imediata e desastrosa. A cidade “caiu” ao líder persa, Ciro o Grande, em 539 a.C., data que geralmente marca o fim do império babilônico, mas as batalhas desta conquista ocorreram em outros lugares, fora da cidade. Sabemos que os persas e medos se juntaram para vencer os babilônicos. Isaías fala especificamente de Ciro (45:1-2; 48:14-15) e dos medos como instrumentos de Deus neste castigo (Isaías 13:17-20). Jeremias, também, foi específico quando disse que o castigo da Babilônia viria logo no fim dos setenta anos do cativeiro de Judá (Jeremias 25:12), que os medos seriam o instrumento de Deus para castigá-la (51:11), que a destruição dela seria repentina (51:8) e seria afundada como uma pedra jogada no rio (51:63-64). Não podemos forçar uma interpretação literal, pois a cidade permaneceu alguns séculos depois da invasão dos persas e medos, sendo desfeita aos poucos como resultado dos estragos de várias invasões nas épocas dos medo-persas, dos gregos e helenistas e até dos romanos. Não é possível mostrar cumprimento literal de todos os detalhes das profecias da queda da Babilônia antiga (alguns exemplos se encontram em Isaías 13:5,9-13,15-16; 14:22-23; 21:9; 43:14; 47:1,5; Jeremias 25:12-14; 50:1-2,9-10,21-46; 51:1-64). Usando o exemplo de profecias sobre a Babilônia histórica, percebemos que profecias de destruição nas Escrituras podem empregar linguagem poética e hiperbólica, podem usar figuras específicas para falar de castigos mais gerais e podem comprimir uma série de acontecimentos em um único evento. Com este entendimento, ainda mantemos a nossa confiança nas afirmações do Apocalipse que as profecias seriam cumpridas em breve. Não precisamos mostrar a destruição total e repentina da cidade de Roma, nem a queda iminente do império romano. A linguagem profética afirma a humilhação dos poderes que perseguiam os santos, e a história mostra que foram, de fato, humilhados e derrotados.
E se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável: A grande cidade que estava cheia de atividade e de pessoas poderosas e ricas se torna uma cidade abandonada e suja (cf. Isaías 13:19-22). Mais uma vez, o contraste entre as duas principais cidades do livro se torna evidente. A cidade mundana se torna lugar deserto e imundo, ocupado por demônios e espíritos imundos. A cidade santa, a nova Jerusalém, será habitada por multidões na presença do Senhor, e “Nela, jamais penetrará coisa alguma contaminada” (21:27).
18:3 – pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria.
Este versículo repete alguns dos motivos do castigo de Roma:
Pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra: A meretriz contaminou as nações com a sua maldade, avareza, etc.
Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria: Roma foi um grande consumidor, procurando e tomando para si tudo que traria prazer carnal ou glória material. Pelo fato do império controlar o comércio entre os continentes de Europa, África e Ásia, as nações exportadoras dominadas pelos romanos se enriqueceram por causa desse comércio. A luxúria é o desejo descontrolado, um termo que, muitas vezes, descreve a sensualidade e lascívia.
18:4 – Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos
Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados: Esta linguagem vem de Isaías 52:11, um trecho que fala sobre o fim do cativeiro dos israelitas. Deus promete trazer o seu povo remido de volta para Sião, mas exige que venha sem a impureza e a idolatria praticada por seus opressores. A purificação e a fidelidade do povo seriam essenciais para a comunhão com o santo Senhor (52:1-6).
Paulo emprega a mesma linguagem em um apelo à santidade (2 Coríntios 6:14 - 7:1). Para ser o povo de Deus e manter e gozar a comunhão com o Senhor, é necessário ser santificado. Esta santidade é oposta à imundícia e à luxuria da meretriz.
E para não participardes dos seus flagelos: Se participar dos pecados, receberiam o mesmo castigo. Deus chama o povo dele para ser separado. A santificação é uma exigência fundamental do evangelho como base da comunhão com Deus: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus” (Hebreus 12:14-15).
18:5 – porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou.
Porque os seus pecados se acumularam até ao céu: A voz do sangue de Abel chegou ao Senhor, pedindo vingança (Gênesis 4:10). O clamor de Sodoma e Gomorra subiu até Deus, trazendo sua ira na destruição das cidades (Gênesis 18:20-21). A meretriz acumulou tanta iniqüidade que chegou até ao céu.
Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou: O Senhor não podia ignorar a maldade de Roma. Ela se exaltou em rebeldia contra Deus e contra a sua vontade. O castigo se tornou inevitável.
18:6 – Dai-lhe em retribuição como também ela retribuiu, pagai-lhe em dobro segundo as suas obras e, no cálice em que ela misturou bebidas, misturai dobrado para ela.
Dai-lhe em retribuição como também ela retribuiu, pagai-lhe em dobro segundo as suas obras: A justiça divina opera-se pelo princípio da colheita: “Aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6:7). Roma conduziu outras nações a participarem na sua iniqüidade e a sofrerem as conseqüências nos flagelos de Deus. Agora, veio a hora da retribuição.
No cálice em que ela misturou bebidas, misturai dobrado para ela: Induzir outros ao pecado não é ato de amor ou amizade. Causa sofrimento e os leva ao castigo. Por ter feito isso, a meretriz terá que beber do cálice da ira de Deus (cf. comentários sobre 14:8,10).
18:7 – O quanto a si mesma se glorificou e viveu em luxúria, dai-lhe em igual medida tormento e pranto, porque diz consigo mesma: Estou sentada como rainha. Viúva, não sou. Pranto, nunca hei de ver!
O quanto a si mesma se glorificou e viveu em luxúria, dai-lhe em igual medida tormento e pranto: O castigo na medida do crime cometido. Ele se entregou à luxúria sem limites, e agora sofreria tormento sem limites.
