CONTADOR DE VISITAS

contador de acessos

Funk Gospel- Novas 2016-2017

FUNK E NOVO SOM

funk gospel e infantil

MX GOSPEL

HINOS JUDAICOS E ROMANTICAS

FUNK GOSPEL- VARIOS

MUSICAS MESSIANICAS

MELODY E VARIAS

VIDEO DO POKEMON

ESTUDO-INFERNO

Jogos para voce

ORIENTE MÉDIO

TURMINHA DA GRAÇA E MIDINHO

OS TRAPALHOES E A PRINCESA XUXA

Os trapalhoes-vol. 2

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAPOLIN

PRIMEIRO EPISÓDIO DO CHAVES

DE GRAÇA RECEBESTE, DE GRAÇA DAI!!!!.

DE GRAÇAS RECEBESTES,DE GRAÇA DAI-MT10.8

ESTUDO-Jo 3.16

ESTUDO SOBRE ADORAÇÃO

INFANTIL

HINOS JUDAICOS

FUNK GOSPEL E ROMANTICAS 03

JOGO DE PERGUNTAS BÍBLICAS

CLIQUE PARA RESPONDER AS PERGUNTAS Coloque este widget em seu blog

FUTEBOL COM CARROS

JOGO ATIRE NAS GARRAFAS

JOGO DA BALEIA

JOGO DA BALEIA

Jogo pac man

JOGO BASKET

JOGO blast

JOGO MAGNETO

JOGO DE CORRIDA

Corrida Bíblica–o game

JOGO DA VELHA 02

Mais Jogos no Jogalo.com JOGO DA VELHA 02

JOGO BÍBLICO DE PERGUNTAS

Noticias g1

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS

LEITURA EM INGLÊS 02

LEITURA EM INGLÊS 02

NOVO SOM E DIVERSOS

funk gospel e musica judaica 02

ROMANTICASM JUDAICA E FUNK GOSPEL

RELÓGIO COM MENSAGEM

ROMANTICAS E FUNK GOSPEL

ROMANTICAS E FUNK GOSP. 02

ROMANTICAS GOSPEL

FUNK GOSPEL 25

FUNK GOSPEL 24

FUNK GOSPEL23

FUNK GOSPEL 22

FUNK GOSPEL 21

funk gospel 20

FUNK 19

/>

funk gospel 18

FUNK GOSPEL 16

FUNK GOSPEL 15

FUNK GOSPEL 14

GOSPEL FUNK 17

Prof. Marcio de Medeiros--ESTUDO SOBRE O INFERNO

NOTICIAS DE CONCURSOS

BEM ESTAR -GNT

FILME-A ÚILTIMA BATALHA

BATE PAPO CRISTÃO

Qual é a sua avaliação sobre este blog?

Formulario de autoresposta


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


NOVO SOM-ROMANTICAS

FUTEBOL 03

Placares oferecidos por futebol.com

FUTEBOL 04

Tabela futebol Brasileirão Serie A oferecida por Futebol.com

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF

HOMENAGEM AO PROF. MARCIO DE MEDEIROS,FEITA PELOS SEMINARISTAS DO SETEF-SEMINARIO TEOLÓGICO FILADÉLFIA-J. BOM PASTOR-BELFORD ROXO-RJ

CAIXA DE CURTI FANPAGE

CUMPRIMENTO AO VISITANTE

link me

Prof Marcio de Medeiros

Por favor coloque este codigo em seu site ou blog e divulgue o nosso blog

NOTÍCIAS RIO

REDECOL NOTICIAS




NOTICIAS

G1 NOTICIAS

G1 NOTICIAS

MENTE MILIONARIA

MENTE MILIONARIA-COMO SER BEM SUCEDIDO FINANCEIRAMENTE
CLIQUE E ASSISTA!!!!

