CONTADOR DE VISITAS

contador de acessos

Funk Gospel- Novas 2016-2017

FUNK E NOVO SOM

funk gospel e infantil

MX GOSPEL

HINOS JUDAICOS E ROMANTICAS

FUNK GOSPEL- VARIOS

MUSICAS MESSIANICAS

MELODY E VARIAS

VIDEO DO POKEMON

ESTUDO-INFERNO

Jogos para voce

ORIENTE MÉDIO

TURMINHA DA GRAÇA E MIDINHO

OS TRAPALHOES E A PRINCESA XUXA

Os trapalhoes-vol. 2

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAPOLIN

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAVES

DE GRAÇA RECEBESTE, DE GRAÇA DAI!!!!.

DE GRAÇAS RECEBESTES,DE GRAÇA DAI-MT10.8

ESTUDO-Jo 3.16

ESTUDO SOBRE ADORAÇÃO

INFANTIL

HINOS JUDAICOS

FUNK GOSPEL E ROMANTICAS 03

JOGO DE PERGUNTAS BÍBLICAS

CLIQUE PARA RESPONDER AS PERGUNTAS Coloque este widget em seu blog

FUTEBOL COM CARROS

JOGO ATIRE NAS GARRAFAS

JOGO DA BALEIA

JOGO DA BALEIA

Jogo pac man

JOGO BASKET

JOGO blast

JOGO MAGNETO

JOGO DE CORRIDA

Corrida Bíblica–o game

JOGO DA VELHA 02

Mais Jogos no Jogalo.com JOGO DA VELHA 02

JOGO BÍBLICO DE PERGUNTAS

Noticias g1

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS 02

LEITURA EM INGLÊS 02

NOVO SOM E DIVERSOS

funk gospel e musica judaica 02

ROMANTICASM JUDAICA E FUNK GOSPEL

RELÓGIO COM MENSAGEM

ROMANTICAS E FUNK GOSPEL

ROMANTICAS E FUNK GOSP. 02

ROMANTICAS GOSPEL

FUNK GOSPEL 25

FUNK GOSPEL 24

FUNK GOSPEL23

FUNK GOSPEL 22

FUNK GOSPEL 21

funk gospel 20

FUNK 19

/>

funk gospel 18

FUNK GOSPEL 16

FUNK GOSPEL 15

FUNK GOSPEL 14

GOSPEL FUNK 17

Prof. Marcio de Medeiros--ESTUDO SOBRE O INFERNO

NOTICIAS DE CONCURSOS

BEM ESTAR -GNT

FILME-A ÚILTIMA BATALHA

BATE PAPO CRISTÃO

Qual é a sua avaliação sobre este blog?

Formulario de autoresposta


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


NOVO SOM-ROMANTICAS

FUTEBOL 03

Placares oferecidos por futebol.com

FUTEBOL 04

Tabela futebol Brasileirão Serie A oferecida por Futebol.com

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF-SEMINARIO TEOLÓGICO FILADÉLFIA-J. BOM PASTOR-BELFORD ROXO-RJ

CAIXA DE CURTI FANPAGE

CUMPRIMENTO AO VISITANTE

link me

Prof Marcio de Medeiros

Por favor coloque este codigo em seu site ou blog e divulgue o nosso blog

NOTÍCIAS RIO

REDECOL NOTICIAS




NOTICIAS

G1 NOTICIAS

G1 NOTICIAS

MENTE MILIONARIA

MENTE MILIONARIA-COMO SER BEM SUCEDIDO FINANCEIRAMENTE
CLIQUE E ASSISTA!!!!

PROP. DA PAGINA NO FACE04

BUSCA DE EMPREGOS

BATIDAO GOSPEL 10

FUNKS DIVERSOS 11

BATIDÃO GOSPEL12

FUNK GOSPEL 13

Batidao 09

BATIDAO 08

BATIDÃO 07

BATIDÃO GOSPEL 06

BATIDÃO GOSPEL 3

BATIDÃO GOSPEL 4

BATIDÃO GOSPEL 07

BATIDÃO GOSPEL

BATIDÃO GOSPEL 2

BATIDAO GOSPEL 05

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE

SITE DE ENTRETENIMENTO

UTILITARIOS EM GERAL

CALENDARIO E JESUS

CALENDÁRIO E PAISAGEM

musicas do c.c e da harpa

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 03

BANNER DO SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ENTRETENIMENTO

MENSAGEM PARA VOÇÊ 2

SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ASSUNTOS BÍBLICOS

SITE DE CULTURA

DESENHO DA CRIAÇÃO E DE NOÉ

DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A ARCA DE NOÉ-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO SOBRE JOSUÉ

DESENHO SOBRE JOSUÉ-CLIQUE PARA ASSISTIR.

DESENHO SOBRE MOISÉS

DESENHO SOBRE MOISÉS-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO-O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS-CLIQUE PARA ASSSITIR

FILME-INFERNO EM CHAMAS

FILME O INFERNO EM CHAMAS

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 02

DA LINK SA PAG.DO FACE DO BLOG

AULA DE BIBLIOL.SETEF-07/05/13

AULA DE BIBLIOLOGIA-DATA:07/05/13- MINISTRADA DO SEMINARIO SETEF

Pag do facebook 02

terça-feira, 3 de setembro de 2013

535-LIÇÃO 03-O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO




LIÇÃO 3 – O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO




        CLIQUE NOS VIDEOS PARA ASSISTIR

LIÇÃO 3 – O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO




TEXTO ÁUREO
"Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho" (Fp 1.27).

 VERDADE PRÁTICA
O Evangelho de Cristo produz em cada crente um comportamento digno e santo diante de Deus e do mundo.


INTRODUÇÃO

Nesta lição, aprenderemos que muitas são as circunstâncias adversas que tentam enfraquecer o compromisso do crente com o Evangelho de Cristo. Veremos que o testemunho do cristão é testado tanto pelos de fora (sociedade) quanto pelos de dentro (igreja). Todavia, a Palavra do Senhor nos conclama a nos portarmos dignamente diante de Deus e dos homens.






I - O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)

1. O crente deve "portar-se dignamente". "Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo" (v.27). A palavra-chave desta porção bíblica é dignamente. Este termo sugere a figura de uma balança com dois pratos, onde o fiel da pesagem determina a medida exata daquilo que está sendo avaliado. Em síntese, precisamos de firmeza e equilíbrio em nossa vida cotidiana, pois esta deve harmonizar-se à conduta do verdadeiro cidadão dos céus.

2. Para que os outros vejam. O apóstolo Paulo deseja estar seguro de que os filipenses estão preparados para enfrentar os falsos obreiros que, sagazmente, intentam desviá-los de Cristo. Por isso fala do fato de estando ou não entre os filipenses, quer ouvir destes que estão num "mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho" (v.27).

3. A autonomia da vida espiritual. Os filipenses teriam de desenvolver uma vida espiritual autônoma em Jesus, pois o apóstolo nem sempre estaria com eles. Diante da sociedade que os cercava, Paulo esperava dos filipenses uma postura firme, mas equilibrada. Naquele momento a sociedade caracterizava-se por uma filosofia mundana e idólatra, na qual o imperador era o centro de sua adoração. Quantas vezes somos desafiados diante das vãs filosofias e modismos produzidos em nosso meio? O Senhor nos chama a ser firmes e equilibrados, testemunhando aos outros como verdadeiros cidadãos do céu.









II - O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30)

1. O ataque dos falsos obreiros. A resistência ao Evangelho vinha através de pregadores que negavam a divindade de Cristo e os valores ensinados pelos apóstolos. Paulo, porém, exorta os crentes de Filipos quanto à postura que deveriam adotar em relação a tais falsos obreiros (v.28).

2. O objetivo dos falsos obreiros. Os falsos obreiros queriam intimidar os cristãos sinceros. Eles aproveitavam a ausência de Paulo e de seus auxiliares para influenciar o pensamento dos filipenses e, assim, afastá-los da santíssima fé. Por isso, o apóstolo adverte para que os filipenses não se espantassem. De igual modo, não devemos temer os que torcem a sã doutrina. Guardemos a fé e falemos com verdade e mansidão aos que resistem a Palavra de Deus (1 Pe 3.15) “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós”.

3. Padecendo por Cristo. A Teologia da Prosperidade rejeita por completo a ideia do sofrimento. No entanto, a Palavra de Deus não apenas contradiz essa heresia, mas desafia o crente a sofrer por Cristo. É um privilégio para o cristão padecer por Jesus (v.29). Paulo compreendia muito bem esse assunto, pois as palavras de Cristo através de Ananias cumpriram-se literalmente em sua vida (At 9.16) “E eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome”. Por isso, os crentes filipenses aprenderam com o apóstolo que o sofrimento, por Cristo, deve ser enfrentado com coragem, perseverança e alegria no Espírito. Aprendamos, pois, com os irmãos filipenses.








III - PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)

1. O desejo de Paulo pela unidade. Depois de encorajar a igreja em Filipos a perseverar no Evangelho, o apóstolo começa a tratar da unidade dos crentes. Como a Igreja manterá a unidade se os seus membros forem egoístas e contenciosos? Este era o desafio do apóstolo em relação aos filipenses. Para iniciar o argumento em favor da unidade cristã, o apóstolo utiliza vocábulos carregados de sentimentos afetuosos nos dois primeiros versículos (2.1,2). Tais palavras opõem-se radicalmente ao espírito sectário e soberbo que predominava em alguns grupos da congregação de Filipos:
a) Consolação de amor, comunhão no Espírito e entranháveis afetos e compaixões. Cristo é o assunto fundamental dos filipenses. Por isso, a sua experiência deveria consistir na consolação mútua no amor de Deus e na comunhão do Espírito Santo, refletindo a ternura e a compaixão dos crentes entre si (cf. At 2.42ss.) “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações”.
b) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa. Quando o afeto permeia a comunidade, temos condições de viver a unidade do amor no Espírito Santo. O apóstolo Paulo "estimula os filipenses a se amarem uns aos outros, porque todos têm recebido este mesmo amor de Deus" (Comentário Bíblico Pentecostal, p.1290). Consolidada a unidade, a comunhão cristã será refletida em todas as coisas.

2. O foco no outro como em si mesmo. Vivemos numa sociedade tão individualista que é comum ouvirmos jargões como este: "Cada um por si e Deus por todos". Mas o ensinamento paulino desconstrói tal ideia. O apóstolo convoca os crentes de Filipos a buscar um estilo de vida oposto ao egoísmo e ao sectarismo dos inimigos da cruz de Cristo (2.3). No lugar da prepotência, deve haver humildade; no lugar da autossuficiência, temos de considerar os outros superiores a nós mesmos.

3. Não ao individualismo. Paulo ainda adverte: "Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros" (v.4). Esta atitude remonta a um dos ensinos mais basilares do Evangelho: "ama o teu próximo como a ti mesmo" (Mc 12.31; cf. At 2.42-47). Isto "rememora o exemplo de Paulo, de colocar as necessidades dos filipenses em primeiro lugar (escolhendo permanecer com eles, 1.25) e de procurar seguir o exemplo de Cristo de não sentir que as prerrogativas da divindade sejam 'algo que deva ser buscado' para os seus próprios propósitos" (Comentário Bíblico Pentecostal, p.1291).









CONCLUSÃO
Com a ajuda do Espírito Santo, podemos superar tudo aquilo que rouba a humildade e o relacionamento sadio entre nós. O Espírito ajuda-nos a evitar o partidarismo, o egoísmo e a vanglória (Gl 5.26) “Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros”. Ele produz em nosso coração um sentimento de amor e respeito pelos irmãos da fé (Fp 2.4) “Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros”. A unidade cristã apenas será possível quando tivermos o sentimento que produz harmonia, comunhão e companheirismo: o amor mútuo. O nosso comportamento como cidadãos dos céus deve ser conhecido pela identidade do amor (Jo 13.35) “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”.



_________________________

OBS: O tamanho original de cada slide é 28x19 cm, para manter as proporções e qualidades dos slides sugerimos alterar o tamanho do seu slide no PowerPoint em “Design” e depois “Configurar página”.

Referências

Revista Lições Bíblicas. FILIPENSESA humildade de Cristo como exemplo para a Igreja. Lição 3 – O comportamento dos salvos em Cristo. Texto áureo. Verdade prática. Introdução. I – O comportamento dos cidadãos do Céu (1.27). 1. O crente deve “portar-se dignamente”. 2. Para que os outros vejam. 3. A autonomia da vida espiritual. II – O comportamento ante a oposição (1.28-30). 1. Ataque dos falsos obreiros. 2. O objetivo dos falsos obreiros. 3. Padecendo por Cristo. III – Promovendo a unidade da igreja (2.1-4). 1. O desejo de Paulo pela unidade. A) Consolação de amor, comunhão no Espírito e entranháveis afetos e compaixões. B) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa. 2. O foco no outro como em si mesmo. 4. Não ao individualismo.  Conclusão. Editora CPAD. Rio de Janeiro – RJ. 3° Trimestre de 2013.

 
 
TEXTO ÁUREO
"Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de CRISTO, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho" (Fp 1.27).
 

VERDADE PRÁTICA
O Evangelho de CRISTO produz em cada crente um comportamento digno e santo diante de DEUS e do mundo.
 