Porque diz consigo mesma: Estou sentada como rainha. Viúva, não sou. Pranto, nunca hei de ver!: Na sua arrogância, Roma se achou invencível. Ela dominava o mundo, e nem imaginou alguém capaz de tirá-la de sua posição exaltada. A cidade de Roma e os seus imperadores chegaram a ser adorados como deuses. A confiança exagerada dela nos lembra dos edomitas no Antigo Testamento: “A soberba do teu coração te enganou, ó tu que habitas nas fendas das rochas, na tua alta morada, e dizes no teu coração: Quem me deitará por terra? Se te remontares como águia e puseres o teu ninho entre as estrelas, de lá te derribarei, diz o SENHOR” (Obadias 3-4; cf. a profecia semelhante sobre a Etiópia e a Assíria em Sofonias 2:15). Os versículos 7 e 8 claramente tomam a sua linguagem de uma profecia sobre a Babilônia histórica: “Ouve isto, pois, tu que és dada a prazeres, que habitas segura, que dizes contigo mesma: Eu só, e além de mim não há outra; não ficarei viúva, nem conhecerei a perda de filhos. Mas ambas estas coisas virão sobre ti num momento, no mesmo dia, perda de filhos e viuvez; virão em cheio sobre ti, apesar da multidão das tuas feitiçarias e da abundância dos teus muitos encantamentos” (Isaías 47:8-9). Compare, agora, o que viria sobre a Babilônia do Apocalipse.
18:8 – Por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou.
Por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo: A auto-confiança da Babilônia a deixa totalmente despreparada e vulnerável quando vem o juízo de Deus. Mais um versículo de Isaías salienta o perigo que a Babilônia e Roma enfrentaram, o mesmo que enfrentamos hoje numa sociedade dominada pelos avanços da ciência e da tecnologia: “Porque confiaste na tua maldade e disseste: Não há quem me veja. A tua sabedoria e a tua ciência, isso te fez desviar, e disseste contigo mesma: Eu só, e além de mim não há outra” (Isaías 47:10). A palavra traduzida “flagelos” é a mesma que descreve, em outros livros do Novo Testamento, os açoites de castigo (Atos 16:23,33; 2 Coríntios 6:5; 11:23). Aqui e outras vezes no Apocalipse, identifica os “açoites” de castigo que vêm de Deus.
Porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou: Roma se achou poderosa, mas se enganou. Deus é o verdadeiro Onipotente, e ele julgou a meretriz. Ela não escapará deste castigo. Paulo disse: “A fraqueza de Deus é mais forte do que os homens” (1 Coríntios 1:25).
As Reações à Queda da Babilônia (18:9-20)
As reações à queda da meretriz são duas: lamentação e exultação. Primeiro, encontramos a lamentação repetida por três grupos de dependentes de Roma: os reis, os mercadores e os pilotos. Todos se expressam com variações do mesmo refrão: “Ai! Ai da grande cidade” (10,16,19). Depois, três categorias dos dependentes de Deus (santos, apóstolos e profetas) são convidados a exultarem sobre a meretriz caída (20). Agora, as lamentações:
ΠOs reis lamentam sobre a meretriz (18:9-10)
18:9 – Ora, chorarão e se lamentarão sobre ela os reis da terra, que com ela se prostituíram e viveram em luxúria, quando virem a fumaceira do seu incêndio
Ora, chorarão e se lamentarão sobre ela os reis da terra... quando virem a fumaceira do seu incêndio: Os mesmos reis que odiavam a meretriz e contribuíram à destruição dela (17:16) agora lamentam a queda da Babilônia. Apesar de detestar a meretriz que os dominava (17:18), eles viviam do comércio gerado pela luxúria dela. A destruição da meretriz teria um impacto econômico muito negativo para os países comerciantes.
18:10 – e, conservando-se de longe, pelo medo do seu tormento, dizem: Ai! Ai! Tu, grande cidade, Babilônia, tu, poderosa cidade! Pois, em uma só hora, chegou o teu juízo.
E, conservando-se de longe, pelo medo do seu tormento: As nações participaram dos lucros, e até dos erros, mas não querem se envolver na hora do castigo.
Dizem: Ai! Ai! Tu, grande cidade, Babilônia, tu, poderosa cidade! Pois, em uma só hora, chegou o teu juízo: A poderosa cidade que dominava os reis do mundo recebe a justa recompensa por seu erro. O juízo de Deus chega repentinamente, tomando a orgulhosa meretriz de surpresa.
 Os mercadores lamentam sobre a meretriz (18:11-17a)
18:11 – E, sobre ela, choram e pranteiam os mercadores da terra, porque já ninguém compra a sua mercadoria,
E, sobre ela, choram e pranteiam os mercadores da terra, porque já ninguém compra a sua mercadoria: Confirmação do motivo egoísta da tristeza das nações! Não choraram por amor de Roma, e sim por perda de lucros! O egoísmo e o materialismo são características de pessoas carnais. Roma mostrou este mesmo espírito, e os sujeitos que participavam da prostituição dela, também, se mostraram carnais. “Mercadores” vem de uma palavra que sugere atacadistas, aqueles que transportaram mercadoria de longe para vender em grandes quantidades.
18:12-14 – mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho finíssimo, de púrpura, de seda, de escarlata; e toda espécie de madeira odorífera, todo gênero de objeto de marfim, toda qualidade de móvel de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro e de mármore;
13 e canela de cheiro, especiarias, incenso, ungüento, bálsamo, vinho, azeite, flor de farinha, trigo, gado e ovelhas; e de cavalos, de carros, de escravos e até almas humanas.
14 O fruto sazonado, que a tua alma tanto apeteceu, se apartou de ti, e para ti se extinguiu tudo o que é delicado e esplêndido, e nunca jamais serão achados.
Mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas...: Esta lista de produtos mostra a extrema riqueza da meretriz. Consumia todo tipo de mercadoria de luxo, até escravos. A opulência de Roma levou a cidade ao exagero de um consumismo desenfreado, e as nações exportadoras lucraram com isso.
A lista de mercadoria nestes versículos é paralela, embora mais resumida, à lista de Ezequiel 27 e 28. Aquela profecia falou da mercadoria comprado por Tiro, um porto que controlava, na sua época, uma boa parte do comércio do Mediterrâneo. Os produtos citados vêm de diversos países em continentes diferentes. Roma, na época do Apocalipse, controlava o comércio no mar Mediterrâneo e, com isso, uma boa parte dos negócios entre os continentes da Ásia, África e Europa. A palavra traduzida “mercadoria” normalmente indica frete de um navio.