PROP. DA PAGINA NO FACE04

BUSCA DE EMPREGOS

BATIDAO GOSPEL 10

FUNKS DIVERSOS 11

BATIDÃO GOSPEL12

FUNK GOSPEL 13

Batidao 09

BATIDAO 08

BATIDÃO 07

BATIDÃO GOSPEL 06

BATIDÃO GOSPEL 3

BATIDÃO GOSPEL 4

BATIDÃO GOSPEL 07

BATIDÃO GOSPEL

BATIDÃO GOSPEL 2

BATIDAO GOSPEL 05

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE

SITE DE ENTRETENIMENTO

UTILITARIOS EM GERAL

CALENDARIO E JESUS

CALENDÁRIO E PAISAGEM

musicas do c.c e da harpa

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 03

BANNER DO SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ENTRETENIMENTO

MENSAGEM PARA VOÇÊ 2

SITE DE ENTRETENIMENTO

SITE DE ASSUNTOS BÍBLICOS

SITE DE CULTURA

DESENHO DA CRIAÇÃO E DE NOÉ

DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A CRIAÇÃO
CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTÍ-LO
DESENHO SOBRE A ARCA DE NOÉ-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO SOBRE JOSUÉ

DESENHO SOBRE JOSUÉ-CLIQUE PARA ASSISTIR.

DESENHO SOBRE MOISÉS

DESENHO SOBRE MOISÉS-CLIQUE E ASSISTA.

DESENHO-O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS-CLIQUE PARA ASSSITIR

FILME-INFERNO EM CHAMAS

FILME O INFERNO EM CHAMAS

PROPAGANDA DA PAG. DO FACE 02

DA LINK SA PAG.DO FACE DO BLOG

AULA DE BIBLIOL.SETEF-07/05/13

AULA DE BIBLIOLOGIA-DATA:07/05/13- MINISTRADA DO SEMINARIO SETEF

Pag do facebook 02

quinta-feira, 25 de junho de 2015

718-MAIS UM RESQUICIO DO PAGANISMO.EVANGELICOS PAGANIZADOS

es





O crente e as festas juninas

ALGUNS MOTIVOS PARA NÃO PARTICIPAR DAS FESTAS JUNINAS
a) Plágio do paganismo;
b) Os santos não ouvem orações e nem têm poder para as intermediarem junto a Deus (Ec 9.5,6);
c) Deus condena a invocação de mortos e qualquer manifestação espiritual dedicada a eles (Is
8.19; Dt 18.9-12);
d) Os louvores e honras prestados nesses festejos, na verdade, são recebidos por outros espíritos
(1 Co 10.14-21);
e) As comidas servidas ou vendidas nessas festas são benzidas, consagradas ao santo do dia, prática proibida pela Bíblia (At 15.29; 1 Co 10.21)
f) O pior perigo é os crentes perderem a sua identidade como partes do povo de Deus. Conviver mais de perto com os povos da terra torna o cristão mais suscetível às suas influências e ao pecado. A tendência de relativizar o pecado, julgando que não tem importância, que devemos nos contextualizar, traz o perigo da apostasia, a qual não se apresenta com uma forma definida.Ela vai se instalando aos poucos, quando o crente vai perdendo o compromisso do seu testemunho cristão num mundo
g) O crente fica mais vulnerável aos ataques do inimigo, quando abre portas no seu coração para as práticas da idolatria.