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Fp 1.27-30 Um chamado ao Evangelho
Terça - Fp 2.1-4 Um chamado à unidade
Quarta - Jo 10.7-18 O chamado do Bom Pastor
Quinta - Sl 15 Um chamado à santidade
Sexta - Hb 4.14-16 Um chamado a confiar em CRISTO
Sábado - 1 Co 12.12 Em JESUS somos um.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Filipenses 1.27-30; 2.1-4
Filipenses 1.27-30
27 Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de CRISTO, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho. 28 E em nada vos espanteis dos que resistem, o que para eles, na verdade, é indício de perdição, mas, para vós, de salvação, e isto de DEUS. 29 Porque a vós vos foi concedido, em relação a CRISTO, não somente crer nele, como também padecer por ele, 30 tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e, agora, ouvis estar em mim.
 
Filipenses 2.1-4
1 Portanto, se há algum conforto em CRISTO, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no ESPÍRITO, se alguns entranháveis afetos e compaixões, 2 completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. 3 Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. 4 Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
 
1.27 NUM MESMO ESPÍRITO. A verdadeira essência da unidade do ESPÍRITO consiste em viver de modo digno (cf. Ef 4.1-3), permanecendo firme num só espírito e propósito (cf. Ef 4.3), combatendo lado a lado como guerreiros pela propagação e defesa do evangelho, segundo a revelação apostólica (v. 17; cf. Ef 4.13-15) e defendendo juntamente a verdade do evangelho contra aqueles que são "inimigos da cruz de CRISTO" (3.18). Observemos que "espírito", aqui, tem o sentido de disposição mental, ânimo, zelo, propósito, dedicação, diligência e não o espírito humano em si.
 
2.3 POR HUMILDADE. Devido ao egocentrismo inato do homem caído, o mundo não tem em alta estima a humildade e a modéstia. A Bíblia, no entanto, com seu conceito teocêntrico do homem e da salvação, atribui máxima importância à humildade.
(1) A humildade bíblica subentende a consciência das nossas fraquezas e a decisão de atribuir de imediato todo crédito a DEUS e ao próximo, por aquilo que realizamos (Jo 3.27; 5.19; 14.10; Tg 4.6).
(2) Devemos ser humildes porque somos simples criaturas (Gn 18.27); somos pecaminosos à parte de CRISTO (Lc 18.9-14) e não podemos jactar-nos de nada (Rm 7.18; Gl 6.3), a não ser no Senhor (2 Co 10.17). Logo, dependemos de DEUS para nosso valor e para nossa frutificação, e não podemos realizar nada de valor permanente sem a ajuda de DEUS e do próximo (Sl 8.4,5; Jo 15.1-16).
(3) A presença de DEUS acompanha aqueles que andam em humildade (Is 57.15; Mq 6.8). Maior graça é dada aos humildes, mas DEUS resiste aos soberbos (Tg 4.6; 1 Pe 5.5). Os mais zelosos filhos de DEUS servem "ao Senhor com toda a humildade" (At 20.19).
(4) Como crentes, devemos viver em humildade uns para com os outros, considerando-os superiores a nós mesmos (cf. Rm 12.3).
(5) O oposto da humildade é a soberba, um senso exagerado da importância e da auto-estima da pessoa que confia no seu próprio mérito, superioridade e realizações. A tendência inevitável da natureza humana e do mundo é sempre à soberba, e não à humildade (1 Jo 2.16; cf. Is 14.13,14; Ez 28.17; 1 Tm 6.17).
 
Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Filipenses - F. F. Bruce - Série Cultura Bíblica - SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA - São Paulo - SP - 12ª edição 2002 - resumo
EXORTAÇÃO À COMUNIDADE 1:27-30A mente de Paulo dirigiu-se à possibilidade de ver a comunidade Filipenses mais uma vez. O criticismo que se segue indica que Paulo decidiu dar conselhos diretos, mesmo em sua ausência forçada. Freqüentemente ele expressa o pensamento de sua presença pessoal com as igrejas, mesmo não podendo estar com elas, em pessoa (1 Co 5:3; Cl 2:5). No caso dos filipenses, ele tem em mente a necessidade de adverti-los contra o espírito sectário, e egoísta, e também oferecer-lhes algum encorajamento, no conflito que aparentemente estavam enfrentando. A ênfase paulina recai sobre a necessidade de unidade, humildade, e de cerrar fileiras contra os perigos externos que os ameaçam. Tudo isto é bem claro.
É razoável julgar que parte do problema dentro da igreja era a perda de confiança, em face do sofrimento não esperado. Em 2:14 há uma advertência contra “murmurações” e “contendas”. Ambos os termos indicam queixas e perplexidades à vista do que aconteceu à igreja, há pouco.
A descrição que Paulo faz de si mesmo, como mártir que se sacrifica em prol das igrejas, aumenta a agudez de seu apelo (2:17).
O principal ensino da resposta de Paulo é a demonstração de como os planos de DEUS incluem o sofrimento das igrejas (1:29), e como a natureza da vocação cristã recebeu seu modelo do próprio Senhor encarnado (2:6-11). Ele percorreu um caminho de auto-humilhação, rejeição e obediência até a morte, antes de chegar à exaltação. A vida da igreja é, pois, cruciforme, visto que ela se deriva dAquele que exemplificou o padrão do “morrer para viver”; e o apelo e exortação de 2:5 é para que os filipenses deixem sua vida comunitária tomar uma forma que demonstre o reconhecimento de que este é seu destino, como membros do corpo de CRISTO, “em CRISTO JESUS”.
O Senhor sofredor, e o apóstolo sofredor, juntos, provam que não há absolutamente nada de incoerente, nem inconsistente, no “destino dos cristãos como comunidade perseguida, inserida num mundo hostil (2:15); isto deveria ser um antídoto eficaz contra o espírito extremamente agitado e rebelde que parecia presente em Filipos. O tom de Paulo é semelhante ao de seu apelo em 1 Ts 3:3,4: “ninguém se inquiete com estas tribulações. “Porque vós mesmos sabeis que estamos designados para isto; pois, quando ainda estávamos convosco, predissemos que íamos ser afligidos, o que de fato aconteceu, e é do vosso conhecimento”.
a. A necessidade de unidade e de coragem em face da perseguição (1:27-30).
27. um só espírito ... uma só alma. “Uma coisa só” é como Barth traduz a palavra grega usada por Paulo (mononj; a admoestação vai “erguida como um dedo em riste”. Paulo deseja para eles, como membros de igreja em Filipos, a mais alta qualidade de vida comunitária, estabelecida pelo padrão de sua fidelidade ao evangelho de CRISTO. A vida da comunidade é comparada à cidadania (gr. politeia) desfrutada pelos cidadãos de Roma, no mundo antigo. Desta maneira, o verbo usado por Paulo (gii. Potiteuesthe) deve ser traduzido de modo a exaltar este sentido. “Cumpri vossas obrigações como cidadãos” (a ARA traz: “vivei”). É muito provável que Paulo esteja usando o verbo técnico a fim de chamar os filipenses à sua dupla responsabilidade: eles se orgulhavam de ser tratados sob a ius Italicum, como cidadãos do império, tendo privilégios para usufruir e responsabilidades a cumprir. Deve eles lembrar-se, também, de que são cidadãos de um reino celestial (3:20), e a conduta deles na igreja, e no mundo, deve ser determinada pelo fato de serem membros, ou cidadãos, do reino de CRISTO na terra. O mesmo pensamento ocorre a Policarpo em sua carta aos Filipenses: “Se formos Seus cidadãos dignos (gr. politeusõmetha axiõs), também com Ele reinaremos” (5.2).
A noção de um padrão digno, de conduta, é freqüente na correspondência paulina, como parte de sua determinação ética dirigida às igrejas (1 Ts 2:12; Rm 16:2; Cl 1:10; Ef 4:1). Aqui é o evangelho que estabelece a norma ética. Evangelho não é o registro escrito, mas a mensagem proclamada. A essência do apelo de Paulo é, como diz Gnilka, “vivei como pessoas convertidas”, tanto dentro da igreja, como lá fora, no mundo. Este é o ansioso desejo de Paulo para eles, mesmo não podendo estar pessoalmente ao lado deles.
A compreensão de Paulo da luta da igreja contra os poderes hostis é bem realista. A seção que compreende os versículos 27-30 é rica de termos militares: estais firmes (resolutos como soldados plantados em seus postos; Lohmeyer, p. 75. n.2, publica a evidência deste sentido do verbo); lutando (associa-se com campanha militar, em batalha, ou com arena, onde os gladiadores lutavam em combate de vida ou morte; cf. 2 Tm 2:5); pelos adversários, humanos ou demoníacos: o mesmo combate (gr. agón) como o que Paulo havia conhecido à época de sua primeira visita à cidade deles (1 Ts 2:2, onde Paulo usa o mesmo substantivo) e, talvez, tenha sofrido, há pouco, quando redigiu a carta (Cl 2:1, se esta carta pertence ao mesmo período de sua vida.
O desafio aos filipenses é para ficarem firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica. Eles seriam capazes de vencer plenamente, na batalha, não pela fé deles, mas por sua fidelidade ao ensino apostólico, o qual evidentemente estava sob fogo inimigo, em Filipos; isto, a despeito de a presença de Paulo entre eles não ser possível.
29. Porque vos foi concedida (por DEUS) a graça de padecerdes por CRISTO, e não somente de crerdes nele. Esta magnífica declaração é apresentada como uma teodicéia, para ajudar os filipenses a compreenderem, pelo menos em parte, seus sofrimentos. Portanto, os filipenses não deveriam perturbar-se por causa de suas experiências amargas, como se DEUS os tivera esquecido, ou estivesse zangado com eles. Ao contrário, o verbo (gr. echaristhè) lembrá-los-ia de que até mesmo estas provações vêm a eles como uma dádiva da graça de DEUS (gr. charis). Somente pela fé, que vem pela graça, pode o sofrimento ser considerado um privilégio (Gnilka).
A comunhão com um CRISTO sofredor (padecerdes por CRISTO) necessariamente pressupõe co-participação em Seu destino, e que a compreensão paulina da vida cristã insiste em que não há maneira de conhecer-se essa vida, em sua verdadeira expressão, senão mediante a identificação pessoal com o CRISTO que foi exposto a todos os riscos e mazelas de um mundo cruel. Paulo já está tacitamente contra-atacando o falso ensino que considerava o sofrimento apostólico, e o dos crentes, como uma intrusão desnecessária, e que acredita que os crentes já teriam direito a um estado de bem-aventurança. Paulo retruca que a marca distintiva do crente é a cruz.
30. Os leitores da epístola se lembrariam bem das circunstâncias do combate de Paulo, que haviam presenciado à época em que a igreja deles havia sido fundada (At 16:22ss.; 1 Ts 2:2). Eles teriam tido conhecimento, também, de registros posteriores das experiências de Paulo “quando ele partiu da Macedônia” (4:15s.). Assim ele apela para aquilo que ouvis que é o meu. Não deveríamos excluir seu combate atual, que para ele é ainda mais sério, visto tê-lo levado face a face com a morte (1:20; 2:17). Os filipenses, sem dúvida, estavam imaginando como estava o apóstolo no cativeiro (1:12). Sua carta vai tranqüilizá-los pelo menos quanto a este respeito. Embora seu combate (gr. agón) seja feroz, e Paulo enfrente momentosas questões de vida ou morte, ele sabe que seu ministério apostólico está nas mãos de DEUS, e que o resultado final será a “libertação” (1:19, porque sua esperança está posta em DEUS (cf. 2 Co 1:8-10). É precisamente esta esperança que ele oferece aos filipenses, porquanto estão engajados no mesmo combate, e poderão vir a conhecer a mesma confiança.
 