Estes versículos reforçam a interpretação da meretriz como símbolo de Roma e sua vida comercial e materialista.
Nunca jamais serão achados: Depois de gerações de luxo, Roma não teria mais o domínio comercial e a facilidade de obter estas mercadorias. Perderia poder e prosperidade e, como conseqüência, sua capacidade de satisfazer seus próprios apetites.
18:15-17a – Os mercadores destas coisas, que, por meio dela, se enriqueceram, conservar-se-ão de longe, pelo medo do seu tormento, chorando e pranteando,
16 dizendo: Ai! Ai da grande cidade, que estava vestida de linho finíssimo, de púrpura, e de escarlata, adornada de ouro, e de pedras preciosas, e de pérolas,
17 porque, em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza!
Os mercadores destas coisas, que, por meio dela, se enriqueceram, conservar-se-ão de longe, pelo medo do seu tormento, chorando e pranteando, dizendo Ai! Ai da grande cidade: Os mercadores, como os reis (18:10), ficam longe da meretriz e repetem o refrão de lamentação: “Ai! Ai da grande cidade!”
Que estava vestida de linho finíssimo, de púrpura...: A descrição da meretriz (17:4). Agora ele deixa claro o significado, frisando a prosperidade e materialismo da cidade.
Porque, em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza: A Babilônia tinha tudo, e se achava superior a todos. Agora, pela declaração de Deus, perde tudo.
Ž Os pilotos lamentam sobre a meretriz (18:17b-19):
18:17b – E todo piloto, e todo aquele que navega livremente, e marinheiros, e quantos labutam no mar conservaram-se de longe.
E todo piloto, e todo aquele que navega livremente, e marinheiros, e quantos labutam no mar conservaram-se de longe: Já observamos a importância do poder de Roma sobre o mar Mediterrâneo. As economias de nações dependiam do comércio com Roma e, por isso, os reis lamentaram (18:9-10). Os mercadores dependiam deste comércio, dando-lhes motivo para chorar (18:11-17). Os pilotos, também, dependiam do transporte de mercadoria. Mas, como os outros, eles ficam longe na hora do castigo da grande cidade, porque não querem sofrer com ela.
18:18 – Então, vendo a fumaceira do seu incêndio, gritavam: Que cidade se compara à grande cidade?
Então, vendo a fumaceira do seu incêndio, gritavam: Que cidade se compara à grande cidade?: As palavras de blasfêmia de novo! Os aliados do diabo se exaltaram diante dos homens tanto que os habitantes da terra acreditavam, por um tempo, nas suas arrogantes afirmações (cf. os comentários sobre Miguel e a besta do mar em 13:4, lição 22). Mas o motivo desta arrogância sumiu numa nuvem de fumaça subindo da cidade!
18:19 – Lançaram pó sobre a cabeça e, chorando e pranteando, gritavam: Ai! Ai da grande cidade, na qual se enriqueceram todos os que possuíam navios no mar, à custa da sua opulência, porque, em uma só hora, foi devastada!
Lançaram pó sobre a cabeça e, chorando e pranteando, gritavam: Uma cena igual à lamentação dos pilotos quando Tiro caiu (Ezequiel 27:27-32). Lançar pó sobre a cabeça mostra angústia e tristeza (Jó 2:12; Ezequel 27:30).
Ai! Ai da grande cidade: O terceiro refrão destas lamentações.
Na qual se enriqueceram todos os que possuíam navios no mar, à custa da sua opulência, porque, em uma só hora, foi devastada!: O motivo dos pilotos, como o dos mercadores, é egoísta. Nada de tristeza pela meretriz. Eles choram porque perderam os seus contratos como transportadores.
A Exultação dos Santos (18:20):
Os reis, mercadores e pilotos podem lamentar, mas a queda da Babilônia é ocasião de alegria para os servos do Senhor!
18:20 – Exultai sobre ela, ó céus, e vós, santos, apóstolos e profetas, porque Deus contra ela julgou a vossa causa.
Exultai sobre ela, ó céus, e vós, santos, apóstolos e profetas, porque Deus contra ela julgou a vossa causa: Os habitantes da terra podem lamentar, mas os que habitam no céu celebram a vitória! A causa dos fiéis foi o assunto das orações dos santos (5:8; 8:4) e das petições das almas debaixo do altar no quinto selo (6:9-11). Santos, apóstolos e profetas foram perseguidos e oprimidos por aqueles que habitam sobre a terra. A queda da Babilônia, a meretriz que bebera o sangue dos santos (17:6), foi um passo importante na direção da vindicação total da causa dos servos do Senhor.
A Derrota Total da Babilônia (18:21-24)
A primeira vez que a palavra Babilônia aparece no Apocalipse foi para anunciar a queda dela (14:8). A última vez que aparece (18:21) é para declarar a sua derrota total e final.
18:21 – Então, um anjo forte levantou uma pedra como grande pedra de moinho e arrojou-a para dentro do mar, dizendo: Assim, com ímpeto, será arrojada Babilônia, a grande cidade, e nunca jamais será achada.
Então, um anjo forte levantou uma pedra como grande pedra de moinho e arrojou-a para dentro do mar: Foi um anjo forte que procurou alguém para abrir o livro e revelar a vontade de Deus (5:2). Foi um anjo forte que desceu do céu e jurou que o mistério de Deus seria cumprido (10:1-7). Agora, um anjo forte joga a grande pedra no mar, declarando a finalidade do castigo previsto. Jesus usou a figura de lançar alguém no mar com uma grande pedra de moinho pendurada no pescoço para descrever a morte (Mateus 18:6; Marcos 9:42). Este ato simbólico do anjo declara a morte, a derrota total, da meretriz.
Assim, com ímpeto, será arrojada Babilônia, a grande cidade, e nunca jamais será achada: Em relação à interpretação literal ou figurada desta profecia, leia os comentários sobre 18:2. Da mesma maneira que entendemos as profecias sobre a Babilônia histórica, aceitamos estas profecias sobre a destruição da Babilônia simbólica. O ponto não é a forma do castigo, mas sua certeza. Ela afirmou, na sua arrogância, que nunca veria pranto (18:7). Deus declara que ela nunca será vista, e nunca verá a vida! A Babilônia foi jogada no mar e se afundou. Jamais levantará a sua mão contra os servos do Senhor. Compare a profecia sobre a Babilônia antiga em Jeremias 51:63-64.