Analisar sobre as festas juninas exige uma reflexão teológica, pois na realidade são festas religiosas, embora tidas como folclore. Elas fazem parte das manifestações populares mais praticadas no Brasil e homenageiam quatro santos católicos: Santo Antonio (13 de junho), São João (24 de junho) e São Pedro e São Paulo (29 de junho).
Esta reflexão não tem por objetivo atacar nenhuma religião, já que, por direito constitucional,todos podem professar o credo que desejarem e devem ser respeitados. A intenção é confrontara prática dos festejos juninos com a Palavra de Deus e com a verdadeira religião, que é a religiãoda obediência irrestrita e voluntária a essa Palavra, independente de placas que identifiquem as igrejas.
Vivemos um tempo de confusão dentro da igreja do Senhor. A permissividade, infelizmente, está sendo muito bem aceita pelas igrejas, que adaptam aos seus costumes práticas espirituais absorvidas e preconizadas pelos grupos idólatras. Vemos muitas aderindo às festas juninas, outras adotando as “festas julinas”, trazendo para os seus arraiais as manifestações próprias das
tradições religiosas que cheiram ao paganismo.
Existem os que, embora suas igrejas não adotem tais festejos, participam dos mesmos em quermesses e festas promovidas por outros grupos. Nada contra reuniões de descontração, saborear comidas da roça e se alegrar, já que somos um povo festeiro e gostamos muito de nos reunir com a família espiritual. Mas a Bíblia nos chama ao cuidado com os festejos de fundo religioso que a contradizem em sua essência. Qual é a essência da Bíblia? A Bíblia é essencialmente Cristocêntrica e essencialmente monoteísta, rejeitando toda adoração e toda invocação de espíritos fora da Trindade Santa. A nossa oração é feita ao Pai, em nome de Jesus e
com a orientação do Espírito Santo (Jo 14.13,14,26).
O PERIGO DA IDOLATRIA
Por trás dessas festas estão os personagens, pessoas que viveram realmente e que foram canonizadas por um poder religioso terreno, as quais podem receber devoção, preces e sacrifícios. As comemorações de cunho religioso foram apropriadas de tal forma pelo povo brasileiro que ele transformou o Carnaval – ritual de folia que marca o início da quaresma católica, período que vai da quarta-feira de Cinzas ao domingo de Páscoa – em uma das maiores expressões festivas do Brasil no decorrer do séc. XX, com características cada vez mais imorais e perniciosas. Do mesmo modo, as comemorações dos santos católicos fazem parte de um ciclo festivo que passou a ser conhecido como festas juninas.
QUE MAL HÁ EM PARTICIPAR DE UMA FESTA TÃO ALEGRE?
O mais grave dos pecados que o ser humano pode cometer é a prática da idolatria, porque coloca outros no lugar que pertence somente a Deus. O coração passa a ser ocupado por deuses eleitos pelos homens e construídos pelas suas mãos. Ser idólatra é dirigir preces e devoção a intermediários que não são deuses. Como diz o Salmo 115.4-8: “Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não vêem; têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram; têm mãos, mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. Tornem-se semelhantes a eles os que os
fazem, e todos os que neles confiam”.
O primeiro mandamento dado por Deus é que Ele seja reconhecido e amado como único Deus. O segundo mandamento condena qualquer manifestação de veneração aos ídolos: “Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas, nem as servirás”, Êx 20.1-6.
A veneração aos santos forma o pano de fundo das manifestações populares nas festas juninas. Todo o aparato que precede o dia da festa em si, é feito com intenção voltada para o santo da festa. Exemplo: a confecção de bolos enormes, que exige muitas pessoas trabalhando e muitos donativos, vendidos no dia de Santo Antonio, contém em seu interior medalhas do santo. Quem conseguir encontrar uma medalha no pedaço que adquiriu, terá sorte no amor, conseguirá um noivo ou alcançará melhoria no seu casamento.
A Bíblia diz que a esposa prudente vem do Senhor, como também vem do Senhor o marido fiel (Pv 19.4; 20.6). O primeiro milagre de Jesus foi realizado num casamento, onde Ele arroga para Si o poder de transformação nos embates da família (Jo 2). Assim, o ídolo ocupa o lugar que pertence ao Senhor.