Comentários John Macarthur
Conduta ideal para a Igreja (Filipenses 1:27–30) - resumo
Não importa o que aconteça, exerçam a sua cidadania de maneira digna do evangelho de CRISTO, para que assim, quer eu vá e os veja, quer apenas ouça a seu respeito em minha ausência, fique eu sabendo que vocês permanecem firmes num só espírito, lutando unânimes pela fé evangélica, sem de forma alguma deixar-se intimidar por aqueles que se opõem a vocês. Para eles isso é sinal de destruição, mas para vocês de salvação, e isso da parte de DEUS; pois a vocês foi dado o privilégio de, não apenas crer em CRISTO, mas também de sofrer por ele, já que estão passando pelo mesmo combate que me viram enfrentar e agora ouvem que ainda enfrento. (1:27–30).
A igreja de Filipos estavam com alguns problemas graves. Como todas as igrejas de todas as idades, que precisavam estar em guarda contra os falsos mestres (3:2) e repudiar aqueles na congregação que eram "inimigos da cruz de CRISTO" (3:17-18). O apostolo sabia que não levaria muito tempo até que, mesmo uma igreja fiel, cair na indiferença e, eventualmente, em erro moral e doutrinário. Paulo convida os filipenses a manter seu compromisso espiritual, para continuar a se comportar de uma maneira que seja consistente com o poder do evangelho. Independentemente do que aconteceria a ele, ele implorava para que se conduzissem de maneira digna do evangelho de CRISTO, ... se eu for vê-los ou permanecer ausente. O que realmente importava era a sua conduta consistente e santa. "Provai-vos e vos torneis irrepreensíveis e inocentes, filhos de DEUS acima de qualquer suspeita no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual aparecem como luzes no mundo, retendo a palavra da vida, para que no dia de CRISTO eu tenha motivo para me gloriar, por não ter corrido em vão, nem labutado em vão "(2:15-16).
Politeuomai (conduta), é o verbo principal nos versos 27-30, que em grego forma uma única frase. Ela vem da raiz da palavra polis (cidade), que em épocas anteriores geralmente se referiam às cidades-estado, para que os habitantes lhe dessem a sua lealdade primária. O verbo tem o significado básico de ser um cidadão. Mas, por implicação, significa ser um bom cidadão, aquele cujo comportamento traz honra ao corpo político ao qual se pertence. Filipos teve a distinção de ser uma colônia romana (Atos 16:12), uma posição altamente privilegiada que deu os seus habitantes muitos dos direitos dos cidadãos de Roma. Essas colônias se consideravam "povo romano" -  tinham grande orgulho de tal associação. Eles deram sua fidelidade incondicional a Roma e ao imperador, vestido-se como romanos, usando  nomes romanos, e falando latim, a língua oficial de Roma.
Paulo pode ter tido esse sentimento de dedicação em mente no uso do termo politeuomai (conduzir). Se os cidadãos de Filipos eram tão devotados a honra de seu reino humano, quanto mais deveriam ser crentes dedicados ao reino de CRISTO (cf. Col. 1:12-13)? Portanto, Paulo ordenou-lhes para se comportarem de uma maneira digna do evangelho de CRISTO, para viver como cidadãos fiéis do céu (cf. 3:20). A igreja, embora imperfeita e temporal, é a manifestação terrena do reino perfeito e eterno do céu na presente época (cf. Col. 1:13).
A conduta celestial se caracteriza por ser "irrepreensíveis e inocentes, filhos de DEUS acima de qualquer suspeita no meio de uma geração “corrompida e perversa, entre a qual aparecem como astros no mundo” (2:15).
Para viver de modo digno do evangelho de CRISTO e viver uma vida coerente com a Palavra revelada de DEUS. Isso inclui uma vida que corresponde aos cristãos de verdades divinas, às quais professam crer, pregar, ensinar e defender. Em outras palavras, isso significa viver com integridade em todas as facetas da vida. Este mandato é expresso em outras partes do Novo Testamento como andar "de modo digno da vocação com que fostes “chamados” (Ef 4:1), "de modo digno do Senhor, para agradá-Lo em todos os aspectos, frutificando em toda boa obra e crescendo no conhecimento de DEUS "(Col. 1:10), e" de modo digno do DEUS que vos chama para o seu reino e glória "(1 Ts 2:12;. cf. . 4:1). Significa "mostrando toda a boa fé, para que [os crentes] venham adornar a doutrina de DEUS, seu Salvador em todos os “aspectos” (Tito 2:10), demonstrando "santo procedimento e piedade", e ser "diligente de ser encontrado por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis "(2 (Pedro 3:11, 14).
O maior testemunho da igreja diante do mundo é a integridade espiritual. Quando os cristãos vivem abaixo dos padrões de moralidade bíblica e reverência para com o seu Senhor, podem comprometer toda a verdade bíblica sobre o caráter, o plano, e a vontade de DEUS. Ao fazê-lo, enfraquecem seriamente a credibilidade do evangelho e diminuem o seu impacto sobre mundo.
O povo de DEUS sempre estiveram em inimizade com o mundo, porque o mundo está em inimizade com DEUS (Rm 1:28, 5:10, Ef 2:3; Col. 1:21). Mas o mundo não pode abraçar uma fé em DEUS cujos proponentes são tão pouco imitadores de seus padrões de santidade e que não manifestam em seu caráter o poder transformador de CRISTO.
Quando o incrédulo olha para a igreja e não vê a santidade, pureza e virtude, não encontra nenhuma razão para crer no evangelho que proclamam. Quando os pastores cometem pecados graves e são posteriormente restaurados para posições de liderança na igreja, quando os membros da igreja mentem, roubam, enganam, fofocam, e brigam, e quando congregações parecem se importar pouco com tais pecados e hipocrisias no meio deles, o mundo compreensivelmente repulsa suas reivindicações para amar e servir a DEUS. E o nome de CRISTO fica manchado e desonrado.
O evangelho é a boa notícia de salvação através de JESUS CRISTO. É a verdade de que "CRISTO morreu por nossos pecados segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que Ele ressuscitou ao terceiro dia, segundo as “Escrituras” (1 Coríntios. 15:3-4) é a mensagem que Paulo descreve como "o poder de DEUS para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e “também do grego” (Rm 1:16). O ponto aqui é que aqueles que pertencem a CRISTO através da fé salvadora em Seu evangelho devem demonstrar esse poder em suas vidas alteradas, ou mudadas para melhor (cf. 2 Coríntios. 5:17).
Paulo expressou sua expectativa alegre de visitar novamente Filipos (1:25-26), mas essa não era sua principal preocupação. Ele entendeu que, como a igreja em Éfeso, Filipos, inevitavelmente, estaria ameaçada por "lobos cruéis" e que, mesmo de dentro de sua própria congregação, os falsos mestres iriam "surgir, falando coisas perversas, para “atraírem os discípulos após si” (Atos 20:29-30). Ele entendeu que, apesar da maturidade espiritual geral da congregação, alguns de seus membros iriam provar sua falta de fé salvadora abandonando CRISTO e seguindo um evangelho diferente. Outros, que tinham sido salvos pelo poder do ESPÍRITO SANTO, cairiam na armadilha legalista de confiar em suas próprias realizações carnais para sua santificação (Gl 1:6; 3:3). Nem ele próprio, nem ninguém mais foram a fonte de sua força espiritual. Seu apelo, portanto, era que se era para vir vê-los ou permanecer ausente, eles deveriam confiar no Senhor e viverem dignos dEle.
 
O apóstolo apresenta quatro características dos crentes que vivem dignos de CRISTO:
Permanecer firmes nEle (v. 27b),
Compartilharem seus bens uns com os outros por causa Dele (v. 27c);
Lutando juntos em obediência a Ele (VV 27 d-28);. e
Sofrendo juntos por Ele (vv. 29-30).
 
PERMANENTE
fique eu sabendo que vocês permanecem firmes (1:27b)  
Firme se traduz o único verbo grego STEKO, que refere-se a permanecer firme em seu território,  independentemente do perigo ou  oposição (v. 28 defende a força em meio à oposição). A palavra foi usada de um soldado que defendeu a sua posição a qualquer custo, mesmo ao ponto de sacrificar sua vida. Estar firmemente fixada em matéria de verdade bíblica e uma vida santa está incluído neste mandado de segurança.  
Firmes é tanto positivo quanto negativo. É para ficar por DEUS e contra Satanás, para defender a verdade e contra a falsidade, para ficar para a justiça e contra o pecado. Em outras cartas ele admoesta os crentes a "ficar em alerta, firmes na fé, ajam como homens, sejam fortes" (1 Coríntios 16:13;.. Cf 1 Ts 3:8;. 2 Tessalonicenses 2:15). , para "manter firme de pé" na liberdade da graça e não a "ser sujeito outra vez ao jugo da escravidão" (Gálatas 5:1). Em Efésios ele duas vezes usa um verbo relacionado no apelo aos crentes para "colocar toda a armadura de DEUS ... para ficar firmes contra as ciladas do diabo" e "ser capaz de resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes "(Efésios 6:11, 13). Apenas a armadura de DEUS pode permitir aos crentes permanecerem firmes, porque eles não lutam "contra a carne e o sangue, mas contra os principados, contra as potestades, contra as forças deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes "(Ef. 6:12).  
Não sabeis que vossos corpos são membros de CRISTO? Tomarei, pois, os membros de CRISTO e torná-los-ei membros de uma prostituta? Que isso nunca aconteça! Ou não sabeis que aquele que se une a uma prostituta é um corpo com ela? Pois Ele diz: "Os dois serão uma só carne." Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele. Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete é fora do corpo, mas os que se prostitui peca contra o próprio corpo. Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do ESPÍRITO SANTO que habita em vós, o qual tendes da parte de DEUS, e que não sois de vós mesmos? Fostes comprados por bom preço: glorificai, pois, a DEUS no vosso corpo. (1 Coríntios 6:15-20)  
Os requisitos para a liderança da igreja do Novo Testamento são elevados porque os líderes estão a definir o padrão para todos os outros crentes na maneira correta de viverem. Em sua primeira carta a Timóteo, Paulo escreveu: "Os diáconos igualmente devem ser homens de dignidade, não de língua dobre, ou viciado a muito vinho ou Amante de torpe ganância, mas mantendo o mistério da fé com a consciência limpa. Esses homens também deve ser testados primeiro, então poderão servir como diáconos se eles forem irrepreensíveis .... diáconos devem ser maridos de uma só mulher, e manter sob disciplina seus filhos e sua casa "(1 Tm 3:8-10.,12).  
As qualificações para os presbíteros são explícitos. Um ancião deve ser irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, prudente, respeitável, hospitaleiro, apto para ensinar, não dado ao vinho ou belicoso, mas gentil, pacífico, livre do amor ao dinheiro. Ele deve ser alguém que gerencia bem sua própria família, tendo seus filhos sob controle com toda a dignidade (mas se um homem não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de DEUS?), não deve ser novo convertido, para que ele não se ensoberbeça e caia na condenação imposta pelo diabo. E ele deve ter uma boa reputação para com os de fora da igreja, de modo que ele não venha a cair no opróbrio e no laço do diabo. (1 Tm 3:2-7;.. Cf Tito 1:5-9). 
É significativo que, nessas passagens, estabelecendo os requisitos para os líderes da igreja, Paulo menciona três vezes que os líderes devem ser irrepreensíveis (1 Tm 3:2; 10., Tito 1:6). Se manter de pé na verdade e em santidade dá o exemplo para toda a igreja seguir (cf. Heb.13:7).  
 
COMPARTILHANDO
em um só espírito, como uma só alma (1:27c)  
Junto com o pé firme na fé, deve também haver unidade no seio da igreja, uma partilha mútua de convicções e responsabilidades em um só espírito, com uma só mente.  
O contexto da passagem atual, que incide sobre as atitudes dos crentes, parece indicar que ele está falando do espírito humano do crente - Psuche (mente) é mais freqüentemente traduzido como "alma". Aqui mente parece mais apropriado, porque, como já foi dito, Paulo está falando de atitudes pessoais e perspectivas. Um espírito, com uma mente refere-se à experiência de unidade, interdependência, harmonia, pois, no início da igreja havia um só espírito, com uma só mente. Dentro de poucos dias depois de Pentecostes, todos aqueles que criam estavam unidos e tinham tudo em comum, e eles começaram a vender suas propriedades e bens e os repartiam por todos, de acordo com a necessidade. Dia após dia, continuando com uma mente no templo, e partindo o pão de casa em casa, eles foram tomar as suas refeições com alegria e sinceridade de coração. (Atos 2:44-46; cf. 4:32).
No início desta carta, Paulo elogia os Filipenses por sua "participação no evangelho desde o primeiro dia até agora" (1:5), e mais tarde ele adverte: "Se há alguma exortação em CRISTO, se houver alguma consolação de amor, se há alguma comunhão no ESPÍRITO, se qualquer afeição e compaixão, completem a minha alegria por ser da mesma opinião, mantendo o mesmo amor, unidos em espírito, com a intenção de um propósito "(2:1-2). Ainda mais tarde, ele recomenda "Evódia e Síntique ... para viver em harmonia no Senhor" (4:2), ao mesmo tempo, expressando grande apreço por essas duas mulheres, porque elas tinham "uma mesma luta pela causa do evangelho "(v. 3). 
Unidade na sua Igreja era uma das grandes paixões de JESUS. Na Última Ceia, Ele disse aos Seus discípulos: "Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei, vós também vos ameis uns aos outros. Por isso todos saberão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros "(João 13:34-35). Um pouco mais tarde, em Sua oração sacerdotal, Ele orou para que todos os que acreditam nele "todos sejam um, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti, que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. A glória que me conferiste eu dei para eles, que eles sejam um, como Nós somos um "(17:2122).
Este pedido surpreendente foi respondido na unidade espiritual que realmente existia no corpo de CRISTO. Os crentes partilham a vida eterna concedido por DEUS no novo nascimento, de modo que eles são um com o Senhor e uns com os outros (cf. 1 Cor. 10:16-17).  
Paulo desejava ver o resultado prático dessa verdadeira unidade espiritual no cuidado amoroso do ministério. Ele lembrou aos crentes em Roma que, "assim como temos muitos membros em um só corpo e todos os membros não têm a mesma função, assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, e individualmente membros uns dos outros .... Seja da mesma opinião em relação ao outro, não tenha uma mente arrogante, mas associe-se com os humildes "(Rom. 12:4-5,16). Ele implorou a igreja facciosa em Corinto: "Exorto-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor JESUS CRISTO, que todos concordem e que não haja divisões entre vós, mas que sejam completos em um mesmo pensamento e no mesmo parecer "(1 Cor. 1:10).
As Contendas na Igreja nem sempre envolvem tais pecados flagrantes como adultério, roubo, mentira, ou difamação. Muitas vezes, é gerada por esses "menores" pecados como rancores sobre questões menores, críticas injustas, amargura, insatisfação e desconfiança. Às vezes, surge a desarmonia que não pode nem mesmo ser claramente identificada ou atribuída a qualquer indivíduo, incidente ou problema. O inimigo da igreja é bem-sucedido quando o povo de DEUS transforma a sua "liberdade em uma oportunidade para a carne", esquecendo-se "através do amor de servir um ao outro", e em vez disso começa a "morder e devorar um ao outro", às vezes ao ponto mesmo de ser "consumido por um outro" (Gl 5:13, 15). A única solução é o "andar no ESPÍRITO, e [assim] não realizar o desejo da carne" (v. 16). Ele requer um esforço especial para "ser gentil de um para com o outro, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também DEUS em CRISTO vos perdoou" (Ef. 4:32).
Paulo sempre teve que lidar com divisões na igreja entre judeus e gentios, escravos e livres, homens e mulheres. Em resposta a essas questões, ele declarou que em CRISTO "não há judeu nem grego, não há nem escravo nem homem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um em CRISTO JESUS" (Gl 3:28) . Mais uma vez, falando de judeus e gentios, lembrava aos Efésios: "Agora, em CRISTO JESUS, vós que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de CRISTO. Porque ele é a nossa paz, que fez os dois grupos em um único e quebrou a barreira do muro que dividia "(Ef 2:13-14;.. Cf vv 18-22). "Aquele que se une ao Senhor é um espírito com Ele" (1 Cor 6:17;. 2 Coríntios 12:18.), E, portanto, deve ser de um espírito e mente com todos os que Lhe pertence. Paulo dá a chave para a verdadeira unidade da igreja quando ele escreve, "Sejam de uma mesma mente, mantendo o mesmo amor, unidos em espírito, com a intenção de um propósito. Não façam nada por vaidade ou egoísmo vazio, mas com humildade, respeitando um ao outro como mais importante do que a si mesmo, não olhando para seus próprios interesses pessoais, mas também para os interesses dos outros "(Filipenses 2:2-4) . Em outras palavras, ele continua a dizer: "Tende em vós o que houve também em CRISTO JESUS" (v. 5).
 