O estado de morte da meretriz é descrito nas figuras nos versículos seguintes. É uma cidade morta. Não há nela os sons de festa, nem os sons do trabalho de fábricas, nem de produção de alimentos; não há luz, pois a cidade se escureceu. O que acha é apenas o sangue dos santos, motivo da morte da meretriz.
18:22 – E voz de harpistas, de músicos, de tocadores de flautas e de clarins jamais em ti se ouvirá, nem artífice algum de qualquer arte jamais em ti se achará, e nunca jamais em ti se ouvirá o ruído de pedra de moinho.
E voz de harpistas, de músicos, de tocadores de flautas e de clarins jamais em ti se ouvirá: A festa acabou! A alegria da música, característica de uma cidade de luxúria e prosperidade, cessou. A Babilônia nunca voltaria a ter a mesma alegria.
Nem artífice algum de qualquer arte jamais em ti se achará: A cidade era um centro de atividade comercial, mas agora pararam para sempre as atividades de artesanato e produção.
Nunca jamais em ti se ouvirá o ruído de pedra de moinho: Nenhum barulho de produção de alimentos. O silêncio da morte toma conta da cidade.
18:23-24 – Também jamais em ti brilhará luz de candeia; nem voz de noivo ou de noiva jamais em ti se ouvirá, pois os teus mercadores foram os grandes da terra, porque todas as nações foram seduzidas pela tua feitiçaria.
24 E nela se achou sangue de profetas, de santos e de todos os que foram mortos sobre a terra.
Também jamais em ti brilhará a luz de candeia: Mais um sinal de uma cidade morta. Nenhum som e nenhuma luz.
Nem voz de noivo ou de noiva jamais em ti se ouvirá: O casamento sempre é um sinal de esperança, de planos para o futuro (Mateus 24:38). Mas a Babilônia não tem futuro; não terá nela as vozes de noivos.
Pois os teus mercadores foram os grandes da terra: A Babilônia foi exaltada e exercia poder e influência sobre os outros. Os motivos do castigo dela são resumidos em dois pontos:
Œ Porque todas as nações foram seduzidas pela tua feitiçaria: A meretriz seduziu as nações, que participaram com ela na sua prostituição. Este envolvimento dos povos com a Babilônia foi um dos pontos principais deste capítulo.
 E nela se achou sangue de profetas, de santos e de todos os que foram mortos sobre a terra: Mais uma vez, ele volta ao motivo maior do castigo de Roma. Perseguia os santos e se embriagou com o sangue deles (17:6). Deus castiga a Babilônia como ato de justiça, trazendo a merecida vingança pela perseguição do povo do Senhor. A súplica do quinto selo está sendo respondida!
Conclusão
O anjo de Deus desceu do céu e declarou: “Caiu! Caiu a grande Babilônia” (18:2). Seguiu-se o coro dos habitantes da terra lamentando a queda da grande meretriz. Os reis, os mercadores e os marinheiros repetiam o mesmo refrão: “Ai! Ai da grande cidade” (18:10,16,19). A cena final deste capítulo descreve a cidade, antigamente grande e ativa, tomada pelo silêncio de uma tumba. A Babilônia, por se exaltar e por se colocar em oposição a Deus, foi jogada no mar e totalmente derrotada pelo Senhor. E os santos, os fiéis que não cederam às pressões da perseguição, celebraram a vitória da justiça divina.