Participar das festas juninas, aparentemente tão inocentes, é concordar com os costumes preconizados em sua realização. O apóstolo Paulo ensina que tudo o que é oferecido ao ídolo é oferecido ao demônio, 1 Co 10.14-21. Os vv. 20-21 trazem: “Antes digo que, as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios”.
O costume dessas festas é religioso e movido pela tradição romana. Por mais que elas tragam brincadeiras que agradem principalmente as crianças, o perigo é que as tradições e costumes possam entrar na vida dos pequeninos e eles entenderem como normal aquilo que a Palavra de Deus reprova. Observe o que Paulo escreve: “Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa
sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”, Cl 2.8. A Bíblia relata como o povo de Israel sofreu duros castigos ao assumir os costumes de povos que o próprio Deus pediu para não se envolver com eles (Jr 7.16-23).
Se a Bíblia é a Palavra de Deus e reveladora da Sua vontade, precisamos tomar cuidado para que não sejamos pegos como inimigos da mesma. O povo vai acostumando tanto com as práticas admitidas racionalmente e não repara que a Bíblia deixou de ser a sua regra de fé e prática. Não é de estranhar que os filhos já não desejam ler a Bíblia e servir ao Senhor Jesus.
Tem sido um grande problema para pais evangélicos o fato de que, se seus filhos não participarem das festas juninas, perderão notas no boletim. No Inciso 5º da Constituição Federal reza o seguinte: “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais dos cultos e suas liturgias”. Para assumir a postura de contrariedade à participação em tais festejos é preciso coragem, postura firme e ensino frequente da Palavra dentro da casa.
ORIGEM DAS FESTAS JUNINAS
1. Uma fonte traz que a origem dessas festividades remonta à antiguidade, quando se prestavaculto à deusa Juno. Os festejos a esta deusa eram denominados Junônias, atualmente festas juninas. Segundo a mitologia romana Juno era a protetora do casamento, do parto e, sobretudo,da mulher em todos os aspectos da sua vida. Juno era a principal deusa e a contrapartida feminina de Júpiter, seu irmão e incestuoso marido. Com Júpiter e Minerva, formava a tríadecapitolina de divindades difundidas pelos reis etruscos, cujo templo se erguia no Capitólio, em Roma.
Essa deusa recebeu vários epítetos, segundo os papéis que desempenhava, por exemplo: Juno Iterduca, que conduzia a noiva à nova casa; Juno Lucina, que auxiliava o nascimento das crianças; Juno Natalis, que presidia o nascimento de cada mulher; e Juno Matronalis, que protegia a mulher casada. Assim como todo homem possuía seu “gênio”, toda mulher tinha sua “juno”, ou seu anjo protetor. Sua festa principal era a Matronália, celebrada em 1º de março, data em que mulheres casadas se reuniam e levavam oferendas ao templo de Juno Lucina. Tais manifestações trouxeram inspiração para o Catolicismo Romano, que colocou essas festividades no mês de junho. Quando o cristianismo foi implantado na Europa, depois de muito relutar, a Igreja Romana aceitou algumas das festas pagãs, entre elas as Junônias.
2. Outra fonte diz que as festas juninas são de origem européia, e que fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. A festa junina do dia de “Midsummer” (24 de Junho) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia. Ainda hoje, a Festa Junina é o traço comum que une todas as festas de São João européias (da Estônia a Portugal, da Finlândia à França). Estas celebrações estão ligadas às fogueiras de Páscoa e às fogueiras de Natal.
Uma lenda católica dogmatizando a Festa Junina pagã estival afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte. Interessante notar que a Bíblia, a qual relata a história de ambas, no início do Evangelho de Lucas, nada traga que abalize essa lenda.
3. Para os brasileiros as festas juninas são uma herança portuguesa resultante dos cultos pagãos em louvor a terra, inspirados na data de nascimento de São João. Sua origem foi influenciada por festas bárbaras e pagãs, com fogueiras e queimas de fogos para afugentar os maus espíritos.