ESFORÇANDO-SE
Combatendo juntamente com uma só alma pela fé do evangelho; e que em nada estais atemorizados pelos adversários, o que para eles é indício de perdição, mas para vós de salvação, e isso da parte de DEUS (1:27d–28)
Uma terceira característica de uma conduta digna envolve crentes que lutam juntos. Sunathleo (lutando juntos) é uma palavra grega composta.
Escrevendo a Timóteo, Paulo usou o verbo duas vezes em seu sentido literal como uma analogia espiritual, declarando que "se alguém compete como atleta, ele não irá ganhar o prêmio, a menos que ele concorra de acordo com as regras" (2 Tm. 2:5) .
Na presente passagem, lutando juntos, obviamente, é a idéia de Paulo tem em mente, ao invés do lado oposto de lutar ou competir contra, como a palavra também pode ser entendida. Ele está enfatizando a atitude não de tirar proveito de outro para benefício próprio, mas sim de sacrificar o bem-estar próprio de alguém para promover o bem-estar dos outros. A idéia de lutar contra está implícita, mas apenas no sentido de que a igreja deve também estar lutando, todos juntos contra o pecado e o inimigo comum, Satanás e seus exércitos de demônios.  
Paulo salienta aqui a relação positiva de crentes uns com os outros.
Uma equipe esportiva com muitos e excepcionais jogadores não conseguiu vencer um campeonato, porque a maioria desses jogadores estavam concentrados no seu próprio sucesso e não do time. Uma equipe menos talentosa muitas vezes pode vencer aquele que é mais talentoso, pois a equipe mais fraca funciona de forma eficiente em conjunto para alcançar um objetivo comum. Um jogador com um talento extraordinário, por incrível que pareça, pode ser temporariamente afastado da equipe, porque seus esforços individuais podem fazer mais mal à sua equipe do que bem. A Igreja lutando com todos seus membros unidos significa jogar como uma equipe sólida que faz avançar a verdade de DEUS.  
A genuína unidade deve ser o propósito qualquer equipe. A unidade deve ter a motivação e o foco de uma causa comum e objetiva a todos. A unidade da Igreja só é verdade quando se baseia na fé do evangelho, que refere-se à fé cristã.
Como já mencionado, lutando juntos não avança apenas a fé do Evangelho, mas também suspende o avanço de qualquer que se lhe opõe. A Igreja sempre enfrentou um mundo hostil. Algumas hostilidades são óbvias e diretas, como a dos ateus, filósofos humanistas, e outras religiões. Grande parte das hostilidades, entretanto, são indiretas e sutis, o que as torna muitas vezes mais perigosas.
O falso ensino pode encontrar seu caminho em igrejas que antes eram bíblicas e evangélicas. Os defensores dos falsos evangelhos, qualquer que seja a forma, "distorcem ... as Escrituras, para sua própria destruição" (2 Pedro 3:16), bem como à destruição daqueles que consegue enganar.  
Em nenhum momento na história da igreja houve maior necessidade de discernimento do que em nossos dias. A igreja precisa desesperadamente da advertência do Senhor: "Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores" (Mt 7:15;. Cf. At 20:28-30; Judas 4) . Tais doutrinas de demônios, sem passar por minucioso exame, parecem ser bíblicas. Como Timóteo, os crentes devem constantemente e cuidadosamente "guardar o que tem sido confiada a eles, evitando conversa mundana e vazia e os argumentos contrários do que é falsamente chamado 'conhecimento'" (1 Tm 6:20;. Cf 2 Tm.. 1:14).  
No Pentecostes, Pedro declarou: "Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de JESUS CRISTO para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do ESPÍRITO SANTO" (Atos 2:38). Pouco tempo depois ele testemunhou perante os líderes judeus naquela cidade: "Que seja conhecido por todos vocês e para todo o povo de Israel, que em nome de JESUS CRISTO, o Nazareno, a quem vós crucificastes e a quem DEUS ressuscitou dentre os mortos .... Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os construtores , mas que se tornou a pedra angular. E não há salvação em nenhum outro, pois não existe debaixo do céu outro nome que foi dado aos homens pelo qual devamos ser salvos". (Atos 4:10-12)  
Essas verdades únicas e exclusivas são o coração do evangelho e sua substância. JESUS declarou: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6), e essa a afirmação é reiterada em todo o Novo Testamento.  
Paulo incentivou os crentes de Filipos a não estarem alarmados com os seus adversários. Alarmado é de pturo, um verbo usado somente aqui no Novo Testamento. Faz referência à preocupação, medo grave. Foi usado de um cavalo assustado que trancado, muitas vezes por causa de algo perfeitamente inofensivo, jogou seu cavaleiro ao chão. Cristãos nos dias de Paulo, incluindo aqueles em Filipos, muitas vezes tinham razão humana para estarem aterrorizados; aconteciam espancamentos, prisões e até mesmo execução de opositores do evangelho. Outros enfrentavam adversários um pouco menos graves: familiares, amigos e vizinhos que os ridicularizavam e renegavam-lhes. Mas, por mais grave que o conflito pudesse ser, não era para se alarmarem, pois eles estavam sendo atacados por causa do evangelho e isso era prova de que seus oponentes estavam indo para a destruição e isso era também um sinal da salvação eterna dos crentes. Ambos os sinais são de DEUS, o primeiro a marcar os seus inimigos, o segundo para marcar seus filhos. Da mesma forma, Paulo incentivou os tessalonicenses fiéis, dizendo: "Nós mesmos nos gloriamos de vós nas igrejas de DEUS pela sua perseverança e fé no meio de todas as perseguições e tribulações que suportais", e, em seguida, ele explicou que "esta é uma indicação clara do justo juízo de DEUS "(2 Ts 1:4-5;... cf vv 6-8). Sinal é de endeixis, que refere-se a prova, ou depoimento, que algo é verdade. Esta é uma indicação clara do justo juízo de DEUS para que você seja considerado digno do reino de DEUS, pelo qual de fato você está sofrendo. Depois de tudo isso, DEUS retribuirá com tribulação aos que vos atribulam, e dará alívio a vocês que estão aflitos e para nós também quando o Senhor JESUS se revelar do céu com seus anjos poderosos em fogo chamejante, dando a retribuição àqueles que não conhecem a DEUS e àqueles que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor JESUS. (1:4-8).
A segunda coisa que este digno dá provas é a salvação daqueles que sofrem hostilidade dos adversários do evangelho. Perseguição por causa de CRISTO prova que esses crentes pertencem a Ele. Assim, a perseguição que tende a ser desanimadora para os crentes devem ser uma fonte de alegria e confiança porque mostra que eles são salvos. Paulo teve a honra de "ter no corpo as marcas de JESUS" (Gl 6:17; Cf. Col. 1:24), isto é, ter sido atingido por aqueles que odiavam a CRISTO.
Como a igreja se esforça para cumprir sua missão divina, jamais deve ser intimidada, quer por adversários incrédulos no mundo ou pelos críticos de dentro de suas próprias fileiras. Nesta declaração poderosa e inequívoca, o Senhor afirma a condenação eterna dos incrédulos, bem como a certeza da vida eterna para os crentes.
 
SOFRIMENTO
Pois vos foi concedido, por amor de CRISTO, não somente o crer nele, mas também o padecer por ele, tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e agora ouvis que está em mim. (1:29–30)  
A quarta marca de conduta "digno do evangelho de CRISTO" é o sofrimento dos crentes por causa de sua fé Nele. Tal como acontece com a marca anterior, a prestação aqui é dupla. Pelo amor de DEUS, DEUS provê Seus filhos com fé e sofrimento.  
Foi concedido é de charizo, que é da mesma raiz que o substantivo charis (graça) e significa literalmente "dar, prestar ou dar graciosamente." Em Sua graça soberana, DEUS não só deu aos crentes o maravilhoso dom da fé para crer nEle, mas também o privilégio de sofrer por Seu amor. Tal sofrimento fornece a recompensa da glória futura (Rm 8:17, 1 Pedro 4:12-16).  
A primeira coisa concedida por amor de CRISTO é a fé salvadora para crer nEle, através da fé vem a salvação. Paulo acaba de mencionar (v. 28) em Efésios, ele explica mais detalhadamente que DEUS, sendo rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, quando ainda estávamos mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com CRISTO (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com Ele, e nos assentou com Ele nos lugares celestiais em CRISTO JESUS, para que nos séculos vindouros ele pudesse mostrar a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em CRISTO JESUS. Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de DEUS. (Ef 2:4-8). 
Tudo o que é a salvação, incluindo a graça e a fé, é um dom de DEUS. Como João proclama na introdução de seu evangelho, "a todos quantos o receberam, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de DEUS, nos que crêem no Seu nome" (João 1:12). Mais tarde, em que o evangelho, JESUS disse à mulher samaritana: "Se tu conhecesses o dom de DEUS, e quem é que te diz: 'Dá-Me de beber', você teria perguntado, e Ele te daria água viva "(4:10).  
O segundo presente que DEUS concede aos Seus filhos por amor de CRISTO não é tão atraente quanto o primeiro. No entanto, é também parte integrante da graça divina. Paulo lembrou a Timóteo: "Na verdade, todos quantos querem viver piedosamente em CRISTO JESUS serão perseguidos" (2 Tm. 3:12). Durante Seu ministério terreno, JESUS deixou claro para aqueles que realmente procuravam segui-Lo: "Vós sereis odiados por todos por causa do meu nome, mas é aquele que perseverar até o fim quem será salvo .... Um discípulo não está acima de seu mestre, nem um escravo acima do seu mestre. É o suficiente para o discípulo que ele se torne como o seu mestre e do escravo como seu mestre. Se chamaram o chefe da casa Belzebu, quanto mais o maligno chamará os membros de sua família!" (Mat. 10:22, 24-25;. Cf João 16:2-3). 
"Se alguém quer vir após mim", Ele declarou: "ele deve negar a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me" (Marcos 8:34). Mas não muito tempo depois que Ele disse:
"E Jesus, respondendo, disse: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho,
Que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no século futuro a vida eterna."
 (Marcos 10:29-30).
Em outra ocasião, Ele ordenou: "Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim", acrescentou logo a garantia divina: "porque eu sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve "(Mt 11:29-30).  
Esse é o ponto aqui: Sofrer por amor de CRISTO não é apenas um comando, mas também um privilégio. Paulo nunca se esqueceu da predição do Senhor através de Ananias que ele seria "Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel. E eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome." (Atos 9:15-16). Mais tarde, na carta aos Filipenses, deixa claro que, à luz das imensas riquezas eternas que os crentes recebem em CRISTO, nada nesta terra que eles abandonarem por Ele pode verdadeiramente ser um sacrifício. Paulo afirma que tudo o que "para mim era ganho reputei-o perda por Cristo.E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé;(3:7-9). 
Entre as imensuráveis bênçãos que havia recebido pela fé em CRISTO não eram apenas o de saber ", e o poder da sua ressurreição", mas também compartilhar na "comunhão dos Seus sofrimentos, sendo conformado à Sua morte" (v. 10). Sofrendo por amor de CRISTO não é um fardo, mas sim uma grande honra que Ele graciosamente concede a Seus santos fiéis.  
Os crentes são, de fato, para "E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência,E a paciência a experiência, e a experiência a esperança.E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado."(Rm 5:3-5;. cf Tiago 1:2-4). Lembrando os crentes de sua herança celestial, Pedro ecoa a admoestação de Paulo:Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo; Ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso; (1 Pedro 1:6-8; cf 4:13;. 5:10, Atos 5:41). 
Quando sofrem por amor do Senhor, Paulo passa a contar a seus leitores, eles estão enfrentando o mesmo combate que você viu em mim, e agora ouvis estar em mim. O conflito que você viu em mim se refere à oposição hostil e de perseguição que ele e Silas encararam quando foram presos em Filipos (Atos 16:16-40). E agora ouvis estar em mim se refere, é claro, à prisão presente do apóstolo, em Roma, que ele já havia mencionado (vv. 12-18). 
É a ordem dada à igreja para compartilhar, lutar e sofrer por amor do Senhor JESUS CRISTO. É para isto "que foram destinados" (1 Ts. 3:3).
 