Perguntas
1. Quais características do anjo de 18:1-2 salientam sua posição como mensageiro de Deus? 
2. Quem participou do pecado da Babilônia? 
3. O que os santos precisavam fazer para escaparem do castigo da meretriz? 
4. Como mudaria a situação da Babilônia de um dia para outro (considere, especialmente, 18:7-8, 22-23)? 
5. Quais três grupos lamentam a queda da Babilônia?
               a. Qual “refrão” é repetido por todos estes grupos?
               b. Qual foi a relação de cada grupo com a grande cidade? 
6. Quem celebrou com alegria a queda da Babilônia? Por quê? 
7.  17:16 atribui a devastação da Babilônia à besta e aos dez chifres (reis subordinados), mas 18:21 diz que um anjo forte acabou com a grande cidade. Como podemos reconciliar estas duas afirmações? 
8. Qual a relação do capítulo 18 com o quinto selo?

A Última Babilônia

Da mesma maneira que a profecia de Apocalipse 13 revela detalhes que não se vê a simples vista em Daniel 7 e 8, existe outra profecia no capítulo dezessete do Apocalipse, a qual ampliará e confirmará o que vimos até o momento de maneira contundente.

No capítulo 1 deste nosso estudo lemos rapidamente a passagem de Apocalipse 14:6-16 onde, através de diversos símbolos, apresentava-se a mensagem do Evangelho eterno sendo pregado a todas as nações. Dentro do mesmo vimos que estavam incluídos três mensagens especiais: O anúncio da chegada do juízo de Deus, a queda de Babilonia e a advertência na contramão da besta e sua imagem (vers. 7-9). Até o momento vimos com clareza todo o referente à terceira mensagem e a estas alturas já devemos estar na capacidade de identificar as entidades e eventos aqui representados. No presente capítulo enfocaremos nossa atenção na segunda mensagem, o qual nos fala de Babilonia e sua posterior queda:

"Veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo: «Vem cá e te mostrarei a sentença contra a grande prostituta, a que está sentada sobre muitas águas. Com ela fornicaram os reis da terra, e os habitantes da terra se têm embriagado com o vinho de sua fornicação». Levou-me no Espírito ao deserto, e vi a uma mulher sentada sobre uma besta escarlata cheia de nomes de blasfemia, que tinha sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida de púrpura e escarlata, enfeitada de ouro, pedras preciosas e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio de abominações e da imundicie de sua fornicação. Em sua fronte tinha um nome escrito, mistério: «Babilonia a grande, a mãe das prostitutaes e das abominações da terra . Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesús. Quando a vi fiquei assombrado com grande assombro" (Apocalipse 17:1-6).
A profecia fala de uma mulher chamada Babilonia, e diz que ela está sentada sobre a besta de sete cabeças e dez chifres. Que tem que A ver com o império católico nascido no ano 380 d.C., e com Babilonia, império destruído no 539 a.C. pelos Medo-Persas?
Alguns intérpretes, procurando conciliar esta aparente incoerência, afirmam que aqui se está falando do império antigo de Babilonia e que a besta mencionada nesta passagem não é a mesma besta de Apocalipse 13 senão que faz referência ao dragão de Apocalipse 12. Baseiam-se no seguinte
A besta desta passagem tem sete cabeças e dez cornos, o dragão de Apocalipse 12 também (compare Apocalipse 17:3 e Apocalipse 12:3).
A besta desta passagem é de cor escarlata (vermelho vivo), o dragão de Apocalipse 12 também (compare Apocalipse 17:3 e Apocalipse 12:3).
Desta maneira (dizem eles) desaparece o problema, pois Babilonia, e igual que os demais impérios da antigüidade, foram manejados pelo dragão, símbolo de Satanás.[a Babilonia, então seria, neste caso, uma das sete cabeças daquele grande dragão.
No entanto, é necessário ressaltar que a este último não se lhe chama "besta" em nenhuma parte da Escritura e que a cor não é um argumento definitivo, pois as palavras gregas usadas nestas passagens não são as mesmas; pois uma significa literalmente "escarlata" ou "vermelho" e a outra significa simplesmente "vermelho" ou "cor de fogo".[b
É um fato comprovado que a besta que aparece na passagem que estamos estudando é a mesma primeira besta que aparece em Apocalipse 13 . Uma análise comparativa o demonstra:

Apocalipse 13.
Apocalipse 17.
"Aqui há sabedoria. O que tem entendimento..." (v. 18).
"Isto, para a mente que tenha sabedoria..." (v. 9).
"Vi subir do mar uma besta..." (v. 1).
"Vi... uma besta escarlata..." (v. 3).
"Vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres" (v. 1).
"Vi... uma besta escarlata... que tinha sete cabeças e dez chifres" (v. 3).
"...sobre suas cabeças, nomes de blasfemia" (v.  1).
"...sobre uma besta escarlata cheia de nomes de blasfemia" (v. 3).
"...toda a terra se maravilhou após a besta" (v. 3).
"Os habitantes da terra... se assombrarão vendo a besta..." (v. 8).
"...todos os habitantes da terra cujos nomes não estavam escritos desde o princípio do mundo no livro da vida do Cordeiro" (v. 8).
"Os habitantes da terra, aqueles cujos nomes não estão  escritos no livro da vida desde a fundação do mundo..." (v. 8).
"...a besta que foi ferida de espada e reviveu" (v. 14).
"A besta que viste era e não é, e está para subir do abismo e ir a perdição" (v. 8).

Observe que ambos capítulos compartilham a mesma descrição: Afirmam que para poder encontrar a identidade da besta se requer sabedoria especial. Atribuem o nome "besta" a este poder. Dizem que esta besta tem sete cabeças e dez chifres. Revelam que a besta tem nomes de blasfemia. Fazem ênfase no maravilhoso poder e influência desta no mundo inteiro. Fazem alusão ao fato de que os que adoram à besta não estão escritos no livro da vida do Cordeiro e relatam a queda da mesma e sua posterior ressurreição.[c] As similitudes existentes entre os dois capítulos demonstram, sem lugar a dúvidas, que a besta de Apocalipse 13 é a mesma besta de Apocalipse 17. [d
Nos fica a pergunta: Se a besta desta passagem representa ao papado, por que razão aparece Babilonia sentada sobre ela, como se se tratasse de um ginete montando seu cavalo? O primeiro que devemos ter em conta é que o Apocalipse é um livro simbólico e que aqui Babilonia é só uma representação, já que aparece relacionada diretamente com os eventos finais da história deste mundo (o Evangelho eterno a todas as nações).
Para saber que representa Babilonia, é necessário ter em conta que ela compartilha todos os atributos da besta de Apocalipse 13, como se se tratasse de uma mesma entidade. Vejamos alguns detalhes adicionais tomados do mesmo capítulo 17:
"Veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo: «Vem cá e te mostrarei a sentença contra a grande prostituta, a que está sentada sobre muitas águas... Também me disse: «As águas que viste, onde se senta a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas... E a mulher que viste é a grande cidade que reina sobre os reis da terra»... Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesús. Quando a vi fiquei assombrado com grande assombro"  (Apocalipse 17:1,15,18,6).
Observe que a mulher aparece "sentada" sobre "povos, multidões, nações e línguas". Apocalipse 13:7 diz o mesmo da besta: "se lhe deu autoridade sobre toda tribo, povo, língua e nação".
Note, também, que a mulher é igualmente uma "cidade" a qual "reina sobre os reis da terra". No sexto capítulo deste livro vimos que foi a besta a que reinou sobre os reis da terra em tempos da Idade Média e que sua sede se estabeleceu na cidade de Roma.
A mulher, diz o versículo 6, está "embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesús". Apocalipse 13:7 diz que é a besta que fez guerra contra os santos e os venceu.
Todo o anterior nos convence de que a mulher não é uma entidade diferente à besta senão pelo contrário, é um dos componentes deste poder , que por alguma razão nos foi ocultado em Apocalipse 13 . E quais são os dois componentes que deram origem ao papado? Recordemos:
"No ano 380 mediante o  Edital de Tesalonica, decretou-se a proibição do arrianismo no Oriente, e a doutrina ortodoxa de Atanasio foi convertida em religião do Estado. Nascia assim o Catolicismo".[e
A besta de Apocalipse 13 surgiu graças à união do poder civil e o poder religioso (Igreja + Estado), por tanto, Babilonia deve representar a algum destes dois. Leia você mesmo as seguintes passagens e tente deduzir quem é quem:
"Isto, para a mente que tem sabedoria: As sete cabeças são sete montes sobre os quais se assenta a mulher, e são sete reis... Também me disse: «As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas" (Apocalipses 17:9,10,15).
Fácil não é verdade? As passagens são claras ao indicar que a mulher está sentada sobre reis e nações, os quais constituem o poder civil (Estado). Por tanto a mulher deve representar, sem dúvida alguma, ao poder religioso (Igreja). Este é um fato amplamente confirmado em outras passagens. Vejamos dois exemplos:
"Gozemo-nos, alegremo-nos e dêmos-lhe glória, porque chegaram as bodas do Cordeiro e sua esposa se preparou. E a ela se lhe concedeu que se vista de linho fino, limpo e resplandecente, pois o linho fino significa as ações justas dos santos " (Apocalipses 19:7-8).
"Por isto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, se unirá a sua mulher e os dois serão uma só carne. Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja ". (Efesios 5:31-32).
Não obstante, devemos ter em conta que esta mulher não aparece unida a Cristo senão aos "reis da terra". Babilonia representa, sem lugar a dúvidas, à Igreja cristã que, com o fim de receber legados e honras do Império Romano, apostatou da verdade. A profecia afirma: "A mulher estava vestida de púrpura e escarlata, enfeitada de ouro, pedras preciosas e pérolas". É impressionante ver como esta descrição coincide perfeitamente com a realidade daqueles escuros anos.