Começaram nos campos e plantações, daí os trajes típicos de caipiras e sinhazinhas, com casamento de roça, discurso do padrinho, as capelinhas decoradas, etc. Mais tarde as festividades tomaram um cunho religioso com apresentação de tradições locais, influenciada pelas lendas e hábitos do populacho.
Além de desagradar ao Senhor com a prática das festas juninas, o participante das mesmas O entristece pelo fato de satirizar pessoas pelas quais Jesus deu a Sua vida, no caso, o homem do campo, tão importante dentro da nossa economia, já que o Brasil é o maior país agrícola do mundo. As Festas Juninas humilham as pessoas do campo; o caipira, quando não é banguela é desdentado, seu andar é torto, ele é corcunda por causa da enxada, a botina é furada, suas roupas são rasgadas e remendadas, um pobre coitado.
A Bíblia diz: “Quem caçoa do pobre insulta a Deus, que o fez”, Pv 17.5.
ALGUNS MOTIVOS PARA NÃO PARTICIPAR DAS FESTAS JUNINAS
a) Plágio do paganismo;
b) Os santos não ouvem orações e nem têm poder para as intermediarem junto a Deus (Ec 9.5,6);
c) Deus condena a invocação de mortos e qualquer manifestação espiritual dedicada a eles (Is
8.19; Dt 18.9-12);
d) Os louvores e honras prestados nesses festejos, na verdade, são recebidos por outros espíritos
(1 Co 10.14-21);
e) As comidas servidas ou vendidas nessas festas são benzidas, consagradas ao santo do dia, prática proibida pela Bíblia (At 15.29; 1 Co 10.21)
f) O pior perigo é os crentes perderem a sua identidade como partes do povo de Deus. Conviver mais de perto com os povos da terra torna o cristão mais suscetível às suas influências e ao pecado. A tendência de relativizar o pecado, julgando que não tem importância, que devemos nos contextualizar, traz o perigo da apostasia, a qual não se apresenta com uma forma definida.Ela vai se instalando aos poucos, quando o crente vai perdendo o compromisso do seu testemunho cristão num mundo
g) O crente fica mais vulnerável aos ataques do inimigo, quando abre portas no seu coração para as práticas da idolatria.
CONCLUSÃO
Poderia continuar esse estudo, falando sobre os santos homenageados e as crendices em torno deles, bem como sobre todas as práticas que envolvem as festas juninas. Mas isto pode ser encontrado em muitos estudos disponíveis na internet e o interessado em fazer a vontade de Deus terá sobejas oportunidades de se aprofundar no assunto.
Uma coisa é certa: os santos bíblicos jamais aceitaram adoração, nem homenagens pelos poderes que receberam de Deus. Assim foi com Pedro (At 10.25,26), com Paulo e Barnabé (At 14.11-15), com João Batista (Jo 3.30), com João, o evangelista (Ap 19.10) e com o anjo celestial (Ap 22.8-9). Eles também não podem fazer nada pelos vivos. Pedro e João, como servos de Deus obedientes que foram, estão no céu, conscientes da felicidade que lá os cercam (Lc 23.43; 2Co 5.6-8; Fp 1.21-23). Não estão ouvindo, de forma nenhuma, os pedidos das pessoas que os cultuam aqui na terra. O único intercessor eficaz junto a Deus é Jesus Cristo: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem”, 1 Tm 2.5.
Concluo citando as palavras do Apóstolo Paulo: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o crente com o descrente? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei, e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Pelo que, saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; E eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor, Todo- Poderoso”.
Novas religiões adotam festas existentes para tornar a conversão menos chocante
Antes da tomada de qualquer decisão é necessário a realização de um juízo de valor, conhecer prós e contras, e no que diz respeito a celebração de festas, é necessário ter o mínimo de noção sobre suas origens, seus motivos e contextos. Quando o assunto é festa religiosa, todo cuidado é pouco, pois Deus é SANTO e sem santificação ninguém verá a DEUS – Hebreus 12.14.
Ao chegar o mês de junho, a maioria dos brasileiros, principalmente nas cidades interioranas, se preparam para as festivais desse mês. Mas para os crentes, surge o grande dilema, porque tais festas foram incorporadas na cultura brasileira com roupagens folclóricas, mas que tem um pano de fundo religioso. E para saber se deve participar ou não destas festas, preparamos este estudo quem tem o objetivo de esclarecer e dar ferramentas de defesa para o cristão que tem coragem de ser diferente sem ser ridículo, mas que sabe pensar e que tenha uma fé racional e não sentimentalóide. Para tanto são necessárias algumas perguntas:
Qual a origem da festa Junina? A Festa Junina é uma expressão religiosa ou folclórica? Se é uma festa religiosa, como separar o religioso do folclore se ambos estão intimamente ligados? Teria algum problema se uma criança crente, protestante, evangélica e cristã participasse destas festividades? Enquanto crentes, qual lição podemos tirar quando consideramos os investimentos e esforços encetados nos preparativos e participação das festas pagãs como a festa junina?
Uma festa copiada do paganismo europeu
Na Europa antiga, bem antes do descobrimento do Brasil, já aconteciam festas populares durante o solstício de verão (ápice da estação), as quais marcavam o início da colheita. Dos dias 21 a 24, diversos povos, como celtas, bascos, egípcios e sumérios, faziam rituais de invocação da fertilidade para estimular o crescimento da vegetação, prover a fartura nas colheitas e trazer chuvas. Nelas, ofereciam-se comidas, bebidas e animais aos vários deuses em que o povo acreditava. As pessoas dançavam e faziam fogueiras para espantar os maus espíritos. Por exemplo: as cerimônias realizadas em Cumberland, na Escócia e na Irlanda, na véspera de São João, consistiam em oferecer bolos ao sol, e algumas vezes em passar crianças pela fumaça de fogueiras.
As origens dessa comemoração também remontam à antiguidade, quando se prestava culto àdeusa Juno da mitologia romana. Os
festejos em homenagem a essa deusa eram denominados “junônias”. Daí temos uma das procedências do atual nome “festas juninas”.
Tais celebrações coincidiam com as festas em que a Igreja Católica comemorava a data do nascimento de São João, um anunciado da vinda de Cristo. O catolicismo não conseguiu impedir sua realização. Por isso, as comemorações não foram extintas e, sim, adaptadas para o calendário cristão. Como o catolicismo ganhava cada vez mais adeptos, nesses festejos acabou se homenageando também São João. É por issoque no inicio as festas eram chamadas de Joaninas e os primeiros paises a comemorá-las foram França, Itália, Espanha e Portugal.*
o    Juno: Protetora da mulher – compromisso com o amor e com o casamento, festa para os amantes, para adivinhar o futuro; acende-se a fogueira para queimar o velho e começar uma nova vida.
A suposta origem cristã da festa
“Para as crianças católicas, a explicação para tais festividades é tirada da Bíblia com acréscimos mitológicos. Os católicos descrevem o seguinte:
‘Nossa Senhora e Santa Isabel eram muito amigas. Por esse motivo, costumavam visitar-se com freqüência, afinal de contas amigos de verdade costumam conversar bastante. Um dia, Santa Isabel foi à casa de Nossa Senhora para contar uma novidade: estava esperando um bebê ao qual daria o nome de João Batista. Ela estava muito feliz por isso! Mas naquele tempo, sem muitas opções de comunicação, Nossa Senhora queria saber de que forma seria informada sobre o nascimento do pequeno João Batista. Não havia correio, telefone, muito menos Intemet. Assim, Santa Isabel combinou que acenderia uma fogueira bem grande que pudesse ser vista à distância. Combinou com Nossa Senhora que mandaria erguer um grande mastro com uma boneca sobre ele. O tempo passou e, do jeitinho que combinaram, Santa Isabel fez. Lá de longe Nossa Senhora avistou o sinal de fumaça, logo depois viu a fogueira. Ela sorriu e compreendeu a mensagem. Foi visitar a amiga e a encontrou com um belo bebê nos braços, era dia 24 de junho. Começou, então, a ser festejado São João com mastro, fogueira e outras coisas bonitas, como foguetes, danças e muito mais!’.
Como podemos ver, a forma como é descrita a origem das festas juninas é extremamente pueril, justamente para que alcance as crianças.”*
Breve Histórico da Festa no Brasil