A fórmula da  Unidade Espiritual - (Filipenses 2:1-4)
Se por estarmos em CRISTO, nós temos alguma motivação, alguma exortação de amor, alguma comunhão no ESPÍRITO, alguma profunda afeição e compaixão, completem a minha alegria, tendo o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude. Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros (2:1–4)
 
Talvez o maior perigo que a igreja enfrenta é um ataque à sua fonte de autoridade, isto é, a Palavra de DEUS. Apatia espiritual, frieza, indiferença geral com a verdade bíblica e as normas da justiça de DEUS também representam sérios riscos. Essa indiferença é normalmente confundida com uma aura de auto-engano da sinceridade, mas ela ataca a espiritualidade da igreja. Igualmente deve ser temido o que ataca a unidade da igreja. Tudo isso pode atrapalhar, enfraquecer e destruir uma igreja, causando discórdia, desarmonia, conflito e divisão. Quando Paulo fechou sua última carta aos Coríntios, ele expressou seu temor de pecados que destroem a unidade: "Tenho medo que talvez quando eu chegar eu possa encontrá-los não sendo o que eu quisera e encontrar vocês em porfias, ciúmes, temperamentos furiosos, disputas, calúnias, fofocas, arrogância, distúrbios "(2 Coríntios 12:20.). Ele também temia pecados que destruiriam a pureza da igreja: "Tenho medo que quando eu voltar, meu DEUS pode me humilhar diante de vocês, e eu posso chorar por muitos daqueles que pecaram no passado e não se arrependeram da impureza, imoralidade e sensualidade que tenham praticado "(v. 21).  
Aparentemente, a igreja de Filipos enfrentava o perigo de discórdia e divisão por causa do conflito pessoal entre Evódia e Síntique (4:2). A desunião é um perigo em potencial para cada igreja, Paulo vê perigo nas duas cartas dirigidas às igrejas. Para a igreja de Roma, ele escreveu: "Ora, o DEUS que dá a perseverança e incentivo vos dê o mesmo sentimento de uns para com os outros, segundo CRISTO JESUS, para que a uma só voz glorifiquem o DEUS e Pai de nosso Senhor JESUS CRISTO. Portanto, devemos aceitar um ao outro, como também CRISTO nos recebeu para glória de DEUS "(Romanos 15:5-7;. Cf 12:5, 16). Aos Coríntios ele escreveu: "Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor JESUS CRISTO, que todos concordem e que não haja divisões entre vós, mas se completem em um mesmo pensamento e num mesmo juízo "(1 Coríntios 1:10), e" Irmãos, sede alegres, se completem, sejam consolados, sejam de uma mesma opinião, vivam em paz, e o DEUS de amor e paz estará convosco "(2 Cor 13. : 11). Ele advertiu os gálatas, "Não nos tornemos presunçosos, desafiando uns aos outros, invejando uns aos outros" (Gl 5:26;. Cf 6:2-3). Ele implorou aos crentes em Éfeso que andassem de modo digno da vocação com que foram chamados, com toda humildade e mansidão, com paciência, mostrando a tolerância de um para com o outro no amor, sendo diligentes para preservar a unidade do ESPÍRITO no vínculo da paz. Há um só corpo e um só ESPÍRITO, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só DEUS e Pai de todos, que é sobre todos e por todos e em todos. (Ef 4:1-6). 
Unidade espiritual verdadeira é firmada na unidade insondável da própria Trindade.
Paulo escreveu aos Colossenses: Coloque em um coração de compaixão a bondade, humildade, mansidão e paciência; amando uns com os outros, e perdoando-vos uns aos outros, não tenham queixa contra ninguém, assim como o Senhor vos perdoou, assim também você deve perdoar. Além de tudo isto o amor é o perfeito vínculo de união. Deixe que a paz de CRISTO domine em vossos corações, para que de fato vocês sejam chamados em um corpo, e sejam gratos. (Col. 3:1215). 
Ele elogiou os tessalonicenses, dizendo: "Agora, quanto ao amor entre vocês irmãos, não têm necessidade de alguém escrever para vocês, pois vocês mesmos estais instruídos por DEUS a amar uns aos outros; ... Mas nós pedimos a vocês, irmãos, para se destaquem nisso ainda mais "(1 Tessalonicenses 4:910;... cf 2 Tessalonicenses 1:3).  
A base para a unidade dos crentes é a unidade de DEUS concedida em resposta a oração de JESUS pelo Seu povo "todos sejam um, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti, que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste "(João 17:21). Essa oração foi respondida quando o ESPÍRITO SANTO veio no Pentecostes e depois para habitar em todos os crentes, trazendo-lhes a vida eterna para a qual todos os crentes são feitos participantes (cf. 1 Cor 6:17, 19;. 12:12-14). Que a unidade essencial de todos os crentes no corpo de Cristo seja vivida na prática.  
A sã doutrina, a pureza moral e o compromisso apaixonado assumido perante o Senhor e à Sua obra são essenciais para o ministério eficaz de uma igreja, pois, a discórdia não garante vitória. É quando as pessoas estão realmente unidas e comprometidas com sua fé em DEUS, que aparece o perigo de levantarem-se uns contra os outros. Quanto maior o seu entusiasmo, maior é o perigo que eles colidirem-se. A preocupação de Paulo aqui não se trata de doutrinas, idéias ou práticas que são claramente anti-bíblicas. Os crentes nunca devem desprezar as doutrinas ou princípios claramente bíblicos. Mas com humildemente adiar as questões secundárias, isso é uma marca de força espiritual, não de fraqueza (cf. Rm. 14:01-15:07). É um sinal de maturidade e de amor que DEUS honra muito, pois promove e preserva a harmonia na sua igreja. Essa unidade que a Palavra tão altamente exalta é interior, não exterior, mas internamente deve ser desejada, não externamente obrigada. É espiritual, não eclesiástica, mais sincero do que doutrinário. Não se baseia em sentimentalismo, mas em obediência cuidadosa, atenciosa e determinada à vontade de DEUS. É a ligação ESPÍRITO-motivado e ESPÍRITO-poder dos corações, mentes e almas dos filhos de DEUS de uns para com os outros. Preservar a unidade na igreja não é uma opção (cf. Ef. 4:3).  
Como uma família unida que é tragicamente dividida pela guerra ou desastre natural, assim a família espiritual que busca se reunir novamente após uma separação inesperada. Essa unidade divinamente concedida internamente pelo ESPÍRITO é essencial para a alegria da Igreja e eficácia de sua obra em favor da salvação em CRISTO para todos. Essa unidade se manifestou no Pentecostes, na inauguração da igreja. Os milhares de novos crentes (a maioria dos quais estrangeiros e alguns antigos inimigos) "E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão .... E todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum .... Dia a dia estavam de contínuo unidos no templo orando e partindo o pão de casa em casa, eles se reuniam para tomarem suas refeições com alegria e singeleza de coração "(Atos 2:42, 44, 46).  
A unidade espiritual deve ser constantemente cultivada e preservada com abnegada devoção e energia. Como já mencionado, é o maior desafio da supervisão e liderança espiritual em uma igreja.  
A igreja em Filipos, teologicamente, foi a mais dedicada moralmente, amorosamente, sendo zelosa, corajosa, generosa e perseverante em oração. No entanto, enfrentou o perigo de discórdia, que muitas vezes é gerada por apenas algumas pessoas. Esses desordeiros(as) podem agitar as disputas e conflitos que causam divisões numa congregação inteira, isso porque a desunião é tragicamente debilitante, Paulo amorosamente implora firmemente aos crentes que estejam constantemente e diligentemente em guarda contra ela. Ele tinha acabado de expressar aos Filipenses a sua esperança de "ouvir que eles estivessem  firmes num só espírito, com uma só mente lutando juntos pela fé do evangelho" (1:27).  
 
Em 2:1-4 Paulo dá o que talvez seja o ensinamento mais conciso e prático sobre a unidade no Novo Testamento. Nesses quatro versos poderosos, ele esboça uma fórmula para a unidade espiritual que inclui três elementos necessários para que essa unidade seja construída:
Motivos certos (vv. 1-2a),
as marcas da unidade (v. 2b), e
os meios adequados (vv. 34).
Através deles, ele esclarece por que os crentes devem ser de uma mente e espírito, que se entende por uma mente e espírito, e como eles podem tornar-se verdadeiramente de uma mente e um espírito.
 
MOTIVOS CERTOS PARA OBTER UNIDADE ESPIRITUAL
Se por estarmos em CRISTO, nós temos alguma motivação, alguma exortação de amor, alguma comunhão no ESPÍRITO, alguma profunda afeição e compaixão, completem a minha alegria, (2:1–2a).
"Porque nós temos a ordem divina de ser de uma mente e espírito (1:27), devemos, portanto ..."  
Paulo não está falando de abstrações teológicas, mas das relações pessoais entre os cristãos.
A primeira realidade que motiva a união está na exortação em CRISTO.
Paraklesis (incentivo) tem o significado da raiz de vir ao lado de alguém para dar assistência pelo conforto que oferece, conselho ou exortação. É precisamente o tipo de assistência exemplificado pelo Bom Samaritano, que, depois de fazer tudo o que podia para o estrangeiro assaltado e espancado "E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar."(Lucas 10:35;.. cf vv 30-34).
Usando uma palavra intimamente relacionada, JESUS referiu-se ao ESPÍRITO SANTO como "outro Consolador [parakleton]", a quem gostaria de pedir ao Pai que envie a todos os que nEle crêem, para que "Ele possa estar com [eles] para sempre" (João 14:16). O estímulo mais importante e poderosa em CRISTO vem diretamente do ESPÍRITO que habita. A admoestação de Paulo aqui é que, à luz do encorajamento, os Filipenses devem "conduzir-se de uma maneira digna do evangelho de CRISTO" (1:27) esforçando-se para ser de uma mente e espírito com o outro. Este princípio espiritual profundo exige a unidade perseguida como uma resposta grata à união do crente com CRISTO. Paulo pergunta, com efeito, "não deve CRISTO influenciar sua vida e compeli-lo a preservar a unidade que é tão preciosa para Ele?"
A segunda realidade que motiva a unidade é a consolação de amor.
Paramuthion (consolação) tem o significado literal de falar intimamente com alguém, e com a idéia adicional de dar conforto e consolo. Seu significado básico é próximo ao de paraklesis (estímulo), ambas as palavras envolvem uma estreita relação marcada por uma preocupação genuína, auxílio e amor. O amor consolador é o que o Senhor concede aos pecadores indignos da graça da salvação. Ele continuamente concede esse amor sobre os crentes (Rm 5:5). Isso demonstra gratidão pelo amor de DEUS para eles. Paulo disse aos coríntios que seu amor para com CRISTO era tão dedicado a ponto de parecer insano (2 Coríntios. 5:13-14).
A terceira realidade que motiva a unidade é a comunhão do ESPÍRITO.
koinonia (comunhão) descreve parceria e partilha mútua. Essa comunhão é íntima porque cada crente é um templo do ESPÍRITO SANTO (1 Coríntios. 6:19). Ele é o selo e garantia da herança eterna dos crentes (Ef 1:13-14; 4:30;. 2 Coríntios 1:22), a fonte de poder espiritual (Atos 1:8; cf Rom 15:19.. ), dos dons espirituais (1 Co 12:4-11;.. Rom 12:6-8), e fruto espiritual (Gl 5:22-23).
O ESPÍRITO "ajuda nossa fraqueza," e porque "não sabemos orar como deveríamos, ... o mesmo ESPÍRITO intercede por nós com gemidos inexprimíveis" (Rom. 8:26). Os crentes devem ser continuamente cheios do ESPÍRITO (Ef 5:18). Os novos crentes depois de Pentecostes dão exemplo mais vívido no Novo Testamento da unidade liderada pelo ESPÍRITO (Atos 2:41-47). Paulo fecha 2 Coríntios com a linda bênção: "A graça do Senhor JESUS CRISTO, e o amor de DEUS, e a comunhão do ESPÍRITO SANTO, seja com todos vós" (2 Co 13:14). Anteriormente ele havia lembrado a mesma congregação que "por um só ESPÍRITO, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos ou livres, e todos nós fomos feitos para beber de um só ESPÍRITO" (1 Cor. 12:13). A resposta adequada dos crentes deve ser uma motivação poderosa para ser "diligente para preservar a unidade do ESPÍRITO", de sempre buscar a paz (Ef 4:3).  
A realidade que motiva a quarta unidade é a de carinho e compaixão.
Essas qualidades caracterizam CRISTO, que ternamente conforta e encoraja os fracos e oprimidos (cf. Is 42:3;.. Mat 12:18-20). Essas graças também são bênçãos do ESPÍRITO de CRISTO. Afeto é de splanchna, que refere-se literalmente para o intestino, ou vísceras, mas foi comumente usado metaforicamente das emoções.  A palavra, por vezes, foi usado em conexão com saudade profunda, pessoal, especialmente para aqueles que são profundamente amados. Perto do início da presente carta, o apóstolo especificamente usou a palavra dessa maneira, assegurando aos filipenses: "Eu desejo para todos vocês com a ternura de CRISTO JESUS" (1:8). Compaixão é de oiktirmos, que Paulo usa duas vezes da compaixão ("misericórdia") de DEUS. Ele defende com os crentes ", pelas misericórdias de DEUS, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto espiritual de adoração" (Rm 12:1), e ele fala de DEUS como "o Pai das misericórdias "(2 Coríntios. 1:3). "Como aqueles que foram escolhidos de DEUS, santos e amados", os crentes devem refletir a Sua própria compaixão, colocando "em um coração de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência" (Cl 3:12).
 