A Bíblia repetidas vezes compara ao povo de Deus que abandonou a verdade e ido em pos de outras crenças, com uma mulher infiel ou prostituta. As seguintes afirmações, feitas por Deus mesmo, são exemplo disso:

 "Não te alegres, Israel, não saltes de gozo como outros povos, pois fornicaste ao apartar-te de teu Deus. Amaste o salário de prostitutas em todas as eras de trigo" (Oseas 9:1)
 "Mas como a esposa infiel abandona a seu esposo, assim vos levantastes contra mim, casa de Israel, diz Jehová" (Jeremías 3: 20).
O vinho que embriaga às nações
No capítulo 5 vimos que quando a Igreja quis valer-se do Estado para legislar em assuntos religiosos, o resultado foi a incorporação de falsas doutrinas no seio da cristiandade. Esta verdade é também confirmada por Apocalipse 17. Analisemos a seguinte passagem:
"Com ela prostituiram os reis da terra, e os habitantes da terra se têm embriagado com o vinho de sua prostituição" (Apocalipse 17:2).

Este texto deixa claro que o vinho, o qual surgiu como conseqüência da união ilícita da igreja com os reis da terra, embriagou ao mundo inteiro. Que representa este vinho? O versículo 4 nos dá uma pista:

"A mulher estava vestida de púrpura e escarlata, enfeitada de ouro, pedras preciosas e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio de abominações e da imundicie de sua prostituição" (Apocalipse 17:4).
A mulher leva o vinho no cálice que tem em sua mão, e segundo esta passagem, o vinho consiste em abominações A que coisas chama a Bíblia abominações?  Leiamos:
"10 Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. Perfeito serás para com o Senhor teu Deus." (Deuteronomio 18:10-13).
"Maldito o homem que faça uma escultura ou uma imagem de fundição, coisa abominável para Jehová, obra de mãos de artífice, e a ponha em lugar oculto. E todo o povo responderá: Amém" (Deuteronomio 27:15).
"E levou-me para o átrio interior da casa do Senhor; e eis que estavam à entrada do templo do Senhor, entre o pórtico e o altar, cerca de vinte e cinco homens, de costas para o templo do Senhor, e com os rostos para o oriente; e assim, virados para o oriente, adoravam o sol. Então me disse: Viste, filho do homem? Acaso é isto coisa leviana para a casa de Judá, o fazerem eles as abominações que fazem aqui?" (Ezequiel 8:16-17).
"Por tanto, Assim disse Jehová, o Senhor: porquanto te esqueceste de mim e me jogaste a tuas costas, por isso, leva tu também tua luxúria e tuas fornicações. E me disse Jehová: filho de homem, Não julgarás tu a Ahola e a Aholiba, e lhes denunciarás suas abominações? Porque adulteraram e há sangue em suas mãos. Fornicaram com seus ídolos, e ainda a seus filhos que tinham dado a luz para mim, fizeram passar pelo fogo, queimando-os. Ainda me fizeram mais: contaminaram meu santuário naquele dia e profanaram  os meus sábados" (Ezequiel 23:35-38).
"O que desvia seu ouvido de não ouvir a lei, até sua oração é abominável" (Provérbios 28:9).
O fato de que a igreja romana lhe tenha dado as costas à Lei de Deus e tenha incorporado ao cristianismo doutrinas dos povos pagões, fez que com justiça nosso Senhor Jesu Cristo lhe chame "Babilonia a grande".
Você se perguntará: E por que esse nome? A resposta é simples: Porque Babilonia foi o berço da religião falsa. Foi ali onde Nimrod, bisnieto de Noé, revelou-se na contramão de Deus iniciando, junto com sua esposa Semiramis, o culto ao sol, a lua e as estrelas.[f] Foi ali onde se instituiu o primeiro dia da semana (domingo) e o solstício de inverno (25 de dezembro), como dias consagrados ao deus sol. Foi ali onde se inventou a hóstia e nasceu a crença da transubstanciación. Foi ali onde nasceu o culto aos mortos, a doutrina do limbo e do purgatório. Foi ali onde se fez a primeira imagem de escultura e se levou em procissão.[g
Apocalipse 17:5 nos declara que Babilonia é "a mãe das prostitutas", o que indica que não está só e que tem filhas que seguem seus mesmos passos. É triste ter que reconhecer que a grande maioria de igrejas que se dizem protestantes, uniram-se com Babilonia ao sacrificar parte da verdade, acomodando-se a doutrinas e tradições que não têm nenhum apoio na Palavra de Deus.[h
Fica confirmado, pois, que o vinho que a mulher leva em sua mão é uma representação das falsas doutrinas com as que tem enganados à grande maioria dos habitantes da terra.[i
A identidade das sete cabeças da besta
Ainda que já vimos que as cabeças fazem alusão ao poder civil, é significativo ter em conta a segunda aplicação que a profecia faz das mesmas:
"Me levou no Espírito ao deserto, e vi a uma mulher sentada sobre uma besta escarlata cheia de nomes de blasfemia, que tinha sete cabeças e dez chifres... Isto, para a mente que tem sabedoria: As sete cabeças são sete montes sobre os quais se assenta a mulher" (Apocalipse 17:3,9).