“Como é do conhecimento geral, fomos descobertos pelos portugueses, povo de crença reconhecidamente católica. Suas tradições religiosas foram por nós herdadas e facilmente se incorporaram em nossas terras, conservando seu aspecto folclórico. Sob essa base é que instituições educacionais promovem, em nome do ensino, as festividades juninas, expressão que carrega consigo muito mais do que uma simples relação entre a festa e o mês de sua realização. Entretanto, convém salientar a coerente distancia existente as finalidades educacionais e as religiosas. É bom lembrar também que nessa época as escolas, “em nome da cultura”, incentivam tais festas por meio de trabalhos escolares, etc… A criança que não tem como se defender aceita, pois se sente na obrigação de respeitar a professora que lhe impõe estes trabalhos (sobre festa Junina), e em alguns casos é até mesmo ameaçada com notas baixas, porquê a professora, na maioria das vezes, é devota de algum santo, simpatizante ou praticante da religião Católica, que é a maior divulgadora desta festa.”*
Superstições
o    Puxada do Mastro: O ritual tem origem em cultos pagãos, comemorativos da fertilidade da terra, que eram realizados no solstício de verão, na Europa. Acredita-se que se a bandeira vira para o lado da casa do anfitrião da festa no momento em que é içada, isto é sinal de boa sorte. O contrario indica desgraça. E caso aponte em direção a uma pessoa essa será abençoada.
o    Fogueiras: Os pagãos acreditavam que elas espantavam os maus espíritos. Já os católicos acreditavam que era sinal de bom presságio. Conta uma lenda católica que Isabel prima de Maria, na noite do nascimento de João Batista , ascendeu uma fogueira para avisar a novidade à prima Maria, mãe de Jesus. Por isso a tradição é acendê-las na hora da Ave Maria (às 18h). Se isto é verdade, então por que acende fogueira para Santo Antônio e São Pedro? Veja que o único objetivo é dar uma roupagem religiosa para uma festa pagã!
o    Fogos de Artifício: Já os fogos dizem alguns, eram utilizados na celebração para “despertar” São João e chamá-lo para as comemorações de seu aniversário. Na verdade os cultos pirolátricos são de origem portuguesa. Antigamente em Portugal, acreditava-se que o estrondo de bombas e rojões tinha como finalidade espantar o diabo e seus demônios na noite de São João.
o    Balões: Todos os cultos das festas juninas estão relacionados com a sorte. Por isso os devotos acreditam que ao soltar balão e ele subir sem nenhum problema, os desejos serão atendidos, caso contrário (se o balão não alcançar as alturas) é um sinal de azar. A tradição também diz que os balões levam os pedidos dos homens até São João. Mas tudo isso não passa de crendices populares.*
Motivos para não participar das festas pagãs
o    As festas são aéticas – celebram ao mesmo tempo o sagrado e o profano.
Veja que não existe distinção do que é religioso, o que é cultural, o que é folclórico e pior do que é profano. Como vemos nesta imagem  a festa idólatra continua com sua roupagem religiosa com pano de fundo profano e de prostituição, como fora no passado. A pessoa vai a igreja para a festa religiosa, ao sair já na praça da Matriz, a festa é profana com músicas que estimulam a sensualidade e a imoralidade. Em fim, é uma festa aética.
o    Plágio do Paganismo – Dt. 18.9
Como a igreja romana não conseguiu superar a religiosidade das festas pagãs, preferiu aderi-las, dando-lhes aparência religiosa para não ofender a cultura e atrair mais fiéis para suas fileiras e assim a festa pagã foi assimilada. Por outro lado, há uma grave advertência nas escrituras para que o povo não copie as práticas pagãs. Por conta da obediência a Deus, o cristão de verdade não deve fazer concessões. Caso queira resgatar a festa da colheita para louvor a Deus, existe na Bíblia previsão para isto e se quiser resgatar quem foi João Batista, basta olhar para as escrituras, mas para isso é necessário pesquisa para se ter conhecimento sobre o impacto que se dará no contexto cultural.
o    Rezas, canções, missas, alimentos oferecidos em mesa idólatra (I Coríntios 10.14-22);
Nestas festas há o caráter religioso e idólatra e nas escrituras somos advertidos a não participar da comunhão com os ídolos ao mesmo tempo que participamos da comunhão com o corpo de Cristo.
o    Os “santos” nada podem fazer – Eclesiastes 9.5 e 6; I Timóteo 2.5; João 14.13 e 14;