Há um lado negativo implícito a todos essas quatro admoestações positivas, ou seja, para quem não deseja buscar e preservar a unidade espiritual, que enfraquece a igreja de CRISTO. O pecado é a mais devastadora falha para destruir a unidade, é o último ato de ingratidão para com DEUS. Estão dispostos e ansiosos para receber todas as bênçãos que o Senhor oferece, mas não estão dispostos a oferecer-lhe nada em troca. Como todos os outros pecados, a indiferença é uma violação da Palavra revelada de DEUS.
O apóstolo Baseia o seu fundamento principalmente na graça e bondade do Senhor, como evidenciado nas quatro realidades que acabamos de mencionar. Mas no início do versículo 2, ele acrescenta um desejo pessoal: a minha alegria completa.
Retribuir um servo fiel do Senhor é um objetivo legítimo para todos crentes terem. O Novo Testamento deixa claro que as igrejas devem amar, honrar, respeitar e apreciar os seus líderes humanos.
Paulo advertiu os tessalonicenses, "Nós pedimos a vocês, irmãos, que apreciem aqueles que trabalham diligentemente entre vós, e têm uma carga sobre vós no Senhor e dar-lhes instrução, vocês devem estimá-los com amor por causa de seu trabalho" (1 Tessalonicenses. 5:12-13). O escritor de Hebreus ordena: "Obedeçam aos seus líderes e submetam-se a eles, porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta a DEUS. Que façam isso com alegria e não gemendo, porque isso seria inútil para vocês "(Hb 13:17). Amar, honrar e apreciar os pastores e outros líderes da Igreja é perfeitamente consonante com amor, honra e ser grato ao Senhor. Porque ambos são divinamente ordenados, o primeiro é um modo de expressar este último.
 
AS MARCAS DA UNIDADE ESPIRITUAL
Tendo o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude. (2:2b)
As bênçãos espirituais que Paulo enumera só têm uma resposta adequada.
Neste único versículo Paulo dá quatro marcas essenciais da unidade espiritual.
O primeiro é estar sendo da mesma opinião. Essa frase traduz a auto phronete, que literalmente significa "a pensar a mesma coisa", ou "a mesma mentalidade." Pensar certo é essencial para a unidade espiritual que é um tema importante de Filipenses - das ocorrências vinte e seis de o Phroneo verbo no Novo Testamento, 10 encontram-se nesta carta.  
Paulo não está falando aqui sobre a doutrina ou padrões morais. Neste contexto, ser da mesma opinião, significa perseguir ativamente para alcançar uma compreensão comum em verdadeiro acordo. Alguns versículos adiante, o apóstolo declara que a única maneira de ter a harmonia é "ter a atitude de vocês que houve também em CRISTO JESUS" (2:5). Através da Palavra de DEUS e habitação do ESPÍRITO SANTO, os crentes podem conhecer a "mente de CRISTO" (1 Cor. 2:16). Depois de declarar sua determinação de "pressionar para que eu possa lançar mão do que para o qual também fui alcançado por CRISTO JESUS ... [e] prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de DEUS em CRISTO JESUS" (3:12, 14), ele admoesta os crentes de Filipos a ter a mesma atitude (Fp 3:15). Aqueles que têm uma atitude contrária provam que "têm suas mentes nas coisas terrenas" (3:19). Mais tarde, Paulo dá conselhos práticos para ser da mesma opinião: "Finalmente, irmãos, tudo é verdadeiro, tudo é honesto, tudo o que é direito, que é puro, amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma excelência e se é digno de louvor, devo me debruçar sobre essas coisas "(4:8).
Em Romanos, Paulo dá insights adicionados sobre ser da mesma opinião.
A primeira é que os crentes não devem "andar segundo a carne, mas segundo o ESPÍRITO. Para aqueles que são segundo a carne cogitam das coisas da carne, mas aqueles que são segundo o ESPÍRITO, das coisas do ESPÍRITO "(Rm 8:4-5). Como Paulo lembrou os crentes de Colossos, o conflito na igreja sempre vem de crentes 'definindo suas mentes "sobre as coisas que estão na terra" e não "sobre as coisas do alto" (Cl 3:2). Notas de Paulo em Romanos indicam que o crente "não deve pensar mais alto de si mesmo do que ele deveria  pensar", que é uma opinião subjetiva e errônea ", mas pensar de modo a ter bom senso, como DEUS repartiu a cada um medida da fé "(Rm 12:3).
"ser da mesma opinião uns com os outros, segundo CRISTO JESUS" (15:05). Paulo poderia, portanto, confiadamente aconselhar a igreja imatura e dividida em Corinto para "alegrar-se, ser completa, ser consolada, ser da mesma opinião, viver em paz, e o DEUS de amor e paz estará convosco" (2 Cor 13:11).  
A segunda marca de unidade espiritual é manter o mesmo amor, que flui para fora e aumenta o "ser da mesma opinião." Para ter o mesmo amor é amar os outros da mesma forma. Em um nível puramente emocional, com igual amor pelos outros é impossível, porque as pessoas não são igualmente atrativas. Ágape (amor), no entanto, é o amor de vontade, não de preferência ou atração. É baseado em uma escolha intencional, consciente de buscar o bem-estar de seu objeto.
Para ter o mesmo amor é para "se dedicar um ao outro em amor fraternal, [dando] preferência uns aos outros em honra", e inclui o desejo de servir aos outros por coisas como "contribuir para as necessidades dos santos, [e ] praticar a hospitalidade "(Rm 12:10, 13). Como Paulo continua a dizer nessa passagem, o amor ágape engloba os incrédulos, até mesmo aqueles que os perseguem são para ser abençoado e não amaldiçoado (v. 14). Mas, no presente texto, Paulo está se concentrando no mesmo amor especial e mútuo que os crentes devem ter uns pelos outros, o amor que ele fala em outra carta como "o amor de cada um de vocês para um outro [que] se torna cada vez maior "(2 Ts. 1:3).  
Em sua primeira carta, João deixa inequivocamente claro que o amor pelos outros crentes caracteriza um cristão genuíno: "Nós sabemos que passamos da morte para a vida", diz ele, "porque amamos os irmãos. Aquele que não ama permanece na morte "(1 João 3:14). Em outras palavras, a falta de amor em pelo menos algum grau de ágape genuíno (amor) para outros cristãos expõe a falta de salvação. O amor verdadeiro não é meramente sentimental, mas afeto a serviços sacrificiais. "Aquele que tiver bens deste mundo e vir o seu irmão em necessidade e fechar o seu coração contra ele, como o amor de DEUS permanecerá nele?" A Igreja regida pela humildade altruísta (Fp 2:3) produz vidas que transbordam com o amor genuíno e prático entre os crentes. Por outro lado, pecaminoso, o pensamento egocêntrico inibe amor e unidade. Dissensão e falta de unidade na igreja inevitavelmente resultam de falta de amor.  
A terceira marca da unidade espiritual está sendo unidos em espírito, que está intrinsecamente relacionado a ter a mesma mente e manter o mesmo amor. Sumpsuchos (unidos) significa literalmente "aquele de alma" e é usado somente aqui no Novo Testamento. Ele tem a mesma ênfase que "um espírito" de que fala 1:27. Para estar unidos em espírito e viver em harmonia altruísta com os irmãos. Por definição, exclui a ambição pessoal, egoísmo, ódio, inveja, ciúme, e os males inúmeros outros que são o fruto do amor-próprio.  
A unidade envolve uma preocupação profunda e apaixonada por DEUS, Sua Palavra, Sua obra, Seu evangelho, e Seu povo. Se existem dois cristãos, não importa o seu nível de maturidade espiritual e conhecimento das Escrituras, vão entender tudo exatamente de maneiras iguais porque se eles são controlados por humildade e amor, eles serão verdadeiramente unidos em espírito. Eles não vão permitir diferenças irrelevantes a dividi-los ou impedir o seu serviço para o Senhor.
A quarta marca de unidade espiritual é estar com a intenção de um objetivo, que é o companheiro natural de três anterior. Com a intenção de um propósito traduz uma forma participial de Phroneo, que Paulo usou no início deste verso ("o ser da mente ...") e usa novamente no versículo 5 ("ter atitude ..."). A frase a ser en phronountes (com a intenção de um objetivo) significa, literalmente, "pensando uma coisa" e, portanto, é praticamente sinônimo de ter "o mesmo espírito."  
Neste versículo o apóstolo apresenta um círculo completo de unidade - de uma mente, a um amor, um só espírito, para um propósito, que, como já foi dito, refere-se basicamente de novo à mente. Estes quatro princípios são complementares, sobrepondo-se e inseparáveis. A mesma idéia básica é expressa de quatro formas, cada uma com uma ênfase um pouco diferente, mas importante.  
Em Colossenses, Paulo resume bem estas marcas de unidade espiritual: Então, como aqueles que foram escolhidos de DEUS, santos e amados, de um coração de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência; união de uns com os outros, e perdoando-vos uns aos outros, quem não tem uma queixa contra ninguém, assim como o Senhor vos perdoou, assim também você deveria. Além de tudo isto sobre o amor, que é o perfeito vínculo de união. Deixe que a paz de CRISTO domine em vossos corações, para que de fato você fostes chamados em um corpo, e ser grato. Que a palavra de CRISTO habite em vós, com toda a sabedoria, ensinando e admoestando uns aos outros com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando com gratidão em vossos corações a DEUS. (3:12-16).
 
OS MEIOS ADEQUADOS PARA OBTER UNIDADE ESPIRITUAL
Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros. (2:3–4).
Ao apresentar estes cinco meios, Paulo responde à questão de como a unidade espiritual genuína é alcançada.
Depois de dizer nos versos 1-2, estes meios exigem pouca explicação ou comentário.
Como as quatro marcas de unidade espiritual, estes cinco meios estão inter-relacionados e inseparáveis. Três são negativos e dois positivos.  
Não é de estranhar que rejeitar o egoísmo é o primeiro da lista, uma vez que é a raiz de todos os outros pecados.
Foi colocando sua vontade acima de DEUS que Satanás caiu (cf. Isa. 14:12-17), e foi colocando suas próprias vontades acima de DEUS que Adão e Eva trouxeram o primeiro pecado ao mundo (Gn 3). A vontade própria tem sido o cerne de todo pecado subseqüente. Não há verbo (fazer) no texto grego, mas a forma gramatical (Meden kat eritheia, lit., "Nada por meio do egoísmo") expressa um comando negativo. Essa proibição vai muito além de mera ação; egoísmo é também ser totalmente excluído dos pensamentos mais íntimos do coração de DEUS.  
Paulo usou eritheia (egoísmo) no início desta carta, onde foi proferida "ambição egoísta" (1:17). Como observado na discussão desse texto, o termo não tinha originalmente uma conotação negativa e se limitou a remeter para uma diarista. Mas veio a ser usado metaforicamente, e quase exclusivamente, de uma pessoa que procura persistentemente vantagem pessoal e de ganho, independentemente do efeito sobre os outros. Muitas vezes era usada para a preservação e busca de auto-serviço injusta de cargos políticos. Ao tempo do Novo Testamento, que passou a significar desenfreada ambição egoísta em qualquer campo de atuação. Por razões óbvias, eritheia foi muitas vezes associada a rivalidade pessoal entre os partidos, brigas, disputas internas e conflitos. É geralmente realizada a idéia de construir a si mesmo, como em jogos de azar, onde o ganho de uma pessoa é derivada de perdas dos outros. A palavra descreve com precisão alguém que se esforça para promover a si mesmo usando a bajulação, a fraude, falsa acusação, contenda, e qualquer outra tática que parece vantajosa. Não é de surpreender, então, que Paulo listas eritheia ("disputas") como uma das obras da carne (Gl 5:20).  
O egoísmo é um pecado demorado e destrutivo. A primeira vítima e inevitável é a pessoa que o manifesta, mesmo que ninguém seja prejudicado. Porque este pecado, como qualquer outro, começa em um coração pecaminoso, qualquer pessoa pode cometê-lo, independentemente de se há uma oportunidade para que possa ser expressa externamente. Mesmo quando não se manifesta exteriormente existe o egoísmo, a raiva, o racismo, o ressentimento ou o ciúme. Nenhuma igreja, mesmo a mais doutrinariamente e espiritualmente madura, não está imune à ameaça do pecado, e nada pode mais rapidamente dividir e enfraquecer uma igreja. Ambição egoísta é muitas vezes vestida de retórica piedosa por aqueles que estão convencidos de suas próprias habilidades superiores na promoção da causa de CRISTO.  
A julgar pelo registro do Novo Testamento, nenhuma igreja teve um problema maior com esse pecado do que o de Corinto. Paulo implorou-lhes: "Exorto-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor JESUS CRISTO, que todos concordam e que não haja divisões entre vós, mas que sejam completos em um mesmo pensamento e no mesmo parecer. Por eu ter sido informado acerca de vós, meus irmãos, por familiares de Cloe, que há contendas entre vós "(1 Cor. 1:10-11). Várias facções havia na igreja que preferiam ou Apolo, ou Pedro, ou Paulo. Um grupo, provavelmente o mais hipócrita, alegou seguir apenas "CRISTO." Mas "Está CRISTO está dividido?" O apóstolo perguntou com espanto. "Paulo foi crucificado por causa de você? Fostes batizados em nome de Paulo "(vv.12-13;. Cf 3:4-6)?. Em uma repreensão forte, mais tarde ele disse-lhes: Eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a homens carnais, como a crianças em CRISTO. Eu lhes dei leite para beber, não alimento sólido, pois vocês não estavam em condições para recebê-lo. Na verdade, até agora vocês ainda não são capazes, porque ainda são carnais, uma vez que há inveja e divisão entre vocês, vocês não são carnais, e vocês não estão andando como meros homens sem conhecimento de DEUS? (3:1-3). 
Promover a causa de CRISTO e a unidade de sua igreja estava longe de suas principais finalidades. Ambição egoísta é produzida pelas "obras da carne" (Gl 5:19-20). Envenena mesmo os trabalhos feitos em nome de causas claramente bíblicas. Hipocritamente a pretensão de servir a DEUS enquanto na verdade, estavam servindo a si mesmos era a marca dos escribas e fariseus (cf. Matt. 15:1-9).  
Discórdia e divisão são inevitáveis quando as pessoas se concentram em si próprios para a exclusão de outros na igreja. Muitas vezes, um foco tão estreito surge pela paixão genuína para um ministério importante. Onde quer que haja "inveja e espírito faccioso", qualquer que seja a causa ", há desordem e toda espécie de males" (Tiago 3:16).  
 