O texto diz com clareza evidente que as sete cabeças da besta representam a sete montes sobre as quais está sentada a mulher (Tenha-se em conta que aqui os montes não são o símbolo, são o real significado dado pelo anjo). Isto quer dizer, que a Igreja deve ter sua sede num lugar onde fisicamente existem sete montes. Cumpre a Igreja Romana(Vaticano) com esta característica geográfica? Leiamos:

"Roma,... Residência do Papa... centro do papado e do mundo cristão... a capital dos papas".[j
"Lutero... vislumbrou... a cidade das sete colinas. Com profunda emoção, caiu de joelhos e, levantando as mãos para o céu, exclamou: ¡Salve Roma santa!".[k
"Foi quando acostumava orar assim e quando estava nesse ânimo de confiança total em María que JOÃO PAULO II teve... sua única visão sobrenatural das coisas futuras... Foi como se ele tivesse estado presente a Fátima... O que estes espectadores viram e registraram no lugar é o que JOÃO PAULO II viu nos céus luminosos do Lacio sobre as sete colinas de Roma, em agosto de 1981".[l
Os sete montes sobre os quais está situada Roma são: Palatina, Capitolina, Quirinal, Viminal, Esquilina, Celia e Aventina.[m
Quando estudamos a respeito do chifre pequeno dissemos que este representava um poder romano devido a que surgiu da cabeça da quarta besta.[n O fato de que em Apocalipse 17, a besta e suas cabeças sejam claramente identificadas com Roma, é uma confirmação mais de do que verdadeiramente o papado é o poder assinalado pela profecia.
Conclusões
A besta de Apocalipse 17 é a mesma primeira besta de Apocalipse 13
. A Bíblia compara ao povo de Deus que tem apostatado e ido após falsas crenças, com uma mulher infiel ou prostituta.
O vinho com o que a mulher embriaga aos habitantes da terra são suas falsas e acomodadas doutrinas.
A igreja romana recebe o nome de "Babilonia" devido a que a religião daquela antiga civilização foi assimilada por ela.
As sete cabeças da besta também representam sete montes sobre as quais está assentada a mulher. Roma é mundialmente conhecida como "a cidade das sete colinas".
Ainda que em profecia os montes representam impérios mundiais (Daniel 2:35,44), esta regra não pode aplicar-se neste caso, pois aqui os montes não são o símbolo senão o significado (Apocalipse 17:9).
"A diferença principal entre a besta de Apocalipse 13 e a de Apocalipse 17 é que na primeira, que se identifica com o papado, não se faz distinção entre os aspectos religioso e político do poder papal, enquanto na segunda os dois são diferentes: a besta e a mulher representam ao poder político e religioso respectivamente".



Fonte:
http://www.estudosdabiblia.net
http://www.jesusvoltara.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!.EU SOU MARCIO DE MEDEIROS-PROF.DO SETEF,SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.JESUS TE AMA E MORREU POR VOÇÊ!!!.
TEMOS,1 SITE DESTINADO A CULTURA GERAL , OUTRO SITE DESTINADO À ASSUNTO BÍBLICOS E UM OUTRO SITE DESTINADO À ENTRETENIMENTO,TEMOS:JOGOS,FILMES,DESENHOS ETC.USE OS LINKS ABAIXO PARA VISITAREM OS SITES.TEMOS 3 SITES E 1 BLOG.BOM PROVEITO!.

https://sites.google.com/
http://www.prof-marcio-de-medeiros.webnode.com/
http://profmarcio.ucoz.com