Há uma forte expectativa nas canções e orações aos “santos”, porém estes já morreram, não tem conhecimento de nada que se passa debaixo do sol e sequer poder oferecer qualquer tipo de auxílio ou intercessão. O único que intermedeia nosso relacionamento com o Pai é Jesus; a ele sim deve ser orientada nossas orações, pois conhece nossas fraquezas e pode nos ajudar em ocasião oportuna.
o    Invocação aos mortos – Dt. 18.9-12; Isaias 8.19
Deus condena toda prática de invocação aos mortos. Os mortos nada podem fazer, por isso os demônios aproveitam a oportunidade para desviar o foco de Deus para si mesmo e receber a adoração que o homem deveria prestar ao Criador, bendito seja ele.
o    A imagem do home do campo é humilhada e depreciada – Provérbios 17.5
Qual criança se espelharia no típico caipira das quadrilhas de festas juninas? Quais delas diria: “quando crescer quero ser um caipira, ou homem do campo, com as roupas remendadas”? As crianças querem ser médicos, professoras, atrizes, pois estes não são humilhados nas festas juninas. As Festas Juninas inconscientemente ou não, servem mais para humilhar as pessoas do campo do que para honrá-las como pretendem; o caipira, quando não é banguela, é desdentado, seu andar é torto, corcunda por causa da enxada, a botina é furada, suas roupas são rasgadas e remendadas, uma alusão ao espantalho, um pobre coitado! – pois talvez seja assim que os grandes latifundiários vêem o caipira, e essa visão é reproduzida por nossas crianças nas escolas. Poderia isto ser chamado de FOLCLORE e CULTURA?*
Motivos para adorar SOMENTE a DEUS
o    Deus é o único – Isaias 45.18-21;
o    Deus não divide sua glória com nenhum outro – Isaias 42.9; Mateus 6.24; Tiago 4.4; I João 2.15;
o    Deus abomina a idolatria – Êxodo 20.4-6;
o    Deus é a única esperança para você – Atos 17.28;
o    Você deve fidelidade a Deus – Marcos 12.30; I Reis 18.21
Uma lição para os Cristãos
O investimento para preparar uma festa junina é muito alto. São os materiais para fazer as bandeirinhas, tecidos para confecção das roupas típicas ou a compra das roupas já confeccionadas, compra de ingredientes para preparo de comidas da época, alto investimento em bebidas alcoólicas, derrubada de árvores para fazer o mastro e para queimar nas fogueiras. Isso sem contar com o tempo gasto para ensaios das quadrilhas que devem participar de competições no últimos dias da festa. Diga-se de passagem, o tamanho do esforço para andar com o mastro e levantá-lo.
Diante disso, por que muitos cristãos têm dado desculpas inaceitáveis para investirem tempo e recursos na obra do Deus vivo? Quantas não são as vezes que os crentes dizem que não tem tempo para participar de uma reunião de oração? quantos não dizem que tem dificuldade de participar das escolas bíblicas, pois o domingo é o único dia que têm para dormir?
Tempo ninguém tem, tempo a gente constrói. E construímos tempo para aquilo que de fato damos maior valor!
No que você tem investido seu tempo?
No que você tem investido seus recursos?
Para onde está indo suas finanças?
Será que ofertar e dizimar é tão mais caro que uma festa pagã?
Será que as pessoas que participam destas festas são muito mais ricas do que a igreja de Cristo?
Será que as pessoas que participam destas festas tem mais tempo do que os crentes e por isso podem ensaiar melhor suas danças, teatros e coreografias?
Na verdade eles nada diferem de nós no que diz respeito aos recursos e a tempo, a única diferença é que se entregam de coração, corpo, alma, forças e entendimento naquilo que acreditam ser a razão de suas alegrias.
Que Deus tenha misericórdia de nós!!!


Fonte

http://blogs.odiario.com/inforgospel/2011/06/02/o-crente-e-as-festas-juninas/

https://igrejabatistaboasnovas.wordpress.com/2012/06/11/o-cristao-e-a-festa-junina/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!.EU SOU MARCIO DE MEDEIROS-PROF.DO SETEF,SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.JESUS TE AMA E MORREU POR VOÇÊ!!!.
TEMOS,1 SITE DESTINADO A CULTURA GERAL , OUTRO SITE DESTINADO À ASSUNTO BÍBLICOS E UM OUTRO SITE DESTINADO À ENTRETENIMENTO,TEMOS:JOGOS,FILMES,DESENHOS ETC.USE OS LINKS ABAIXO PARA VISITAREM OS SITES.TEMOS 3 SITES E 1 BLOG.BOM PROVEITO!.

https://sites.google.com/
http://www.prof-marcio-de-medeiros.webnode.com/
http://profmarcio.ucoz.com