Um segundo meio para promover a unidade espiritual é abandonar a presunção vazia.
"vanglória." Refere-se a uma exagerada auto-promoção, que nada mais é que vaidade vazia. Considerando que a ambição egoísta persegue objetivos pessoais, vanglória busca a glória pessoal e aclamação. Pertence a realizações pessoais, a uma super valorização da auto-imagem. Compreensivelmente, uma pessoa com tal presunção considera-se sempre estar certo e espera que os outros concordem com ele. A unidade só e valores são centrados em si mesmo.  
Vanglória é o orgulho arrogante, ser "sábio em sua própria estimativa" (Rom. 11:25). Os gregos antigos não admiravam a humildade, pensando que era um sinal de fraqueza. Mas mesmo eles reconheceram que a supervalorização de uma pessoa de si mesmo pode se tornar tão exagerado a ponto de ser presunçoso e desprezível. A palavra usada pode ser arrogância. Em sua longa lista de pecados que caracterizam o descrente, a humanidade rebelde, Paulo usa uma palavra derivada de arrogância, que é traduzida como "insolente" (Rom 1:30). Em sua carta às igrejas da Galácia, ele advertiu: "Porque, se alguém pensa ser alguma coisa quando ele não é nada, ele engana a si mesmo" (Gal. 6:3). Porque vanglória é, por natureza, auto-enganoso, os crentes devem estar em constante guarda contra ela. É um inimigo implacável da unidade espiritual.  
 
O terceiro meio de promover a unidade espiritual que Paulo menciona aqui é positivo: a humildade de espírito.
É o oposto da ambição egoísta e da vaidade vazia e é o corretivo para eles. A humildade de espírito é o alicerce do caráter cristão e da unidade espiritual. Não é por acaso que a primeira bem-aventurança é fundacional refere-se a ser "pobre de espírito" (Mateus 5:3), que é sinônimo de humildade de espírito.  
A humildade de espírito traduz a palavra grega tapeinophrosune, que literalmente significa "humildade de espírito." Em Atos 20:19 e 4:2 Efésios ela é traduzida como "humildade". Na literatura grega secular, os tapeinos adjetivo ("humilde") foi usado exclusivamente de uma forma irônica para um escravo. Ele descrevia o que foi considerado base, comum, sem condições, e tendo pouco valor. Assim, não é surpreendente que a tapeinophrosune substantivo não tem sido encontrada em qualquer literatura extra bíblica grega antes do segundo século. Parece, portanto, ter-se originado no Novo Testamento, onde, juntamente com seus sinônimos, ele sempre tem uma conotação positiva. A humildade de espírito é o oposto do orgulho, pecado que sempre separou os homens caídos de DEUS, tornando-os, com efeito, servos de seus próprios deuses.  
A humildade é também uma virtude dominante no Velho Testamento. "Quando vem a soberba, então vem a desonra", alerta Salomão ", mas com os humildes está a sabedoria" (Pv 11:2). Mais tarde, ele declara: "É melhor ser humilde de espírito com os humildes do que repartir o despojo com os soberbos" (16:19). Zacarias descreve o rei de vinda messiânica como "justo e dotado de salvação, humilde e montado num jumento, mesmo em um jumentinho, filho de jumenta" (Zc 9:9), uma profecia que Mateus aplica especificamente a entrada triunfal, mas humilde de JESUS em Jerusalém no Domingo de Ramos (Mateus 21:5).  
Moisés era "muito humilde, mais do que qualquer homem que estava na face da terra" (Num. 12:3). Davi disse: "Por que o Senhor é exaltado, Ele respeita os humildes, mas o arrogante Ele conhece de longe" (Sl 138:6). Em outro salmo, ele escreveu: "Os humildes herdarão a terra" (Sl 37:11), uma passagem que JESUS citou nas bem-aventuranças: "Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra" (Mateus 5:5). JESUS descreveu a Si mesmo como "manso e humilde de coração" (11:29). Sem orgulho ou a hipocrisia, Paulo poderia testemunhar honestamente a respeito de si mesmo aos anciãos de Éfeso: "Vós bem sabeis, desde o primeiro dia que entrei na Ásia, como eu estava com vocês o tempo todo, servindo ao Senhor com toda a humildade" ( Atos 20.18-19). Três vezes em dois versículos em sua primeira carta Pedro chama à humildade: "Todos vocês, revesti-vos com humildade em relação ao outro, porque DEUS resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Portanto, humilhem-se sob a poderosa mão de DEUS, que Ele vos exalte no tempo apropriado "(1 Pedro 5:5-6).  
Isso não significa fingir que os outros são mais importantes, mas acreditar que os outros realmente são mais importantes.  
Mais importante traduz uma forma participial de huperecho, que incorpora a palavra grega da qual é tomada a palavra hiper do Inglês. Ele intensifica e eleva o que está em vista, de modo que isso significa "para exceder, ultrapassar, ou ser superior a." Em Romanos, Paulo usa a palavra para falar da "BCE [lit. 'Supreme'] autoridades "para que" cada pessoa é estar em sujeição "(Rm 13:1; cf.1 Pedro 2:13). Mais tarde, na presente carta, Paulo usa a palavra para descrever "a superação [supremo, insuperável] valor do conhecimento de CRISTO JESUS, meu Senhor" (Fp 3:8), e para proclamar que "a paz de DEUS, que excede [muito superior, é superior a] todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em CRISTO JESUS "(4:7). É claro que Paulo tem em mente uma visão de outros, que não é natural ao homem natiural e é extremamente difícil para os crentes alcançarem. Talvez a melhor maneira de abordar esse desafio aparentemente irreal e impossível seja para os crentes levarem em consideração os seus próprios pecados. Os crentes sabem muito mais sobre seus próprios corações do que o coração dos outros. Reconhecendo o pecado de seus corações deve excluir qualquer arrogante auto-exaltação. Se Paulo via a si mesmo como "o menor dos apóstolos, e não sou digno de ser chamado apóstolo" (1 Cor. 15:9), "o mínimo de todos os santos" (Ef 3:8), e até mesmo o maior dos pecadores (1 Tm 1:15.), como poderia qualquer crente honestamente pensar em si mesmo em qualquer modo mais elevado?
 
Um quarto meio para promover a unidade espiritual é a admoestação negativa, não se limitam a olhar para seus próprios interesses pessoais.
Skopeo (olhar para) significa observar algo. Mas, como neste contexto, que muitas vezes levou as idéias adicionais de dar atenção e consideração especial. Ao incluir apenas (assim como também na frase seguinte), o apóstolo exclui a idéia bíblica de que o ascetismo reflete um nível mais profundo da espiritualidade e ganha aprovação divina especial. Pelo contrário, é uma manifestação sutil e enganosa de orgulho legalista.  
Paulo cuidadosamente disciplinava seu próprio corpo para torná-lo seu escravo, para evitar tornar-se seu escravo e, assim, desqualificar-se para o ministério (1 Coríntios. 9:27). Ele experimentou o "trabalho e fadigas, muitas noites sem dormir, com fome e sede, muitas vezes sem comida, frio e nudez" (2 Coríntios. 11:27). Mas ele nunca fez isso propositadamente para causar qualquer dano auto-infligido ao seu corpo. Durante Seu ministério terreno, JESUS nem praticou, nem aprovou a auto-flagelação de seu próprio corpo. Ele comia e dormia regularmente, teve cuidado de seu corpo, e esperava que seus seguidores fazessem o mesmo. Note-se que o jejum bíblico (Mt 6:16-17; 9:14-15) não está relacionado com o ascetismo auto-destrutivo.  
Os problemas surgem quando a defesa da Palavra de DEUS torna-se obscurecida pela auto-defesa.
É uma tragédia imensurável que a cultura moderna (incluindo grande parte da igreja) com a influência da psicologia secular, rejeitou os princípios divinamente ordenados de humildade e abnegação.
 
O quinto e último meio Paulo menciona aqui para promover a unidade espiritual é o de olhar para os interesses dos outros.
É o lado positivo do princípio anterior, não apenas olhando para os próprios interesses pessoais. Como os outros, este princípio está relacionado principalmente às relações entre os crentes, especialmente aqueles que trabalham juntos no ministério. É ampla e geral, sem mencionar quaisquer interesses particulares ou sugerindo que é incluído por outros.  
Tal como os outros princípios mencionados aqui, olhando para os interesses dos outros é indispensável para a unidade espiritual. Também este exige um esforço deliberado e persistente para aplicar sinceramente e incondicionalmente a decisão de se esforçar. E, embora o significado é óbvio e fácil de entender, é difícil de aplicar. É o resultado prático do comando excessivamente difícil a considerar os outros como mais importante do que nós mesmos.  
Entre outras coisas, olhando para os interesses dos outros requer crentes para "alegrar-se com os que se alegram e choram com os que choram" (Rm 12:15), para melhorar continuamente a "buscar as coisas que servem para a paz e a edificação um do outro, "para não" comer carne ou beber vinho ... ou ... fazer alguma coisa pela qual o irmão tropece "(14:19, 21), e para" suportar as fraquezas dos que, sem força não agradam a nós mesmos"(15:1). É o "suportar cargas uns dos outros, e assim cumprir a lei de CRISTO" (Gal. 6:2).
 
 
 
Nosso assunto de hoje pode ser melhor assimilado também quando fazemos um estudo sobre nossa responsabilidade como cristãos:
O crente em JESUS tem grande responsabilidade, diante de DEUS e dos homens, para que, com seu testemunho, glorifique o nome do Senhor.
“VÓS SOIS O SAL DA TERRA”
1. Propriedades do sal. Na Química, o sal é chamado Cloreto de Sódio. Esta substância tem propriedades importantes. Por isso, JESUS a usou para tipificar o papel daqueles que são seus discípulos.
a) O sal preserva. Desde tempos imemoriais, o sal tem sido utilizado pelos povos como substância conservante, que preserva as características dos alimentos. O cristão, como o sal espiritual, tem a capacidade de preservar o ambiente sob sua influência. O crente tem o dever de “salgar” para preservar sua família, seus amigos, crentes ou não e todos os que estejam de uma forma ou de outra sob sua influência.
b) O sal dá sabor. Uma comida sem sal nunca é vista como saborosa. Normalmente, é indicada para pessoas que estão com problemas de saúde, para quem é contra-indicado o uso do sal. A Bíblia registra a importância do sal, como elemento que dá sabor: “Ou comer-se-á sem sal o que é insípido? Ou haverá gosto na clara do ovo?” (Jó 6.6). Da mesma forma, o crente em JESUS tem a propriedade de dar sabor espiritual ao ambiente em que vive, à vida dos que lhe cercam. É necessário ter sal na vida, ou seja, um viver cheio de alegria, de poder, entusiasmo, cheio do ESPÍRITO SANTO.
2. Sal na medida. Uma das características do sal é sua “humildade”. Ele preserva e dá sabor, sem aparecer. Assim é o crente fiel. Ele é humilde.
Não faz questão de aparecer. Quando o sal “aparece”, pelo excesso, ninguém suporta. O crente como sal prega mais com a vida do que com palavras.  Há os que não têm mais sal em suas vidas. São os liberalistas, que se acomodam com o mundanismo, e dizem que nada é pecado. É preciso ter equilíbrio no testemunho. Paulo disse: “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um” (Cl 4.6).

“VÓS SOIS A LUZ DO MUNDO”
Fazendo uso de metáforas, JESUS afirmou que os seus discípulos são “a luz do mundo”. Figura extraordinária essa! Diferentemente do sal, que não é visto em ação, a luz só tem valor quando é percebida, quando aparece.
1. O testemunho elevado. Comparando seus seguidores como luz do mundo, JESUS disse que “não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte”. Ele “nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em CRISTO JESUS” (Ef 2.6). O salmista reconhecia essa posição elevada, quando disse: “Leva-me para a rocha que é mais alta do que eu” (Sl 61.2).
2. Crentes no velador. JESUS disse que não se “acende uma candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos os que estão na casa” (v.15). “Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em DEUS” (Jo 3.21). Infelizmente, há pessoas nas igrejas, que se colocam debaixo do alqueire do comodismo, da indiferença, da falta de fé e de ação, e apagam-se, por lhes faltar o oxigênio da presença de DEUS.
3. O testemunho que resplandece (v.16). “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens...” O crente em JESUS não tem luz própria. Ele não é estrela, com luz própria. Ele pode ser comparado a um planeta, que é um astro iluminado por uma estrela, em torno do qual ele gravita. Na verdade, nós somos iluminados por JESUS. Com nosso testemunho, precisamos esparzir a “luz do evangelho da glória de CRISTO” (2 Co 4.4).
4. “Para que vejam as vossas boas obras”. O crente, como luz, dá seu testemunho, através das boas obras de salvo, “Porque somos feitura sua, criados em CRISTO JESUS para as boas obras, as quais DEUS preparou para que andássemos nelas” (Ef 2.10). Paulo, exortando os crentes acerca do testemunho, disse que fizessem tudo “para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de DEUS inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo” (Fp 2.15). Em Provérbios, lemos: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” (Pv 4.18).

CONCLUSÃO
O testemunho cristão, segundo os ensinos de JESUS, deve ser de tal modo elevado, que os homens possam ver as boas obras do crente, e glorifiquem a DEUS por causa delas.
 
OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Compreender as características comportamentais de um cidadão do céu.
Contextualizar o comportamento digno do crente ante uma posição oposta.
Promover a unidade da igreja.
 
RESUMO DA LIÇÃO 3 -  O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
1. O crente deve "portar-se dignamente".
2. Para que os outros vejam.
3. A autonomia da vida espiritual.
II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30)
1. O ataque dos falsos obreiros.
2. O objetivo dos falsos obreiros.
3. Padecendo por CRISTO.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
1. O desejo de Paulo pela unidade.
a) Consolação de amor, comunhão no ESPÍRITO e entranháveis afetos e compaixões.
b) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa.
2. O foco no outro como em si mesmo.
3. Não ao individualismo.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1) - O comportamento de um cidadão do céu reflete a autonomia espiritual que o crente deve apresentar no relacionamento com o outro.
SINOPSE DO TÓPICO (2) - O cidadão do céu enfrentará ataques de cristãos não comprometidos com o Evangelho, por isso, ele deve estar cônscio que o seu chamado é o de padecer por CRISTO.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - O cidadão do céu deve ter o foco no outro como o tem em si mesmo. Ali, não deve haver lugar para o individualismo.
 
VOCABULÁRIO
Arrebol: Vermelhidão do pôr do sol.
Hedonitas: Pessoas que consideram o prazer individual e imediato o único bem possível.
Sectarismo: Partidarismo; tendência a preferir, ou formar, um grupo em detrimento do todo.
Sibaritas: Da antiga cidade grega de Síbaris (Itália). Pessoas dadas a indolência ou à vida de prazeres, por alusão aos antigos habitantes de Síbaris, famosos por suas riquezas e voluptuosidade.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
HOLMES, Arthur F. Ética: As decisões Morais a Luz da Bíblia. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2000.
PACKER, J. I. O Plano de DEUS Para Você. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 55, p.37.
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 3 -  O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
Responda conforme a revista da CPAD do 3º Trimestre de 2013 - FILIPENSES
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas verdadeiras e com "F" as falsas
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Somente deveis portar-vos _______________________________ conforme o evangelho de CRISTO, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo __________________________, combatendo juntamente com o mesmo ________________________________ pela fé do evangelho" (Fp 1.27).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
O Evangelho de CRISTO produz em cada crente um comportamento ___________________________ e __________________________________ diante de DEUS e do ___________________________________.
 
COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO
3- Onde o testemunho do cristão é testado?
(    ) Tanto pelos de fora (que não são líderes) quanto pelos de dentro (Liderança).
(    ) Tanto pelos de fora (sociedade) quanto pelos de dentro (igreja).
(    ) Tanto pelos de fora (mundo) quanto pelos de dentro (família).

I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
4- De que maneira o crente deve "portar-se?
(    ) Dignamente.
(    ) Este termo sugere a figura de uma balança com dois pratos, onde o fiel da pesagem determina a medida exata daquilo que está sendo avaliado.
(    ) Este termo sugere a figura de uma balança com um só prato, onde o fiel da pesagem determina a medida exata daquilo que está sendo avaliado.
(    ) Precisamos de firmeza e equilíbrio em nossa vida cotidiana, pois esta deve harmonizar-se à conduta do verdadeiro cidadão dos céus.

5- O que Paulo desejava dos filipenses para que pudessem enfrentar os falsos obreiros que, sagazmente, intentavam desviá-los de CRISTO?
(    ) Queria ouvir destes que estavam vivendo num "mesmo sentido, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé em sua soltura por parte do Império romano"
(    ) Queria ouvir destes que estavam vivendo num "mesmo tempo, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela pregação do evangelho"
(    ) Queria ouvir destes que estavam vivendo num "mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho"
 
6- Naquele momento a sociedade caracterizava-se por uma filosofia mundana e idólatra, na qual o imperador era o centro de sua adoração. O que os filipenses teriam que fazer?
(    ) Os filipenses teriam de desenvolver uma vida espiritual autônoma em JESUS, pois o apóstolo nem sempre estaria com eles.
(    ) Os filipenses teriam de desenvolver uma vida espiritual independente de JESUS, pois o apóstolo nem sempre estaria com eles.
(    ) Diante da sociedade que os cercava, Paulo esperava dos filipenses uma postura firme, mas equilibrada.
(    ) O Senhor nos chama a ser firmes e equilibrados, testemunhando aos outros como verdadeiros cidadãos do céu.

II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30)
7- De quem vinha a resistência ao evangelho, na igreja dos filipenses?
(    ) Vinha através dos filipenses que negavam a divindade de CRISTO e os valores ensinados pelos apóstolos.
(    ) Vinha através de pregadores que negavam a divindade de CRISTO e os valores ensinados pelos apóstolos.
(    ) Vinha através de ensinadores que negavam a vinda de CRISTO e os valores ensinados pelos apóstolos.
 
8- Qual o objetivo dos falsos obreiros em Filipos?
(    ) Eles incitavam os filipenses a soltarem Paulo da cadeia pela força.
(    ) Os falsos obreiros queriam intimidar os cristãos sinceros.
(    ) Eles aproveitavam a ausência de Paulo e de seus auxiliares para influenciar o pensamento dos filipenses e, assim, afastá-los da santíssima fé.
 
9- Qual o conselho de Paulo para os filipenses e para nós a respeito dos falsos obreiros?
(    ) O apóstolo adverte para que os filipenses não se espantassem.
(    ) De igual modo, não devemos temer os que torcem a sã doutrina.
(    ) Guardemos a fé e falemos com verdade e mansidão aos que resistem a Palavra de DEUS.
(    ) Guardemos a fé e falemos com verdade e autoridade aos que admitem a Palavra de DEUS.

10- O que nos ensina Paulo sobre o padecer (ou sofrer) por CRISTO?
(    ) A Teologia da Prosperidade rejeita por completo a idéia do sofrimento.
(    ) A Teologia da Prosperidade rejeita quase que por completo a idéia do sofrimento e da pobreza.
(    ) A Palavra de DEUS não apenas contradiz essa heresia, mas desafia o crente a sofrer por CRISTO.
(    ) É um privilégio para o cristão padecer por JESUS.
(    ) Paulo compreendia muito bem esse assunto, pois as palavras de CRISTO através de Ananias cumpriram-se literalmente em sua vida.
(    ) Os crentes filipenses aprenderam com o apóstolo que o sofrimento, por CRISTO, deve ser enfrentado com coragem, perseverança e alegria no ESPÍRITO.
(    ) Aprendamos, pois, com os irmãos filipenses.
 
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
11- Como a Igreja manterá a unidade se os seus membros forem egoístas e contenciosos? 
Este era o desafio do apóstolo em relação aos filipenses. Quais soluções são apresentadas por Paulo para solução desse grave problema? Complete:
Tais palavras opõem-se radicalmente ao espírito sectário e soberbo que predominava em alguns grupos da congregação de Filipos:
a) Consolação de __________________________, comunhão no _____________________________ e _______________________________ afetos e compaixões. __________________________________________ é o assunto fundamental dos filipenses. Por isso, a sua experiência deveria consistir na consolação mútua no amor de DEUS e na comunhão do ESPÍRITO SANTO, refletindo a ternura e a compaixão dos crentes entre si (cf. At 2.42ss.).
b) Mesmo _______________________________, mesmo ______________________________ e sentindo uma ______________________ coisa. Quando o afeto permeia a comunidade, temos condições de viver a _________________________ do amor no ESPÍRITO SANTO. O apóstolo Paulo "estimula os filipenses a se amarem uns aos outros, porque todos têm recebido este mesmo amor de DEUS" (Comentário Bíblico Pentecostal, p.1290). Consolidada a unidade, a _______________________________ cristã será refletida em todas as coisas.

12- "Cada um por si e DEUS por todos". Qual o ensinamento paulino sobre tal idéia?
(    ) O apóstolo concorda em parte com a idéia.
(    ) O apóstolo convoca os crentes de Filipos a buscar um estilo de vida oposto ao egoísmo e ao sectarismo dos inimigos da cruz de CRISTO.
(    ) No lugar da prepotência, deve haver humildade; no lugar da auto-suficiência, temos de considerar os outros superiores a nós mesmos.

13- Como Paulo trata o individualismo?
(    ) Isto "rememora o exemplo de Paulo, de colocar as necessidades dos filipenses em último lugar (escolhendo permanecer com eles).
(    ) Paulo adverte: "Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros".
(    ) Esta atitude remonta a um dos ensinos mais basilares do Evangelho: "ama o teu próximo como a ti mesmo".
(    ) Isto "rememora o exemplo de Paulo, de colocar as necessidades dos filipenses em primeiro lugar (escolhendo permanecer com eles).
(    ) Isto "rememora o exemplo de Paulo, de procurar seguir o exemplo de CRISTO de não sentir que as prerrogativas da divindade sejam 'algo que deva ser buscado' para os seus próprios propósitos".

CONCLUSÃO
14-  Complete:
Com a ajuda do ESPÍRITO SANTO, podemos superar tudo aquilo que _________________________ a humildade e o relacionamento _________________________ entre nós. O ESPÍRITO ajuda-nos a evitar o _________________________________, o egoísmo e a vanglória (Gl 5.26). Ele produz em nosso coração um sentimento de amor e __________________________ pelos irmãos da fé (Fp 2.4). A unidade cristã apenas será possível quando tivermos o sentimento que produz harmonia, comunhão e ______________________________________: o amor mútuo. O nosso comportamento como cidadãos dos céus deve ser conhecido pela ___________________________ do amor (Jo 13.35).
 
RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm 
 
AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão - nº 55 - CPAD.
Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
GARNER, Paulo. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. 
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
AS GRANDES DEFESAS DO CRISTIANISMO - CPAD - Jéfferson Magno Costa
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas
Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - Warren W . Wiersbe
Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, John Rea - CPAD.
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD.
25 Maneiras de Valorizar as Pessoas - Autores: John C. Maxwell & Les Parrott, PH. D. - Editora: SEXTANTE
Perdoando Para Viver - Autor: Wilson de Souza- Editora: MK Editora
Filipenses - A Humildade de CRISTO Como Exemplo Para a Igreja - Elienai Cabral - Livro tema do trimestre
Filipenses - Introdução e comentário - Ralph P. Martin - Série Cultura Bíblica - Editora Vida
Filipenses_Hendriksen (1)
John Macarthur - Comentáio Filipenses
Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Filipenses - F. F. Bruce - Série Cultura Bíblica - SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA - São Paulo - SP - 12ª edição 2002
http://www.gospelbook.net
www.ebdweb.com.br
http://www.escoladominical.net
http://www.portalebd.org.br/
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/

 

Fonte:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!.EU SOU MARCIO DE MEDEIROS-PROF.DO SETEF,SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.JESUS TE AMA E MORREU POR VOÇÊ!!!.
TEMOS,1 SITE DESTINADO A CULTURA GERAL , OUTRO SITE DESTINADO À ASSUNTO BÍBLICOS E UM OUTRO SITE DESTINADO À ENTRETENIMENTO,TEMOS:JOGOS,FILMES,DESENHOS ETC.USE OS LINKS ABAIXO PARA VISITAREM OS SITES.TEMOS 3 SITES E 1 BLOG.BOM PROVEITO!.

https://sites.google.com/
http://www.prof-marcio-de-medeiros.webnode.com/
http://profmarcio.ucoz.com